Menu
2019-10-04T13:54:39-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Os principais tipos de risco que você corre ao investir

Investimentos podem ter mais ou menos risco e também riscos diferentes! Conheça os principais e as diferenças entre eles

5 de outubro de 2019
6:55 - atualizado às 13:54

Podemos conceituar risco como a probabilidade de algo não sair como esperamos. Ou seja, risco é uma medida de incerteza. Quanto mais incerto o resultado de uma decisão, por exemplo, mais arriscada ela é. E como ninguém tem bola de cristal, fica fácil perceber que praticamente tudo na vida tem risco, e com os investimentos não poderia ser diferente.

Nem mesmo a mais conservadora das aplicações financeiras é 100% segura. Mas nem todos os riscos são iguais, e não entender isso pode custar caro ao investidor. No vídeo a seguir eu falo justamente sobre as diferenças entre eles:

Leia a transcrição do vídeo sobre os principais tipos de risco que você corre ao investir

Não existe investimento sem risco. Mesmo a caderneta de poupança e os títulos do governo têm algum risco, por menor que seja. Se você ouvir falar de algum investimento de risco zero, pode correr que é cilada. Só que nem todos os riscos têm a mesma natureza. Nesse vídeo eu vou falar um pouquinho sobre os principais tipos de risco que você pode correr ao investir.

Os riscos podem ser sistêmicos ou não sistêmicos. Os riscos sistêmicos são os riscos da economia como um todo. Eles podem comprometer o mercado ou o sistema financeiro em geral. É o caso, por exemplo, das crises econômicas mundiais. Já os riscos não sistêmicos são aqueles riscos específicos de cada tipo de investimento, e é neles que eu vou focar nesse vídeo.

Risco de mercado: é o risco de oscilação de preços e taxas, como a variação dos preços das ações, dos imóveis, dos títulos públicos e das commodities, assim como o sobe e desce dos juros e do câmbio. Nesse outro vídeo, eu falei com mais detalhe sobre a volatilidade, conceito associado ao risco de mercado.

Risco de crédito: esse risco está mais associado àqueles investimentos em que você empresta dinheiro para o governo ou para empresas. Em bom português, é o risco de você tomar um calote e não receber o seu dinheiro de volta.

Risco de liquidez: a liquidez é a facilidade de resgatar ou vender um ativo. Se eu compro um título, consigo resgatá-lo antes do vencimento? Se não, quão fácil é encontrar um comprador? No caso de uma ação, ela é muito ou pouco negociada? O risco de liquidez é justamente a dificuldade de se desfazer do investimento caso você precise reaver o seu dinheiro.

Risco operacional: é o risco de operar em determinado mercado. Por exemplo, de o sistema do Tesouro Direto sair do ar, de o home broker travar ou de a sua corretora passar por algum problema na prestação de serviços.

Risco regulatório: é aquele risco das regras do jogo mudarem no meio do jogo. Por exemplo, de o governo baixar um decreto que altere as regras de todo um setor a ponto de afetar as ações e títulos das empresas que atuam nele.

E por fim, o risco de concentração, que é aquele risco de você concentrar demais a sua carteira em um ou poucos ativos. Ou então de ficar exposto a ativos com os mesmos tipos de riscos ou que sempre caminham para o mesmo lado. Se algo der errado na estratégia, toda a sua carteira vai sofrer.

Gostou do vídeo? Então não deixe de se inscrever no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clicar no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Gastos no exterior

Compras com cartão no exterior serão cobradas conforme a taxa de câmbio do dia

Opção estará disponível a consumidores a partir de 1º de março e já estava autorizada pelo BC desde 2016; atualmente, valor a ser pago na fatura é definido dez dias antes do fechamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements