Menu
2020-03-11T17:41:36-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Efeito coronavírus

Juros sobem forte no mercado futuro e reduzem espaço para cortes na Selic

Investidores diminuíram apostas de cortes mais agressivos na taxa básica de juros pelo Banco Central para combater os efeitos do coronavírus na economia

11 de março de 2020
17:40 - atualizado às 17:41
Coronavírus mercados bolsa
Imagem: Shutterstock

Os efeitos do choque do coronavírus não são sentidos apenas na bolsa e no dólar. O mercado de juros futuros vem passando por um forte ajuste nos últimos dias, com a redução das apostas de cortes mais agressivos na taxa básica de juros (Selic).

Na última semana, as taxas do contrato DI com vencimento em 2021 saltaram de 3,76% para 4,175%. O ajuste é ainda mais forte nos DIs mais longos. O contrato que vence em 2025 saiu de 5,79% para 6,83% desde a última quarta-feira.

Esse movimento no mercado de juros futuros diminui a margem para o Banco Central combater os efeitos do coronavírus na economia com cortes na Selic, segundo Wladimir Caramaschi, estrategista-chefe do Indosuez Wealth Management.

Ele credita esse movimento à alta do dólar, que pressiona os índices de inflação e, mais recentemente, do indicador de risco-país.

“O Banco Central não pode operar com uma Selic muito baixa e com risco-país subindo, senão coloca uma pressão enorme no câmbio.” – Wladimir Caramaschi, Indosuez Wealth Management

A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) está marcada para a semana que vem. Caramaschi ainda acredita que o BC vai promover uma redução de 0,25 ponto percentual nos juros, para 4% ao ano. Mas tem dúvidas sobre a possibilidade de novas reduções.

“O mercado deu como certo que os países podem fazer políticas anticíclicas para combater crises, mas nem sempre essa é uma verdade para os emergentes”, afirmou o estrategista.

Para um gestor de fundos com quem eu conversei, a alta dos juros futuros tem mais relação com o pânico que se instalou nos mercados do que com apostas mais concretas sobre a trajetória da Selic.

Ele diz que a situação no mercado pode mudar dependendo dos estímulos de outros Bancos Centrais para tentar evitar uma recessão com a pandemia do coronavírus.

Na madrugada de hoje, o BC inglês reduziu a taxa de juros em 0,50 ponto porcentual, para 0,25%, e anunciou um programa de financiamento para apoiar pequenas e médias empresas.

A grande expectativa agora fica para a reunião do Banco Central Europeu (BCE), que acontece amanhã cedo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

disputas internas

Smiles atende minoritários e marca assembleia sobre acordo com Gol

Acionistas questionam termos do acordo com a controladora e defendem que houve abuso de poder por parte dos diretores

esquenta dos mercados

IBC-Br e temporada de balanços nos EUA roubam a atenção dos investidores em meio a temor com a covid-19

Números surpreendentes da economia chinesa não foram o suficiente para diluir as preocupações com o avanço do coronavírus e reestabelecimento de medidas de isolamento na califórnia. Com excessão dos índices futuros em Nova York, o sinal predominante no mercado é o de queda

entrevista

‘Queremos ações mais concretas do Brasil’, diz executivo do grupo Nordea

Com ativos de 550 bilhões de euros, um dos 10 maiores da Europa, grupo parou de comprar ativos do governo brasileiro em 2019 por causa do aumento das queimadas na Amazônia.

Insights Assimétricos

Ainda dá para comprar ouro?

Se o ouro performa muito bem em períodos de inflação elevada, ele também performa bem em momento de inflação baixa; veja por quê

de olho nos barris

União recebe 50% mais petróleo em maio pela produção do pré-sal

De janeiro a maio, foi reservado ao governo o volume de 1,5 milhão de barris de petróleo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements