Menu
2020-01-20T20:34:33-03:00
Estadão Conteúdo
BALANÇO

Receita bruta da Cia Hering soma R$ 502,9 milhões no 4º trimestre

Segundo a empresa, as vendas mesmas lojas apresentaram queda de 4% na rede Hering. Importante destacar que a rede apresentou nos últimos 7 trimestres crescimento desse indicador

20 de janeiro de 2020
20:34
shutterstock_1031621791
Imagem: Shutterstock

A Cia Hering informa que encerrou o quarto trimestre de 2019 com receita bruta de R$ 502,9 milhões, montante 5,2% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado. Segundo a empresa, a queda foi influenciada pela performance das vendas sell-in dos canais multimarcas e franquias, a despeito do crescimento do canal e-commerce (sell-out).

Segundo a empresa, as vendas mesmas lojas apresentaram queda de 4% na rede Hering. Importante destacar que a rede apresentou nos últimos 7 trimestres crescimento desse indicador.

Conforme a varejista, o quarto trimestre foi marcado por desempenho positivo das vendas em outubro e novembro, com destaque para o período da Black Friday, no qual a Companhia atingiu recorde histórico de vendas neste evento. Esta performance positiva influenciou o desempenho aquém do esperado no mês de dezembro , cujo faturamento representa aproximadamente 60% das vendas do trimestre. "A 'ressaca' de vendas após a Black Friday já era esperada em razão da antecipação de parte das compras, entretanto este movimento se estendeu mesmo após a 2º quinzena de dezembro", informa.

As vendas das lojas próprias apresentaram queda de 1,9% nos últimos três meses do ano, ante igual período do ano passado. "Apesar do aumento de fluxo nas lojas, observamos uma queda na taxa de conversão, resultando em um menor número de atendimentos", afirma. Por outro lado, acrescenta, houve aumento do tíquete médio favorecido pelo maior número de peças por atendimento.

Já as vendas para franquias (sell-in), apresentaram queda de 5,2% em razão do fechamento líquido de 13 lojas nos últimos 12 meses, redução de 3,2% da área de vendas. A empresa destaca, contudo, a preservação da sustentabilidade da rede e o dimensionamento dos níveis de estoque versus as vendas realizadas ao consumidor final, onde os franqueados realizaram um abastecimento equilibrado no período de "showroom" com a possibilidade de colocação de menos pedidos através de reposição.

As vendas do canal multimarcas apresentaram declínio de 13% no trimestre devido ao menor número de clientes e queda na produtividade (-9,9% e -3,4%, respectivamente), notadamente nas coleções quentes, além da menor venda de produtos com maior valor agregado.

"A despeito do curto prazo ainda desafiador, a Companhia segue confiante em sua estratégia para recuperação das vendas através do novo modelo de gestão e proposta de valor diferenciada, com ações que englobam a racionalização da base de clientes estreitando o relacionamento com clientes de maior relevância, ampliando o rol de iniciativas para melhor ativação da marca no ponto de venda e ganho de share-of-wallet e testando novos formatos de go-to-market que levem a novas avenidas de crescimento dentro do canal", afirma.

E-commerce

A vendas da Cia Hering no e-commerce cresceram 48,2% no quarto trimestre de 2019, atingindo 4,4% do faturamento da empresa (+1,6 ponto porcentual). Segundo a varejista, o desempenho foi impulsionado pelo aumento de fluxo nas plataformas e intensificação dos investimentos em marketing que contribuíram, principalmente, para o desempenho da Black Friday.

A empresa destaca ainda que registrou recorde de captação de pedido na web em um único dia. A empresa lembra que lançou no trimestre o site das marcas Hering e Hering Kikds. "No trimestre, realizamos também ofertas personalizadas por meio de Inteligência Artificial com auxílio das iniciativas de CRM, que já conta com mais de 8,7 milhões de clientes cadastrados", destaca.

No Omnichannel a companhia diz que quadruplicou o seu faturamento ante o mesmo trimestre do ano passado, encerrando o ano com 91% da rede integrada e previsão de conclusão no primeiro trimestre de 2020.

Já o mercado externo apresentou alta de 12,5% no último trimestre de 2019, resultado de uma estratégia de reposicionamento de preços em mercados estratégicos, principalmente no Uruguai.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Sem concentração?

Vivo, TIM e Claro defendem compra da Oi

As empresas encaminharam ao Cade respostas às críticas que sofrem de outros agentes do setor de telecomunicações causadas pela transação entre elas

Fenômeno da internet

O ataque dos memes: Conheça 5 ações de empresas “quebradas” que mexem com Wall Street

O caso mais famoso foi o da GameStop, mas outras empresas que não contam com fundamentos sólidos vêm passando por movimentos de valorização estimulados por fóruns de internet

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies