Menu
2020-01-30T13:26:34-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ainda é buy

UBS eleva preço-alvo e reforça indicação de compra de ação que já subiu mais de 350% desde IPO

Banco suíço permanece otimista com as ações do IRB e projeta um retorno sobre o patrimônio líquido de 50% para a ação em 2020

30 de janeiro de 2020
13:21 - atualizado às 13:26
Obra de insfraestrutura
Projetos de infraestrutura podem impulsionar o preço da ação do IRBImagem: Shutterstock

O banco suíço UBS aumentou o preço-alvo das ações da resseguradora IRB (IRBR3) de R$ 41,50 para R$ 50 em 12 meses, um potencial de valorização (upside) de 13,64% frente ao fechamento de ontem (29), quando a ação terminou o pregão em R$ 44. A instituição também reiterou sua recomendação de compra para os papéis.

Desde a oferta pública inicial (IPO) do IRB no fim de julho de 2017, suas ações já se valorizaram mais de 350%. Nesta quinta (30), o papel subia 0,18% por volta das 13h, ante uma desvalorização de mais de 2% do Ibovespa. Veja a nossa cobertura completa de mercados.

"O IRB já se valorizou 14% no ano, superando os pares (-2% a 7%) e o Ibovespa (flat), refletindo as boas perspectivas para o setor de resseguros em 2020, com melhorias na performance operacional", escreveram os analistas Mariana Taddeo e Kaio Prato em relatório.

Mesmo assim, os analistas ainda veem potencial para a ação, devido ao seu sólido crescimento no mercado local por meio "da alavancagem de suas vantagens competitivas únicas", ao crescimento das oportunidades no mercado internacional e por ter um dos maiores retornos sobre o patrimônio líquido (ROE) entre seus pares globais.

O ROE projetado pelo UBS em 2020 é de 50,3% para 2020, bem acima da média global de 12,5%. Os analistas também revisaram para cima suas estimativas de crescimento no lucro líquido da companhia em 2020 e 2021 de 16% para 18% ao ano.

Para eles, o valuation permanece atrativo, com uma estimativa de que a ação será negociada a quase 21 vezes a relação Preço/Lucro ao final de 2020, contra um P/L de 18 vezes nos últimos 12 meses.

Segundo os analistas do UBS, os fatores que podem impulsionar a ação no curto prazo são as privatizações, os subsídios ao seguro rural e projetos de infraestrutura. A estimativa é que o crescimento dos prêmios permaneça em dois dígitos

Já no médio/longo prazo, eles veem oportunidade de crescimento em parcerias com bancos digitais e fintechs e no aumento da penetração dos resseguros.

No mercado internacional, a perspectiva é continuidade de ganho de participação de mercado, principalmente na América do Sul, "onde o mercado de resseguros tem baixa penetração e é muito fragmentado", diz o relatório.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies