Menu
2020-03-26T08:25:56-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Em dia de agenda cheia, mercado realiza lucros e fica em compasso de espera

Além do movimento de realização de lucro, após as recuperações recentes do mercado acionário, os investidores também estão bem atentos aos dados de auxílio-desemprego dos Estados Unidos, que deve dar uma medida sobre o impacto do coronavírus

26 de março de 2020
8:08 - atualizado às 8:25
Stock Market
Imagem: Shutterstock

Se ontem o dia foi pautado pelo bom humor dos investidores após a aprovação do pacote de resgate trilionário nos Estados Unidos e uma série de outros estímulos dos bancos centrais e governos para mitigar os impactos do coronavírus na economia, hoje a história pode ser um pouco diferente.

Além do movimento de realização de lucro, após as recuperações recentes do mercado acionário, os investidores também estão bem atentos aos dados de auxílio-desemprego que deve ser divulgado hoje pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos (9h30) e que deve ficar em destaque em um dia recheado de indicadores.

O número deve dar uma dimensão do tamanho do problema para a economia americana e mundial. A expectativa é que haja um aumento significativo nos pedidos.

Com isso no radar, as bolsas já se antecipam e entram em um movimento de queda.

Na Ásia, as bolsas fecharam em baixa, após acumularem dois pregões seguidos de alta.

Nesta manhã, os índices futuros em Wall Street amanhecem em queda firme superior a 1%. O mesmo ocorre na Europa, onde o índice pan-europeu Stoxx-600 opera em baixa.

De olho nos dados

Ontem a bolsa brasileira ignorou em partes a tensão política envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e parcela da classe política e também teve um dia de recuperação.

O Ibovespa fechou com alta pelo segundo dia consecutivo, após avançar 7,5%, aos 74.955,57 pontos. Esse é o maior nível de encerramento desde o dia 13 de março. O dólar também encerrou com queda de 0,97%, a R$ 5,0326.

Hoje, o destaque fica com a divulgação do 'PIB do BC', o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), que deve refletir o novo cenário econômico com a pandemia do novo coronavírus.

Além disso, o Banco Central também divulga o Relatório Trimestral de Inflação, que deve trazer outras projeções importantes para a economia brasileira. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, participará de uma coletiva de imprensa logo em seguida.

Nesta manhã, o EWZ, principal ETF brasileiro negociado em Nova York, apresenta queda de 0,45% no pré-mercado, por volta das 8h.

Boletim médico

No Brasil, o número de infectados pelo novo coronavírus já é superior a 2.400 e os mortos já contabilizam ao menos 57 pessoas.

O Congresso tenta deixar de lado as falas polêmicas do presidente Jair Bolsonaro - que condena as ações de isolamento e vai contra as recomendações da Organização Mundial de Saúde - e corre para tentar aprovar medidas que amenizem a situação da população.

A Câmara deve votar hoje um auxílio emergencial para trabalhadores informais e pessoas com deficiência, aumentando o limite de R$ 300 sinalizado pela equipe econômica para R$ 500.

Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a casa também deve finalizar a redação da emenda que permitiria um 'orçamento de guerra'.

A maior parte dos governadores também seguem em atrito com o governo federal, mantendo as medidas de isolamento total.

Balanços

A quarta-feira foi agitada no campo do noticiário corporativo, com algumas queridinhas do mercado divulgando os seus números do quarto trimestre de 2019.

Hoje, antes do mercado abrir, saem os resultados de Bradespar e Embraer.

Confira os principais números que devem movimentar o mercado hoje:

  • A Oi teve prejuízo líquido de R$ 9 bilhões em 2019, revertendo o lucro de R$ 24 bilhões visto em 2018. O Ebitda ajustado foi de R$ 6,015 bilhões no ano.
  • O lucro da JBS cresceu 241 vezes e alcançou a casa dos R$ 6,1 bilhões. A receita líquida da companhia no período foi de R$ 204,5 bilhões, um aumento de 12,6%.
  • A Via Varejo teve lucro líquido de R$ 78 milhões no quarto trimestre de 2019, revertendo um prejuízo de R$ 282 milhões no mesmo período de 2018. A varejista acumula perdas de R$ 479 milhões em 2019, ante perdas de R$ 291 milhões no ano anterior.

Agenda

Além do número de pedidos de auxílio-desemprego, nos Estados Unidos também é dia de conhecer a terceira e última prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre de 2019.

No Reino Unido, é dia de decisão e o Banco da Inglaterra (BoE) divulga a sua decisão sobre a política monetária do país (9h).

Fique de olho

  • A Via Varejo encontrou evidências de fraudes contábeis. O impacto chega a R$ 1,19 bilhão no balanço do 4º trimestre.
  • A Oi decidiu não divulgar projeções para 2020 devido ao cenário de pouca previsibilidade. A empresa está em recuperação judicial desde 2016.
  • IRB cancelou convocação para Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária que iria acontecer no dia 30 de março. A empresa também divulgou a renúncia do conselheiro Pedro Guimarães.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Quarentena

Trump estende distanciamento social por coronavírus nos EUA até 30 de abril

Na semana passada, o presidente dos EUA havia sugerido que poderia “reabrir” a economia americana na Páscoa

Situação excepcional

Ministro do STF Alexandre de Moraes atende governo e relaxa exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal

Ao Supremo, a União pedia a relativização das exigências da Lei, devido à situação excepcional do novo coronavírus no País, destacando que o direito à saúde da população deve prevalecer

Balanço

Covid-19: número de mortes por coronavírus no Brasil sobe para 136

Os casos confirmados da doença aumentaram de 3.904 para 4.256. Mantendo o padrão identificado ao longo da semana, 90% tinham mais de 60 anos

Enquanto uns choram, outros vendem lenços

Na contramão do restante da economia, setores essenciais aceleram contratações

Varejistas como supermercados e farmácias, além de hospitais, estão contratando mais diante da pandemia de coronavírus

'rolezinho do presidente'

‘Provocação’ e ‘irresponsabilidade’: parlamentares condenam passeio de Bolsonaro

Saída do presidente aconteceu um dia depois de o ministro da Saúde reforçar medidas de isolamento e pedir que ele não menosprezasse a gravidade da pandemia do novo coronavírus em suas manifestações públicas

Do contra

Bolsonaro cogita decreto que permita volta ao trabalho a todas as profissões

Presidente disse ainda que irá recorrer da decisão judicial que derrubou decreto que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil

Mais crédito

BNDES anuncia linha de R$ 2 bi para setor de saúde e prepara medidas para aéreas e setor público

Banco de fomento também fez balanço de medidas anunciadas até agora e reafirmou que será operador de linha de R$ 40 bilhões para pagamento de salários.

Mais paradas

Latam suspende rotas internacionais adicionais até 30 de abril

Em nota, a empresa diz que o valor do bilhete de todos os passageiros com voos cancelados será automaticamente mantido como crédito para futuras viagens

Mais autonomia

Guedes pede estudo para direcionar mais recursos aos municípios que aos Estados para combate ao coronavírus

Em videoconferência promovida pela Confederação Nacional de Municípios, ministro da Economia defendeu maior liberdade para prefeitos disporem de recursos durante combate ao coronavírus

Prioridades

Reabertura do país será decisão de saúde, diz secretário do Tesouro americano

Steven Mnuchin reconhece o aumento do número de desempregados e o declínio do PIB, mas diz que principal objetivo do presidente Donald Trump é a saúde das pessoas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements