Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-23T10:06:01-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Otimismo com manutenção do acordo comercial entre EUA e China embala os negócios

Durante a madrugada, o presidente Donald Trump reafirmou que o acordo de fase 1 firmado com o país asiático continua em vigor, impulsionando o mercado acionário global. No brasil, o destaque do dia é a ata do Copom.

23 de junho de 2020
8:05 - atualizado às 10:06
China e Estados Unidos
Imagem: Shutterstock

Os mercados financeiros globais começam o dia refletindo um forte alívio, pautados na confirmação de que o acordo comercial firmado entre Estados Unidos e China continua valendo, feita por Donald Trump durante a madrugada. Na Europa, resultados melhores do que o esperado da ativida econômica do continente embalam o pregão.

No Brasil, o destaque do dia é a divulgação da ata do Copom (8h). Embora os investidores não esperem grandes novidades, o documento deve trazer pistas mais claras sobre a indicação de um 'ajuste residual' na próxima reunião, em agosto.

Embalando os negócios

As últimas horas foram de grande emoção para quem acompanha as idas e vindas do acordo comercial entre Estados Unidos e China. Os índices futuros em Nova York e as bolsas na Ásia acenturaram as perdas após a fala do conselheiro de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, que em entrevista à Fox News disse que o pacto comercial com a China teria chegado ao fim.

Durante a madrugada, o presidente Donald Trump correu para o Twitter e desmentiu a informação, reafirmando que o acordo de primeira fase firmado em janeiro pelas potências continua em vigor.

"O acordo comercial com a China continua intacto. Tomara que eles continuem a seguir os termos do acordo".

Navarro chegou a esclarecer os seus comentários, dizendo que a fala teria sido tirada de contexto, masé o otimismo com a fala de Trump, e a confiança no acordo comercial, que sustentam as bolsas nesta manhã.

Ainda durante a madrugada, as bolsas asiáticas se recuperaram e fecharam em alta generalizada.

Recuperação otimista

Com o cenário mais otimista no campo comercial, os investidores na Europa refletem os últimos indicadores macroeconômicos divulgados no velho continente e que surpreenderam positivamente o mercado. O PMI composto da zona do euro subiu de 31,9 para 47,5 em junho. Na Alemanha, o índice foi de 32,3 para 35,8.

Em Nova York, os índices futuros também refletem o alívio no mercado externo, e avançam.

No exterior, fica em segundo plano o avanço do coronavírus - que volta a ganhar força em algumas regiões dos Estados Unidos e em Pequim.

Descolado de NY

Após quatro altas consecutivas, o Ibovespa fechou o dia em queda de 1,28%, aos 95.335,96 pontos. Com o exterior mais positivo, o dólar teve um dia de alívio, fechando o dia cotado a R$ 5,2706, após queda de 0,89%.

O pregão brasileiro foi marcado pela forte realização de lucros, indo na contramão das bolsas americanas - que chegaram a abrir em queda, mas se recuperaram ao longo do dia e fecharam a sessão com altas modestas.

Um dos destaques do dia foram as ações da Sabesp. Com a proximidade da votação do marco regulatório do saneamento, que busca atrair investimentos privados para o setor, as empresas do segmento pegam carona.

Pistas do futuro

No último comunicado do Copom, divulgado na quarta-feira (17) da semana passada, o BC cortou a taxa básica de juros para 2,25% e indicou um 'ajuste residual' na próxima reunião, que acontece em agosto.

Os investidores calculam que esse ajuste derrube a taxa Selic para 2% e esperam que a ata divulgada nesta terça-feira traga pistas sobre as próxima atuações do Copom. A ata também deve trazer um balanço mais completo dos riscos enxergados pelo Banco Central.

Caso Queiroz

Os investidores seguem monitorando os desdobramentos da prisão do ex-assessor Fabrício Queiroz.

Novas operações de buscas foram realizadas na casa de parentes da esposa de Queiroz. Segundo autoridades, Mparcia Oliveira de Aguiar teve papel fundamental nas manobras do esquema da 'rachadinha', que aconteceria no gabinete do filho do presidente, Flávio Bolsonaro.

Agenda

A divulgação da ata do Copom (8h) é o primeiro destaque do dia. Na agenda ainda estão a participação de Roberto Campos Neto (BC) em evento, às 10h, e em coletiva sobre a covid-19, às 14h. A prévia do IPC-S (8h) e a arrecadação de maio fecham a agenda local.

No exterior, leitura preliminar do PMI/Markit Industrial (10h45) é destaque. Na Europa, os índices de atividades da Alemanha, Reino Unido e zona do euro também são conhecidos.

Fique de olho

  • A Petrobras informou que deve concluir a venda das ações remanescentes da TAG, cerca de 10%, até a 1ª quinzena de julho.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Debandada no Ministério

Três membros da equipe econômica pedem demissão após Guedes lavar as mãos para furo no teto de gastos

Segundo o Ministério da Economia, os funcionários alegaram motivos pessoais, mas o timing das saídas aponta que a insatisfação com a postura do ministro pode ser o real motivo por trás da debandada

Presente de grego

Bolsonaro está dando presente para os mais pobres com o Auxílio Brasil? Para o relator do benefício na Câmara, ele está apenas emprestando até ganhar a eleição

O deputado Marcelo Aro diz que a solução encontrada pelo presidente é claramente eleitoreira e pode prejudicar os beneficiários após o fim das eleições

INVESTIR EM CANNABIS

Dividendos em Cannabis: como ganhar uma renda recorrente investindo em um dos segmentos mais promissores dos próximos anos

O analista Enzo Pacheco explica as oportunidades desse mercado que tem ganhado cada vez mais espaço nos Estados Unidos

US$ 1 = R$ 5,70

Dólar flerta com o maior patamar em seis meses, mas desacelera alta após relatório da PEC dos precatórios e moeda se afasta dos R$ 5,70

Em 2021, o dólar chegou a atingir o patamar de R$ 5,883, em março, um dos piores momentos da crise causada pela pandemia de covid-19

TAPANDO O SOL COM A PENEIRA

Bolsonaro recorre a suposta sensibilidade com mais pobres para negar que esteja furando teto

Comentários do presidente vêm à tona um dia depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter admitido a necessidade de uma ‘licença para gastar’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies