Menu
2020-01-27T20:32:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

27 de janeiro de 2020
20:32
Embraer – Boeing
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, nesta segunda-feira (27/01), a operação envolvendo Boeing e Embraer, sem restrições. A autarquia concluiu que as fabricantes não concorrem nos mesmos mercados e que não há risco de problemas concorrenciais por conta da aquisição.

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial).

Já a segunda trata da operação de defesa com a criação de uma joint venture entre Boeing e Embraer voltada para a produção da aeronave de transporte militar KC-390, com participações de 49% e 51%, respectivamente.

As análises do órgão

Para a análise da operação comercial, o Cade se baseou no segmento de aeronaves comerciais com capacidade entre 100 e 150 assentos, mercado considerado na operação.

A avaliação feita pela autarquia concluiu que a operação não deve impactar negativamente os níveis de rivalidade existentes neste mercado. Para o órgão, a ampliação do portfólio da Boeing deve, na verdade, aumentar sua capacidade de exercer pressão competitiva contra a líder Airbus.

Já no âmbito da operação de defesa, o Cade analisou o mercado mundial de aeronaves tripuladas de transporte militar no qual se insere o KC-390, da Embraer, e as aeronaves C-40 Clipper e KC-46 A Pegasus, da Boeing.

Na análise, a autarquia concluiu que não existe possibilidade de exercício de poder de mercado, já que a operação não representa a união dos portfólios de aeronaves de transporte militar das empresas, mas sim a participação de ambas em um projeto comum.

Em sua conclusão, o Cade diz ter entendido que a operação resultará em benefícios para a Embraer, que passará a ser um parceiro estratégico da Boeing. Dessa maneira, a divisão que permanece na fabricante brasileira – aviação executiva e de defesa – contará com maior cooperação tecnológica e comercial da Boeing.

Além disso, os investimentos mais pesados da divisão comercial, que possui forte concorrência com a Airbus, ficarão a cargo da Boeing.

A nova empresa

A fusão entre as duas fabricantes foi anunciada em julho de 2018. Na ocasião, a Embraer fechou a venda de 80% de sua divisão de aviação comercial para a americana Boeing. O negócio criaria uma nova companhia, avaliada em US$ 4,8 bilhões (R$ 19 bilhões), em que a brasileira teria apenas 20% de participação.

Com a venda, a fabricante brasileira receberia US$ 3,8 bilhões (cerca de R$ 15 bilhões) e lhe restaria apenas suas áreas de defesa e jatos executivos – que historicamente possuem menor participação nos resultados da companhia.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies