Menu
2020-02-20T08:14:35-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esquenta dos mercados

IPCA-15 e balanços ditam o ritmo dos negócios

Corte de juros realizado pelo banco central chinês impulsionou as bolsas chinesas, mas o restante do mercado acionário global amanhece com um viés levemente negativo

20 de fevereiro de 2020
8:06 - atualizado às 8:14
inflação IPCA
Imagem: Shutterstock

Hoje o IPCA-15 aparece como o principal número a ser digerido pelos investidores brasileiros.

A expectativa do mercado é de que o número apresente o menor nível para fevereiro desde o início do Plano Real.

Somado aos cortes nas projeções para o crescimento brasileiro em 2020, o resultado do IPCA-15 deve renovar as apostas do mercado em novos cortes na Selic, mexendo também com os juros DI.

A arrecadação federal de janeiro também fica no radar do mercado local.

Exterior levemente negativo

Enquanto no Brasil o caminho a ser seguido pela taxa básica de juros está no campo da especulação, na China o banco central do país confirmou as expectativas e reduziu a taxa de empréstimos de um ano, de 4,15% para 4,05%.

Essa é mais uma tentativa do órgão de minimizar os efeitos do coronavírus na economia. No começo da semana o PBoC já havia reduzido o juro da linha de crédito de médio prazo e feito injeções de liquidez no sistema bancário.

Após a redução da taxa, as bolsas chinesas tiveram bom desempenho e fecharam em alta. Outros mercados da Ásia fecharam sem uma direção definida.

A redução no número de infectados trouxe alívio ontem aos mercados. Com nova mudança na metodologia de diagnóstico, o país registrou 384 novos casos e mais 114 mortes.

As bolsas americanas terminaram o dia com novos recordes de fechamento, mas os índices futuros amanhecem em queda e Nova York. Na Europa, as bolsas do continente caem em bloco na abertura.

A estrela da vez

O Ibovespa conseguiu reverter as perdas do dia anterior e terminou a sessão com alta de 1,34%, aos 114.774,04 pontos. O pregão positivo foi embalado pelo clima ameno no exterior e a reação positiva aos balanços corporativos.

Só que mais uma vez a grande estrela do pregão foi o dólar. A moeda americana terminou a sessão acima dos R$ 4,36 pela primeira vez, após alta de 0,19%.

O que deu gás para a escalada da moeda americana foram os rumores de que o descontentamento de Paulo Guedes com o andamento da agenda de reformas poderia ocasionar a sua saída do governo. O presidente Jair Bolsonaro chegou a negar a hipótese, mas os boatos levantaram a guarda dos investidores.

Agora, os investidores monitoram a possibilidade de novas atuações do Banco Central, após as duas intervenções realizadas na semana passada.

Agenda emperrada

O andamento das reformas do governo são vistas como essenciais para destravar a economia, mas as coisas andam devagar em Brasília.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu adiar o envio da reforma administrativa ao Congresso. Assim, nem mesmo a instalação da comissão da reforma tributária foi capaz de animar os investidores.

Balanços

Além dos números do IPCA-15, a bolsa brasileira deve continuar repercutindo os resultados dos balanços trimestrais. Além da Petrobras, que divulgou o seus números na noite de ontem, o dia é de expectativa pelos resultados da Vale.

Confira os principais resultados que devem mexer com o mercado hoje:

  • Petrobras teve uma alta de 55,7% no lucro líquido em 2019, chegando a R$ 40,1 bilhões: recorde histórico. Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da petroleira também subiu, para R$ 129,2 bilhões. Já a receita líquida caiu 2,6% e ficou em R$ 302,2 bilhões.
  • Ultrapar encerrou 2019 com lucro líquido de R$ 440 milhões, uma queda de 61% na comparação com 2018. Na geração de caixa medida pelo Ebitda, a Ultrapar encerrou o ano em R$ 2,433 bilhões, queda de 9,78%.
  • Marfrig reverteu o prejuízo e lucrou R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019. O Ebitda ajustado fechou o período em R$ 1,618 bilhão (alta de 70,5%). Já a receita líquida da empresa foi a 14,218 bilhões, alta de 23,5%.
  • GPA fechou o ano com um lucro líquido aos controladores de R$ 790 milhões. A receita líquida subiu 14,7%, a R$ 56,635 bilhões, enquanto o Ebitda ajustado anual caiu 4,6%, a R$ 3,967 bilhões.

Fique de olho

  • Petz entrou com o pedido de registro para IPO
  • A FUP irá pedir em assembleia para que a greve iniciada no começo do mês seja suspensa.
  • Conselho da Cielo aprovou um programa de recompra de 4.006.776 ações
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies