Menu
2020-03-24T08:26:24-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

Em dia de exterior positivo, investidores ficam de olho na atuação dos BCs e números do varejo

Hoje é dia de vendas no varejo de janeiro (9h), que mesmo sem refletir o fator coronavírus, deve vir mais fraco do que o esperado e repercutir no mercado local

24 de março de 2020
8:03 - atualizado às 8:26
Montanha russa
Imagem: Shutterstock

O coronavírus segue sendo o maior fator de influência nos mercados globais, com os investidores de olho nos pacotes de estímulos que buscam diminuir o impacto da doença na economia.

Já são mais de 387 mil casos no mundo inteiro, com 16,5 mil mortes. Por aqui, são mais de 1.800 casos confirmados e 34 óbitos.

Enquanto o mundo para, a atividade econômica mundial desacelera e fica cada vez mais claro que um cenário de recessão não está distante. Governos, Bancos e casas de análise já revisam as projeções para a economia, mesmo após atuação intensa dos bancos centrais para tentar estancar a sangria. Nessa toada, o mercado acionário segue alternando dias de alta com dias de baixa.

Sobe e desce

Os números parecem indicar mais um dia de grande volatilidade nos mercados.Se em Nova York as bolsas fecharam no vermelho ontem, as sessões na Ásia não se deixaram contaminar pelo mau humor e recuperaram parte das perdas recentes.

As bolsas locais reagiram bem aos pacotes de estímulos dos bancos centrais e a possível aprovação de um pacote fiscal trilionário no Congresso dos Estados Unidos.

O pacote foi rejeitado nas suas duas passagens pelo Senado, mas o mercado confia no sucesso da medida em uma nova passagem pela casa ainda nesta terça-feira. O pacote pode injetar até US$ 1,7 trilhão na economia. Além disso, entra na conta dos investidores as medidas complementares do Federal Reserve, que tenta reconquistar a confiança do mercado.

Na região, o grande destaque foi mais uma vez o índice sul-coreano, o Kospi, que teve ganhos de mais de 8% após o governo da Coreia do Sul dobrar o pacote de resgate para as empresas do país.

Os índices futuros em Nova York começaram uma onda de recuperação durante a madrugada e tiveram as negociações interrompidas no começo da manhã, após atingirem o limite de alta de 5%.

Na Europa, que também começa o dia no campo positivo, os investidores refletem sobre a desaceleração dos casos do novo coronavírus na Itália e novas rodadas de estímulo por parte dos governos.

Pé esquerdo

A semana começou com o pessimismo ainda tomando conta dos mercados e os investidores digerindo as notícias do fim de semana.

Nem mesmo as novas medidas anunciadas pelo Banco Central para dar maior liquidez e crédito às pessoas físicas e empresas deram conta de segurar a queda do índice.

O pacote do BC deve liberar RS 1,2 trilhão no sistema financeiro, mas não deu segurança aos negócios. A cifra equivale a 16,7% do PIB brasileiro.

Dentre as medidas estão:

Por aqui, o Ibovespa renovou as mínimas do ano e caiu 5,22%, fechando a sessão aos 63.569,62 pontos.

O dólar, que chegou a ter momentos de alívio, fechou o dia com um avanço de 2,15%, a R$ 5,1347.

Tensão local

A tensão entre o presidente Jair Bolsonaro, Congresso e os governos estaduais parece ter chegado a um novo capítulo.

Abandonando parte do discurso anterior, Bolsonaro anunciou uma ajuda de R$ 85,8 bilhões para Estados e munícipios combaterem o coronavírus.

Os governadores tiveram uma reunião com Bolsonaro, onde ficou suspenso o pagamento de R$ 12,6 bilhões da dívida dos Estados à União.

Mas o desgaste gerado pela MP que permitia a suspensão dos salários por quatro meses foi maior. O mercado cobra de Paulo Guedes uma participação mais ativa em meio à crise.

Não se sabe ainda com certeza qual será a medida compensatória estabelecida pelo governo. Há divergências dentro da fala do próprio ministro da Economia, Paulo Guedes.

Mudou o tom

A ata do Copom trouxe um BC diferente do apresentado nos últimos comunicados.

Dessa vez, o Banco Central admitiu novos cortes da Selic e apresentou uma linguagem mais alinhada com o que o mercado gostariam de ouvir.

O aceno para novos cortes acentuou a inclinação da curva do DI, ontem.

A conta do vírus

A Ambev divulgou que irá retirar a projeção para o Ebitda do 1º trimestre por conta da pandemia de coronavírus que tomou conta do mundo. A queda projetada era de até 20%. Além disso, a empresa também disse estar com o restante das projeções de 2020 comprometidas.

Agenda

Hoje é dia de vendas no varejo de janeiro (9h), que mesmo sem refletir o fator coronavírus, deve vir mais fraco do que o esperado.

O Tesouro também fará novos leilões extraordinários e ofesta de até 1,5 milhão de NTN-F (compra) e até 500 mil (venda).

Lá fora, os governos tentam encontrar uma saída para o impacto do coronavírus. Os ministros de Finanpças da zona do euro e de Relações Exteriores do G7 realizam teleconferência para discutir o coronavírus.

De portas fechadas (ou quase)

As empresas continuam divulgando suas medidas para tentar diminuir o risco de contágio do novo coronavírus e cumprir as regras de quarentena impostas em alguns estados. Confira:

  • Cia Hering foi mais uma varejista a fechar as portas por 15 dias
  • CVC anunciou a redução de jornada de trabalho em 50% para todos os funcionários a partir de 1º de abril
  • Mahle Metal Leve adotou regime de home office e também adotará férias coletivas em todas as suas unidades.
  • Weg reduziu pela metade o seu número de colaboradores nas operações em Santa Catarina

Fique de olho

  • Raia Drogasil irá pagar juros sobre capital próprio de R$ 0,14 por ação.
  • Iochpe- Maxion adiou Assembleia Geral Ordinária que seria realizada no dia 24 de abril.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements