Menu
2020-03-23T18:26:08-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mais uma sessão negativa

Ibovespa cai mais de 5% e renova as mínimas do ano; dólar sobe e vai a R$ 5,13

O pessimismo dos investidores em relação ao avanço do coronavírus, somado ao cenário político doméstico cada vez mais deteriorado, pressionaram o Ibovespa e fizeram o dólar à vista subir mais de 2%

23 de março de 2020
17:45 - atualizado às 18:26
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As segundas-feiras não têm dado sorte ao Ibovespa: nos dias 9 e 16 de março, o índice brasileiro teve perdas de mais de 10%; hoje, dia 23, caiu 5,22%, fechando a sessão aos 63.569,62 pontos — uma nova mínima neste ano e o menor nível de encerramento desde 10 de julho de 2017.

Isso não é à toa: já que não há pregão durante o fim de semana, os investidores devem esperar até segunda-feira para repercutir o noticiário do sábado e domingo. E, de algumas semanas para cá, tem sido muito raras as novidades positivas.

Assim, com um caminhão de fatores ruins a serem digeridos, as segundas-feiras têm sido pesadas, e hoje não foi diferente. Bom, se serve de consolo, ao menos não tivemos mais um circuit breaker na bolsa — algo que ocorreu na abertura das últimas duas semanas...

  • Eu gravei um vídeo para comentar a nova onda de pessimismo que atinge o Ibovespa e as bolsas globais. Veja abaixo:

Lá fora, a situação não foi muito diferente: na Europa, as principais praças fecharam em queda e, nos Estados Unidos, o Dow Jones (-3,04%), o S&P 500 (-3,35%) e o Nasdaq (-0,27%) recuaram em bloco.

No câmbio, o dólar à vista até começou o dia tranquilo, chegando a aparecer por alguns minutos no campo negativo. No entanto, essa calmaria rapidamente se esvaziou: ainda durante a manhã, a moeda americana virou para alta, terminando a sessão com ganhos de 2,15%, a R$ 5,1347.

Todo esse movimento, é claro, tem como ponto de partida o avanço do surto de coronavírus pelo mundo. Com países inteiros em isolamento para tentar conter o avanço do vírus, a percepção é a de que a economia global vai ser severamente impactada.

E, em paralelo ao pânico gerado pela pandemia, também há o pessimismo em relação ao cenário político doméstico, com uma deterioração cada vez maior nas relações entre o presidente Jair Bolsonaro e os demais membros da classe política, em especial o Congresso e os governos estaduais.

Números assustadores

O surto global de coronavírus continua trazendo enorme pessimismo aos investidores. A doença segue avançando em ritmo preocupante pelo mundo, forçando as pessoas a ficarem em casa e paralisando o ritmo de atividade global.

No mundo todo, já são mais de 16 mil mortes e 370 mil ocorrências confirmadas, de acordo com levantamento feito pela universidade John Hopkins, nos EUA — no Brasil, já são 34 óbitos e mais de 1800 casos confirmados, de acordo com informações recém divulgadas pelo ministério da Saúde:

Por aqui, medidas mais drásticas começaram a ser tomadas por parte de diversos governos estaduais. Em São Paulo, foi decretada quarentena por 15 dias, o que obriga todos os comércios não-essenciais a fecharem as portas durante esse período — uma medida que foi replicada por muitos Estados, em maior ou menor escala.

Mas a postura displicente do governo federal em meio à crise do coronavírus é motivo de estresse para os investidores domésticos. O presidente Jair Bolsonaro tem batido de frente com os governadores e assumido um discurso de que o surto não é grave, o que deteriora ainda mais o cenário político do país.

Nesta manhã, o governo publicou uma MP que permitia a suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, medida que foi amplamente criticada das redes sociais e que desencadeou reações negativas por parte de outras lideranças políticas, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Assim, dada a falta de adesão à proposta, o próprio Bolsonaro voltou atrás e anunciou via Twitter que revogará esse item da MP — um episódio que apenas contribuiu para aumentar a percepção de isolamento do presidente.

E, nesse ambiente político belicoso, cresce o temor de que os efeitos negativos do surto de coronavírus para a sociedade e a economia serão ainda maiores.

BCs agem, mas...

Pacotes anunciados mais cedo pelos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos até afastaram parcialmente o sentimento negativo do mercado, mas sem forças para sustentar uma recuperação das bolsas.

Por aqui, o BC anunciou a redução temporária da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo, de 25% para 17% — segundo a autoridade monetária, a mudança deve liberar R$ 68 bilhões ao sistema financeiro a partir da semana que vem.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ira expandir os programas de empréstimos, de modo a dar maior sustentação à economia. A instituição vai comprar US$ 375 bilhões em Treasuries e mais US$ 250 bilhões em outros títulos, somente nesta semana.

Tais medidas vão na mesma direção, tentando contornar a queda na atividade e a redução na liquidez — a ideia é tentar amenizar ao máximo os impactos negativos da crise do coronavírus.

Mas, em meio ao avanço do coronavírus pelo mundo e à falta de perspectiva em relação à retomada da vida normal, a leitura é a de que a economia global será severamente impactada.

Juros curtos em queda

Em meio ao pessimismo e às projeções de desaceleração abrupta na economia, os investidores voltaram a apostar num novo corte da Selic como ferramenta para estimular a atividade doméstica.

Assim, as curvas de juros de curto prazo fecharam em baixa nesta segunda-feira, enquanto os DIs mais longos avançaram, prevendo uma elevação na Selic após o choque inicial do coronavírus:

  • Janeiro/2021: de 3,96% para 3,77%;
  • Janeiro/2022: de 5,61% para 5,59%;
  • Janeiro/2023: de 6,92% para 7,20%;
  • Janeiro/2025: de 8,25% para 8,63%.

Altas e baixas

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
WEGE3Weg ON35,20+8,83%
PCAR4GPA PN71,88+6,92%
SUZB3Suzano ON28,80+5,15%
MRFG3Marfrig ON7,43+4,50%
AZUL4Azul PN14,28+3,48%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
HGTX3Cia Hering ON11,18-17,19%
NTCO3Natura ON21,25-15,57%
BRKM5Braskem PNA10,07-14,66%
UGPA3Ultrapar ON10,69-13,30%
BPAC11BTG Pactual units26,11-12,97%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Coronavírus no Brasil

Brasil tem 7.910 casos de coronavírus e 299 mortes

Índice de letalidade aumentou de 3,5% para 3,8%

Alívio na bolsa

Ibovespa fecha em alta; disparada do petróleo se sobrepõe à cautela com o coronavírus

O Ibovespa subiu mais de 1%, sustentado pelo bom desempenho das ações da Petrobras em meio à forte valorização das cotações do petróleo. O dólar à vista fechou em leve alta e cravou mais um recorde nominal

Proteção

Pandemia de coronavírus foi a ‘desculpa’ para mercados supervalorizados corrigirem, diz NCH Capital

Em sua carta mensal de março, gestora que vem se saindo bem diante da crise diz que seu modelo já via os mercados valorizados demais, o que a levou a proteger suas posições, embora muito mais cedo do que deveria

Comprando na crise

Investidor pessoa física entra com R$ 17,5 bilhões na bolsa em março

Quem vendeu a maior parte das ações para as pessoas físicas foram os investidores estrangeiros, cujo saldo na bolsa ficou negativo em R$ 24,2 bilhões em março

Por contra da crise

Bradesco antecipa 1ª parcela do 13º salário a funcionários por coronavírus

Bradesco vai antecipar para seus cerca de 100 mil funcionários o pagamento da primeira parcela do 13º salário; pagamento será feito em 29 de abril

Efeito coronavírus

Itaú Asset espera contração de 3,3% do PIB e vê Selic a 1,5% no fim de 2020

A taxa de câmbio esperada pelo Itaú Asset ao fim de 2020 é de R$ 4,85, mesma estimativa para 2021; inflação terminará ano em 2%, abaixo do centro da meta de 4%

AJUDA DO BILIONÁRIO

Bilionário Elon Musk vai enviar ventiladores pulmonares para hospitais, mas com uma condição

Fundador da Tesla e da SpaceX quer que os equipamentos sejam instalados e usados imediatamente para os pacientes, e não “guardados em um armazém”

Críticas

Presidente do BB tem de tratar de liquidez e não sobre isolamento, diz Maia

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia aproveitou a videoconferência que realizou hoje para criticar a postura do presidente do Banco do Brasil

Crescimento de ganhos

Lucro de companhias abertas sem Vale, Petrobras e Oi cresce 7% em 2019, diz estudo

Lucro cresceu 7,16% em 2019, passando de R$ 94,2 bilhões em 2018 para R$ 101 bilhões no ano passado, segundo levantamento da Economática

não está em diário oficial

Doze horas após Bolsonaro anunciar sanção de auxílio, MP ainda não foi publicada

Ajuda a trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores durante a pandemia do coronavírus ainda não tem validade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements