Menu
2019-12-23T07:51:50-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista exclusiva

Via Varejo ainda tem muito potencial, afirma João Braga, da XP Asset

Empresas em reestruturação na bolsa são um negócio difícil, mas entregam maior retorno quando dão certo, segundo sócio-gestor da XP Asset, que detém 7% do capital da Via Varejo, cujas ações mais que dobraram de valor desde a entrada da nova gestão

23 de dezembro de 2019
6:01 - atualizado às 7:51
João Braga, sócio-gestor da XP Asset
João Braga, sócio-gestor da XP Asset - Imagem: Reprodução

De todos os movimentos da indústria de fundos de investimento ao longo de 2019, poucos provocaram tanto barulho no mercado como a união da gestora da XP Investimentos com o empresário Michael Klein para a tomada do controle da Via Varejo.

Após o negócio, que movimentou R$ 2,3 bilhões, a XP Asset passou a deter uma participação de pouco mais de 7% na varejista dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio. Trata-se da maior posição dos fundos de ações da gestora, que possuem R$ 6 bilhões em patrimônio.

O investimento também rendeu uma cadeira no conselho da Via Varejo a João Luiz Braga, sócio-gestor da XP Asset e responsável pela área de renda variável, com quem me encontrei na semana passada.

A tacada ousada até agora vem se mostrando certeira. Em pouco mais de seis meses, as ações da Via Varejo (VVAR3) mais que dobraram de valor na bolsa. Nem mesmo a descoberta de uma fraude contábil bilionária abalou a confiança dos investidores na virada da companhia.

Como conselheiro da Via Varejo, Braga tem bastante restrição para falar sobre as perspectivas da varejista. Mas ele me contou em linhas gerais o que espera do investimento.

Para o gestor, empresas em processo de reestruturação na bolsa como a Via Varejo não são um negócio simples. Mas quando dão certo são as que tendem a dar mais certo – ou seja, entregam o maior retorno para os investidores.

Ele citou como exemplo bem sucedido o Magazine Luiza, cuja ação disparou mais de 18.000% desde o fim de 2015, quando a empresa começou a colher os frutos do processo de transformação digital. O que ele espera, então, da Via Varejo?

“Não existe uma receita de bolo para um turnaround [reestruturação], mas quando você muda o time e coloca o incentivo certo a mágica acontece. O sucesso da XP é isso: pessoas certas com incentivos certos. Essa receita você também tem na Via Varejo.”

Perguntei, então, se o preço da ação da empresa hoje já não reflete essa melhora na percepção com a entrada da nova gestão.

“Eu não acho que você deve olhar para o número corrente, e sim onde pode chegar. E, olhando para isso, eu acho que ainda tem muito potencial.”

Um gigantesco avião vazio

Para o gestor, as perspectivas para a bolsa como um todo seguem positivas mesmo depois da forte alta nos últimos anos. Ele atribui o bom desempenho do mercado acionário a um ajuste estrutural desde o início da agenda de reformas, em 2016, que possibilitou a redução dos juros para as mínimas históricas.

Mas uma segunda onda de valorização, a partir da revisão na projeção para o crescimento do lucro das empresas, ainda está para acontecer e sustenta a expectativa positiva para a bolsa, segundo Braga. "Esse talvez seja o tema de 2020", disse.

Depois de vários anos mais pessimista que a média do mercado para a economia, a XP Asset está no time dos mais confiantes para o desempenho do PIB em 2020, com uma expectativa de crescimento de 2,7%.

Como consequência, o faturamento das empresas listadas na bolsa deve aumentar, com um impacto ainda maior no lucro, graças à chamada alavancagem operacional.

Braga usou a metáfora de um avião para explicar como esse efeito pode se traduzir no lucro das empresas. Quanto mais assentos ocupados em um voo, maior o resultado da companhia para uma mesma base de custos.

“O Brasil hoje é um gigantesco avião vazio, por causa da baixa utilização da capacidade da indústria. Com a melhora econômica, aumenta o faturamento das empresas e a margem explode.”

Mas esse movimento de recuperação da economia é sustentável? Para o gestor da XP Asset, depende da manutenção da agenda de reformas. A aprovação das mudanças na Previdência afastou o risco de o país quebrar. "Mas ninguém vai tomar a decisão de abrir uma loja porque a reforma da Previdência foi aprovada. Agora, se a reforma tributária for, aí sim."

O que deu certo: Copel e Qualicorp

Braga não tem uma projeção para o Ibovespa em 2020, até porque os fundos da XP Asset fazem a chamada gestão ativa, ou seja, têm liberdade para montar posições que não guardem correlação com o principal índice da bolsa.

No ano até a última quinta-feira, o XP Investor – produto de ações mais "clássico" da casa – rendia 45,4%. Já a rentabilidade do XP Long Biased, fundo com maior patrimônio da casa e tem características mais comparáveis a um multimercado, era de 25,2%.

Além de Via Varejo, outro grande acerto da gestora neste ano foi o investimento na estatal paranaense de energia Copel. A aposta estava longe de ser trivial. Pelo contrário, após as eleições estaduais as empresas que despontaram como queridinhas do mercado foram aquelas com perspectivas de privatização, como as mineiras Cemig e Copasa.

Como o governador eleito do Paraná, Ratinho Júnior, afirmou que não venderia a Copel, a empresa inicialmente ficou de lado. Para "piorar", ele indicou como presidente da estatal Daniel Slaviero, que veio do SBT. Mas a gestora da XP acreditou que a mudança do comando traria uma melhora na gestão. E foi o que aconteceu.

Braga citou como exemplo a virada no Ebitda na área de distribuição de energia da Copel, que no terceiro trimestre passou a operar com prêmio em relação ao Ebitda regulatório, depois de registrar um desconto que chegou a 40%. A melhora nos números veio acompanhada do desempenho da ação (CPLE6), que acumula valorização de 130% em 2019.

Por falar em governança, Braga viveu um sufoco no ano passado com a Qualicorp, empresa que ocupa hoje a terceira maior posição nos fundos da casa. As ações da empresa registraram uma queda de 30% em um único dia depois da polêmica aprovação de um pagamento de R$ 150 milhões a Jose Seripieri Filho, o Júnior, fundador e então CEO da companhia.

A XP conseguiu depois costurar um acordo com com a companhia e o executivo, que se comprometeu a usar o dinheiro para investir em ações da própria Qualicorp. "Eu gostaria de agradecer a companhia pela oportunidade de melhorar a governança corporativa, e neste ano a gente colheu o fruto desse trabalho", afirmou Braga.

Outro grande catalisador das ações foi o acordo o anúncio do acordo com a Rede d'Or de hospitais, que adquiriu uma participação de 10% na companhia que pertencia ao fundador. Tudo isso levou os papéis da Qualicorp (QUAL3) a acumularem uma alta de 241% em 2019.

O que (ainda) não deu certo: Banco do Brasil

A segunda maior posição dos fundos da XP Asset, atrás apenas da Via Varejo, é em Banco do Brasil. Mas o desempenho dos papéis (BBAS3) está bem abaixo da varejista e das outras empresas citadas pelo gestor, com uma alta de 15% no ano, metade do ganho do Ibovespa em 2019.

A gestora aproveitou para aumentar a posição em ações do BB durante a oferta de ações realizada em outubro, que foi justamente um dos fatores de pressão sobre os papéis, segundo Braga.

Junto com os outros bancos, o BB também sofre diante da incerteza dos investidores sobre o futuro das instituições em meio à competição com as novas empresas de tecnologia financeira (fintechs). Mas o gestor da XP Asset me disse que não está entre os que vê os bancões seriamente ameaçados.

A aposta no Banco do Brasil especificamente se deve à visão de que a instituição conta com uma boa equipe e tende a se beneficiar do processo de recuperação da economia.

"Mesmo com o aumento da alíquota da CSLL a partir do ano que vem nós vemos um crescimento de dois dígitos para o lucro do Banco do Brasil", afirmou.

Fechado para captação

O atual cenário de juros baixos e alta da bolsa atraiu um fluxo recorde de investidores para os fundos de ações, que registram uma captação de quase R$ 80 bilhões no acumulado do ano, de acordo com dados da Anbima.

Mas os fundos de ações da XP não se aproveitaram da atual onda porque estão fechados para captação desde o ano passado. Braga me disse que tem sido "provocado" para reabrir os fundos, mas disse que só vai tomar essa decisão quando entender que terá a capacidade de continuar entregando bons retornos.

“O fundo não pode ser tão grande a ponto de não conseguir operar, mas também não pode ser muito pequeno, senão o Michael Klein não me recebe”, brincou.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BAD TRIP

CVC praticamente não tem receita no 2º trimestre por conta da covid-19

Pandemia paralisa turismo no País e faz empresa registrar prejuízo de R$ 252,1 milhões

Esquenta dos mercados

Otimismo externo e ausência de pressão local apontam para abertura em alta do Ibovespa

Rumo do dia será definido pelas negociações em torno de um novo pacote de estímulo nos EUA; prazo para acordo expira hoje

Brasil registra 271 óbitos pela covid-19 e 15.383 novos casos em 24h

País acumula 154.176 mortos e 414.892 pessoas em tratamento

Eleições nos EUA

Trump ou Biden? Qual candidato é melhor para os seus investimentos?

O mercado estava morrendo de medo de uma vitória democrata, mas agora está meio que torcendo por Biden de olho no tamanho e no alcance dos estímulos fiscais planejados pelo candidato

pacote comercial

Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação

O Acordo de Comércio e Cooperação Econômica vinha sendo negociado pelos dois países desde 2011, mas estava em hibernação até a eleição do presidente Jair Bolsonaro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies