Menu
2020-03-23T18:26:08-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mais uma sessão negativa

Ibovespa cai mais de 5% e renova as mínimas do ano; dólar sobe e vai a R$ 5,13

O pessimismo dos investidores em relação ao avanço do coronavírus, somado ao cenário político doméstico cada vez mais deteriorado, pressionaram o Ibovespa e fizeram o dólar à vista subir mais de 2%

23 de março de 2020
17:45 - atualizado às 18:26
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As segundas-feiras não têm dado sorte ao Ibovespa: nos dias 9 e 16 de março, o índice brasileiro teve perdas de mais de 10%; hoje, dia 23, caiu 5,22%, fechando a sessão aos 63.569,62 pontos — uma nova mínima neste ano e o menor nível de encerramento desde 10 de julho de 2017.

Isso não é à toa: já que não há pregão durante o fim de semana, os investidores devem esperar até segunda-feira para repercutir o noticiário do sábado e domingo. E, de algumas semanas para cá, tem sido muito raras as novidades positivas.

Assim, com um caminhão de fatores ruins a serem digeridos, as segundas-feiras têm sido pesadas, e hoje não foi diferente. Bom, se serve de consolo, ao menos não tivemos mais um circuit breaker na bolsa — algo que ocorreu na abertura das últimas duas semanas...

  • Eu gravei um vídeo para comentar a nova onda de pessimismo que atinge o Ibovespa e as bolsas globais. Veja abaixo:

Lá fora, a situação não foi muito diferente: na Europa, as principais praças fecharam em queda e, nos Estados Unidos, o Dow Jones (-3,04%), o S&P 500 (-3,35%) e o Nasdaq (-0,27%) recuaram em bloco.

No câmbio, o dólar à vista até começou o dia tranquilo, chegando a aparecer por alguns minutos no campo negativo. No entanto, essa calmaria rapidamente se esvaziou: ainda durante a manhã, a moeda americana virou para alta, terminando a sessão com ganhos de 2,15%, a R$ 5,1347.

Todo esse movimento, é claro, tem como ponto de partida o avanço do surto de coronavírus pelo mundo. Com países inteiros em isolamento para tentar conter o avanço do vírus, a percepção é a de que a economia global vai ser severamente impactada.

E, em paralelo ao pânico gerado pela pandemia, também há o pessimismo em relação ao cenário político doméstico, com uma deterioração cada vez maior nas relações entre o presidente Jair Bolsonaro e os demais membros da classe política, em especial o Congresso e os governos estaduais.

Números assustadores

O surto global de coronavírus continua trazendo enorme pessimismo aos investidores. A doença segue avançando em ritmo preocupante pelo mundo, forçando as pessoas a ficarem em casa e paralisando o ritmo de atividade global.

No mundo todo, já são mais de 16 mil mortes e 370 mil ocorrências confirmadas, de acordo com levantamento feito pela universidade John Hopkins, nos EUA — no Brasil, já são 34 óbitos e mais de 1800 casos confirmados, de acordo com informações recém divulgadas pelo ministério da Saúde:

Por aqui, medidas mais drásticas começaram a ser tomadas por parte de diversos governos estaduais. Em São Paulo, foi decretada quarentena por 15 dias, o que obriga todos os comércios não-essenciais a fecharem as portas durante esse período — uma medida que foi replicada por muitos Estados, em maior ou menor escala.

Mas a postura displicente do governo federal em meio à crise do coronavírus é motivo de estresse para os investidores domésticos. O presidente Jair Bolsonaro tem batido de frente com os governadores e assumido um discurso de que o surto não é grave, o que deteriora ainda mais o cenário político do país.

Nesta manhã, o governo publicou uma MP que permitia a suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, medida que foi amplamente criticada das redes sociais e que desencadeou reações negativas por parte de outras lideranças políticas, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Assim, dada a falta de adesão à proposta, o próprio Bolsonaro voltou atrás e anunciou via Twitter que revogará esse item da MP — um episódio que apenas contribuiu para aumentar a percepção de isolamento do presidente.

E, nesse ambiente político belicoso, cresce o temor de que os efeitos negativos do surto de coronavírus para a sociedade e a economia serão ainda maiores.

BCs agem, mas...

Pacotes anunciados mais cedo pelos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos até afastaram parcialmente o sentimento negativo do mercado, mas sem forças para sustentar uma recuperação das bolsas.

Por aqui, o BC anunciou a redução temporária da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo, de 25% para 17% — segundo a autoridade monetária, a mudança deve liberar R$ 68 bilhões ao sistema financeiro a partir da semana que vem.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ira expandir os programas de empréstimos, de modo a dar maior sustentação à economia. A instituição vai comprar US$ 375 bilhões em Treasuries e mais US$ 250 bilhões em outros títulos, somente nesta semana.

Tais medidas vão na mesma direção, tentando contornar a queda na atividade e a redução na liquidez — a ideia é tentar amenizar ao máximo os impactos negativos da crise do coronavírus.

Mas, em meio ao avanço do coronavírus pelo mundo e à falta de perspectiva em relação à retomada da vida normal, a leitura é a de que a economia global será severamente impactada.

Juros curtos em queda

Em meio ao pessimismo e às projeções de desaceleração abrupta na economia, os investidores voltaram a apostar num novo corte da Selic como ferramenta para estimular a atividade doméstica.

Assim, as curvas de juros de curto prazo fecharam em baixa nesta segunda-feira, enquanto os DIs mais longos avançaram, prevendo uma elevação na Selic após o choque inicial do coronavírus:

  • Janeiro/2021: de 3,96% para 3,77%;
  • Janeiro/2022: de 5,61% para 5,59%;
  • Janeiro/2023: de 6,92% para 7,20%;
  • Janeiro/2025: de 8,25% para 8,63%.

Altas e baixas

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa nesta segunda-feira:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
WEGE3Weg ON35,20+8,83%
PCAR4GPA PN71,88+6,92%
SUZB3Suzano ON28,80+5,15%
MRFG3Marfrig ON7,43+4,50%
AZUL4Azul PN14,28+3,48%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
HGTX3Cia Hering ON11,18-17,19%
NTCO3Natura ON21,25-15,57%
BRKM5Braskem PNA10,07-14,66%
UGPA3Ultrapar ON10,69-13,30%
BPAC11BTG Pactual units26,11-12,97%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

BDR, bitcoin, shopping: o melhor do Seu Dinheiro na semana

O fim de semana chegou com uma notícia bastante esperada pelos investidores: a volta do Ibovespa ao patamar de 100 mil pontos. O principal índice da B3 foi impulsionado esta semana por dois acontecimentos. O primeiro deles foi o alívio das preocupações em torno do risco fiscal brasileiro, com políticos e governo demonstrando compromisso com a manutenção do teto de gastos. Outro tema foi a esperança de aprovação de um pacote de estímulos […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies