Menu
2020-01-21T17:14:05-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Tensão global

Ibovespa cai mais de 1% em meio à apreensão com vírus na China; dólar vai a R$ 4,20

O medo quanto a um surto de pneumonia provocado pela nova variação do coronavírus que surgiu na China aumenta a aversão ao risco nos mercados, derrubando o Ibovespa e levando o dólar à R$ 4,20

21 de janeiro de 2020
10:22 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O clima é de cautela nos mercados globais nesta terça-feira (21). Mas, dessa vez, o que traz preocupação não é um desdobramento negativo da guerra comercial, um dado econômico ruim ou uma declaração torta de Donald Trump. O gatilho para a apreensão é a nova pneumonia que atinge a China.

A tensão aumentou após autoridades chinesas confirmarem que o novo tipo de coronavírus, que causa infeções respiratórias em seres humanos e animais, é transmissível entre seres humanos.

A situação gera ainda mais cautela porque, a partir de sexta-feira (24), a China entrará num longo período de recesso, em comemoração ao Ano Novo Lunar. Assim, é esperado um grande fluxo de turistas ao país, além de deslocamentos de chineses para outras regiões — o que eleva o medo em relação a um surto da doença.

Nesse cenário de incertezas, o Ibovespa operava em baixa de 1,14% por volta de 17h05, aos 117.521,18 pontos. Lá fora, o clima também é negativo: nos EUA, o Dow Jones (-0,44%), o S&P 500 (-0,14%) e o Nasdaq (-0,15%) caem em bloco.

Na Europa, as principais praças acionárias tiveram perdas firmes e, na Ásia, a sessão foi marcada por um comportamento negativo das bolsas mais relevantes.

E a apreensão aumentou ainda mais durante a tarde: autoridades sanitárias dos Estados Unidos irão confirmaram o primeiro caso da doença em território americano. Trata-se de um residente do estado de Washington que esteve recentemente na cidade de Wuhan, na China.

O mercado de câmbio também mostrou-se mais defensivo: o dólar à vista passou por altas e baixas, mas, com o noticiário vindo dos Estados Unidos, a moeda americana acentuou os ganhos e fechou em alta de 0,39%, a R$ 4,2050 — é o maior patamar desde 3 de dezembro.

No exterior, o dólar se valorizou em relação a quase todas as divisas de países estrangeiros, num movimento clássico de busca por proteção por parte dos investidores.

Enquanto isso, em Davos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discursou na abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. E, como era de se esperar, ele tratou das negociações comerciais com a China.

Entre outros pontos, o chefe da Casa Branca disse que as relações entre Washington e Pequim "nunca estiveram melhores", mas ressaltou que as tarifas de importação que já foram impostas continuarão valendo até que uma segunda fase do acerto seja fechada.

Já o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, disse durante o evento que o grande inimigo do meio ambiente é a pobreza. "Destroem porque estão com fome", disse.

Juros em baixa

Assim como ontem, o mercado de juros descolou do movimento de pressão mais intensa visto no dólar e terminou em baixa. Os agentes financeiros aguardam os dados do IPCA-15, a serem conhecidos na sexta-feira, para ter uma ideia melhor do cenário da inflação no país.

Os indicadores inflacionários são importantes para calibrar as apostas num eventual novo corte da Selic pelo Banco Central. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,42% para 4,39%;
  • Janeiro/2023: de 5,66% para 5,60%;
  • Janeiro/2025: de 6,39% para 6,34%;
  • Janeiro/2027: de 6,77% para 6,73%.

Cia Hering sofre

As ações ON da Cia Hering (HGTX3) despencam 11,41% e apresentam o pior desempenho do Ibovespa nesta manhã. Na noite passada, a empresa reportou uma receita bruta de R$ 502,9 milhões no quarto trimestre de 2019, cifra 5,2% menor na base anual.

Além disso, as vendas mesmas lojas (SSS) recuaram 4% na rede Hering, interrompendo uma sequência de sete trimestres com alta nesse dado — os números foram considerados fracos pelos analistas do BTG Pactual e do Credit Suisse.

Cautela com a China

O cenário de incertezas em relação à China e à possível disseminação do coronavírus afeta as ações de empresas que exportam ao país asiático, especialmente mineradoras e siderúrgicas.

Assim, o dia é negativo para Vale ON (VALE3), que cai 2,39%; CSN ON (CSNA3), em baixa de 2,05%; Gerdau PN (GGBR4), com perda de 2,16%; e Usiminas PNA (USIM5), com desvalorização de 1,85%.

Top 5

Confira abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

  • Raia Drogasil ON (RADL3): +5,45%
  • Braskem PNA (BRKM5): +4,62%
  • Tim ON (TIMP3): +2,95%
  • JBS ON (JBSS3): +2,08%
  • Havida ON (HAPV3): +1,65%

Veja também as maiores baixas do índice no momento:

  • Cia Hering ON (HGTX3): -11,41%
  • CVC ON (CVCB3): -4,15%
  • Santander Brasil units (SANB11): -4,07%
  • Gol PN (GOLL4): -3,73%
  • Banco do Brasil ON (BBAS3): -3,01%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

de olho nas prévias

Carrefour Brasil tem alta 72,5% no e-commerce durante terceiro trimestre

No e-commerce alimentar a alta foi de 202,4%, incluindo o serviço de entrega rápidas. As vendas de não alimentares também continuaram crescendo, com alta de 69,1%

negócio fechado

Petrobras assina compromisso de compra da plataforma P-71 por US$ 353 milhões

Petrolífera fala que, por conta da nova alocação da P-71, a licitação de afretamento da plataforma que atenderia ao projeto de Itapu será cancelada

retomada

Financiamentos imobiliários somam recorde histórico de R$ 12,9 bilhões

Volume financiado é recorde, em termos nominais, na série histórica iniciada em julho de 1994, segundo a Abecip

cardápio de balanços

Cielo, Localiza, Smiles e Telefônica: os balanços que mexem com o mercado nesta quarta

Empresas estão entre as que mais recentemente divulgaram os números do terceiro trimestre, período com resultados ainda marcados pela pandemia

seu dinheiro na sua noite

A peleja da bolsa com a crise fiscal

Com tanto dinheiro girando no mundo, quem tem pede muito quem não tem pede mais. Os versos de Zé Ramalho não poderiam resumir melhor a encruzilhada na qual vive o mundo econômico em meio à crise do coronavírus. Quem tem pede muito. Nos Estados Unidos, a falta de um acordo para a aprovação de um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies