Menu
2020-01-21T19:01:20-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Deu ruim

Ações da Cia Hering desabam às mínimas em sete meses após decepção com os dados operacionais

O resultado operacional da Cia Hering no quarto trimestre de 2019 foi considerado fraco pelo mercado, com queda na receita bruta e nas vendas mesmas lojas. Com isso, as ações despencaram mais de 12% nesta terça-feira

21 de janeiro de 2020
12:19 - atualizado às 19:01
Fachada de loja da Hering
Imagem: Shutterstock

As ações ON da Cia Hering (HGTX3) passaram um bom tempo longe dos holofotes. Desde 2018, a varejista de moda vinha enfrentando um longo processo de reestruturação de suas operações — o que, consequentemente, se refletia em fraqueza nos resultados e pouca visibilidade em relação ao futuro. Mas esse quadro parecia estar mudando.

  • CONVITE ESPECIAL: Você não precisa esperar décadas de trabalho para se aposentar. Veja como desfrutar da sua liberdade financeira ainda jovem. Saiba mais

No terceiro trimestre do ano passado, a empresa reportou números mais firmes, com aumento no lucro, na eficiência operacional e nas métricas de vendas nas mesmas lojas. Finalmente parecia que a casa estava em ordem e que, dali em diante, as coisas começariam a melhorar.

A animação do mercado fez com que os papéis da companhia começassem a ter um volume de negociações maior, o que culminou na entrada de suas ações na carteira do Ibovespa — mais um fator de otimismo.

No entanto, boa parte desse entusiasmo foi por água abaixo nesta terça-feira (21). A Hering reportou números operacionais decepcionantes no quarto trimestre de 2019, deixando um gosto amargo na boca do mercado, que estava dando um voto de confiança à empresa.

E qual o tamanho dessa quebra de expectativa? Basta ver o desempenho das ações da varejista: os papéis desabaram 12,59% hoje, fechando a R$ 27,42 — a menor cotação de encerramento desde 19 de junho do ano passado.

Com o desempenho desta terça-feira, as ações da Cia Hering já acumulam perdas de 19,45% desde o início de 2020 — é a maior baixa entre todos os papéis do Ibovespa.

Sinais desanimadores

E quais foram os dados operacionais que trouxeram tanto desconforto ao mercado?

Bem, a Cia Hering encerrou o quarto trimestre com uma receita bruta de R$ 502,9 milhões, cifra 5,2% menor na base anual. Além disso, o indicador de vendas mesmas lojas — um dado importante para medir o desempenho operacional no setor de varejo — caiu 4% no período, interrompendo uma sequência de sete trimestres em alta.

Os números em si ficaram aquém das expectativas, mas as sinalizações para o futuro foram particularmente preocupantes. Segundo a Hering, as vendas em outubro e novembro foram bastante positivas, com destaque para o período da Black Friday.

No entanto, esse desempenho forte foi mais que compensado pela fraqueza em dezembro — mês que representa cerca de 60% do faturamento do trimestre. A empresa pondera que já era esperada alguma "ressaca" após a Black Friday, mas a falta de tração se estendeu também ao período de Natal.

As vendas nas lojas físicas diminuíram em relação aos três últimos meses do ano passado, tanto nas lojas próprias quanto nas franqueadas — apenas o e-commerce reportou números mais fortes, mas as atividades on-line da Hering ainda representam uma fatia pequena do faturamento da empresa (4,4%).

Analistas descontentes

Os analistas que acompanham a varejista mostraram-se insatisfeitos com os números reportados pela Hering. Para Luiz Guanais e Gabriel Savi, do BTG Pactual, o desempenho da companhia foi fraco e tende a limitar o desempenho das ações, mesmo com o nível de preço relativamente atraente.

Posição semelhante foi assumida por Victor Saragiotto e Pedro Pinto, do Credit Suisse. Para eles, a Hering virou um caso de "ver para crer", com os investidores permanecendo céticos e à espera de crescimento estável. "É difícil dar o benefício da dúvida à Hering no momento", escrevem.

O BTG Pactual possui recomendação neutra para as ações da companhia, com preço-alvo de 12 meses em R$ 26,00; o Credit Suisse também tem classificação neutra para os papéis da Hering, com preço-alvo de 12 meses em R$ 32,00.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements