Menu
2020-01-06T08:17:52-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
O que deve mexer com o mercado hoje

Tensão no Oriente Médio se agrava e mercados patinam

Enquanto o petróleo amplia o rali e a tensão no Oriente Médio escala, os investidores brasileiros ficam de olho na política de preços da Petrobras

6 de janeiro de 2020
8:04 - atualizado às 8:17
Irã e Estados Unidos
Imagem: Shutterstock

Na semana passada, o que havia começado com otimismo terminou com um gosto azedo para os investidores. E se depender de Donald Trump e a escalada do conflito com o Irã, as coisas devem continuar tensas.

Enquanto as bolsas dormiam no final de semana, o presidente americano e representantes iranianos fizeram declarações que assustam os investidores. Agora, nas primeiras horas da segunda-feira, os mercados globais ampliam as perdas e o petróleo segue ampliando o rali.

Tom elevado

Como resposta imediata ao bombardeio que matou Qassim Suleimani, o Irã anunciou que não irá cumprir o acordo nuclear de 2015, prometendo um enriquecimento ilimitado de Urânio.

O presidente americano também não deixou barato e foi ao Twitter, ampliando ainda mais a crise entre os países. Trump disse que irá revidar de maneira desproporcional caso o Irã ataque os Estados Unidos e afirmou ter 52 alvos na mira.

O Pentágono enviou 3,5 mil novos homens para reforçar a segurança no Golfo Pérsico. No sábado, a embaixada americana em Bagdá e uma base aérea iraquiana que abriga soldados americanos foram alvos de ataques de morteiros. Além disso, o parlamento do Iraque votou pela expulsão das tropas americanas do país.

Disparando

Com a situação agravada, o petróleo ampliava o rali nas primeiras horas da segunda-feira. Com o crescimento da aversão ao risco, a crise também faz o ouro disparar.

Na Ásia, os valores do metal estão próximos do maior valor nos últimos sete anos. Com uma alta acima de 1%. Com o agravamento da tensão EUA-Irã a perspectiva é de que o metal continue subindo.

Segurando as pontas

Enquanto o conflito no Oriente Médio assusta os mercados, a grande vilã de 2019, a guerra comercial, serve para segurar um pouco os ânimos.

Os investidores seguem aliviados com a assinatura do pacto preliminar no dia 15.

Falando em China, o país também divulgou o seu PMI de serviços. O número desacelerou para 52,5 em dezembro. No domingo, o BC chinês reafirmou que continuará com sua política monetária "prudente, flexível e apropriada".

Diante deste cenário de tensão e expectativas, os índices futuros da bolsa de Nova York amanhecem no vermelho e com quedas acentuadas, sinal seguido pelas bolsas europeias que caem mais de 1% na abertura. O fechamento na Ásia também foi negativo.

Olho na Petro

Com a ampliação do rali do petróleo, o investidor brasileiro volta os seus olhos para a Petrobras e sua política de preços.

É que com a situação, o receio de que a estatal volte a ser usada como ferramenta política sobe. Por isso, todos aguardam com expectativas as decisões da estatal para contornar a situação, que segundo a mesma deve ser tomado em momento oportuno.

Na sexta-feira, a companhia voltou a sofrer com o borburinho politico. O presidente Bolsonaro declarou que tentava falar com o presidente da estatal e que com toda a certeza uma medida seria tomada caso a situação escalasse. Mesmo tomando cuidado para nao explicitar uma intervenção, as falas do presidente não pegaram bem e as ações cairam e fecharam nas mínimas.

Agenda cheia

Em semana que deve ser marcada pelo noticiário internacional, outros indicadores entram no radar.

Aqui no Brasil, a inflação oficial - o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - de dezembro e de 2019 será divulgado na sexta-feira, mesma data do IGP-M de janeiro.

Lá fora, hoje é dia de conhecer o Índice dos gerentes de compras (PMI) composto e de serviços dos EUA de dezembro. A semana ainda tem a divulgação da balança comercial americana de novembro (3ª), o Livro bege do Federal Reserve (4ª) e o relatório de emprego, conhecido como payroll (6ª).

Olho na Petro 2

O BNDES parece mesmo disposto a se desfazer de sua fatia na Petrobras. Em documento publicado nos Estados Unidos a petroleira confirmou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social iniciou o seu processo de desinvestimento e deve vender todas as suas ações ordinárias na companhia.

A venda irá envolver tanto as ações negociadas no Brasil como os ADRs (American Depositary Shares) da bolsa de Nova York. Se levada em conta a cotação da última sexta-feira (2), a operação pode movimentar R$ 23,5 bilhões.

Fique de olho

  • Ainda falando e Petrobras, a companhia iniciou a fase vinculante do seu processo de venda de campos terrestres de Do-Ré-Mi e Rabo Branco (Bacia Sergipe-Alagoas). A estatal detém 50% dos campos.
  • A Braskem pode subir ainda mais o valor das indenizações às vítimas de Alagoas. Anunciado na sexta-feira, o valor é estimado em R$ 2,7 bilhões.
  • A Caixa Econômica Federal se uniu a Tokio Marine para a formação de uma joint venture no setor habitacional. O negócio é avaliado em mais de R$ 1,5 bilhões.
  • O C6 Bank não irá cobrar a nova tarifa do cheque especial, que passa a valer nesta segunda-feira
  • A Hapvida cancelou a compra de carteira de clientes da Agemed Saúde.
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements