Menu
2019-04-05T10:40:45-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como receber aluguel sem ter imóveis… O caminho das pedras para investir em fundos imobiliários

Fundos imobiliários são um pouquinho diferentes dos fundos mais conhecidos das pessoas físicas. Como fundos fechados, eles não permitem aplicações nem resgates. Mas então… como faz para investir?

23 de janeiro de 2019
12:59 - atualizado às 10:40

Uma das dúvidas de leitores que mais recebemos aqui no Seu Dinheiro é: afinal, como investir em fundos imobiliários? Mesmo para investidores mais experientes, essa não é uma pergunta boba, pois os fundos de investimento imobiliário (FII) não são como os outros fundos aos quais estamos acostumados.

Os fundos mais conhecidos das pessoas físicas, como os fundos de renda fixa, multimercados e ações, são fundos abertos, o que significa que eles aceitam aplicações e resgates a qualquer tempo (a menos que fechem para novos aportes por algum tempo, como às vezes acontece).

Como investir em fundos imobiliários

Os FII, entretanto, são fundos fechados, isto é, eles NÃO aceitam aplicações nem resgates. O quê? Então como investir em fundos imobiliários?

Há duas formas de se tornar cotista, e eu explico tudo no vídeo a seguir:

Para participar de uma oferta pública ou negociar cotas de fundos imobiliários em bolsa, você precisa ter uma conta em uma corretora de valores.

Ofertas públicas nem sempre estão disponíveis, mas a compra e venda na bolsa pode ser feita a qualquer momento, seja pelo home broker, seja pela mesa de operações.

As taxas de negociação na bolsa geralmente são as mesmas da compra e venda de ações: corretagem e custódia. Algumas corretoras oferecem taxas de corretagem diferenciadas para a compra de FII e isentam os fundos de taxa de custódia.

As taxas de corretagem podem variar bastante de uma corretora para outra, então o ideal é dar uma pesquisada e ver qual instituição oferece o melhor custo-benefício.

Ofertas públicas

A oferta pública é um processo que também pode ocorrer com ativos de outras classes, como as debêntures e as ações, e está sujeito a uma série de regras estabelecidas pelos órgãos reguladores.

As ofertas públicas iniciais de ações são as mais conhecidas do grande público. Chamadas de IPOs (Initial Public Offerings), ocorrem quando uma empresa abre o capital e passa a ter suas ações negociadas em bolsa.

Durante a oferta pública inicial, o fundo imobiliário apresenta sua estratégia de investimento ao mercado, o preço inicial estimado para a cota e a rentabilidade esperada. A ideia é atrair os investidores interessados e captar seus recursos para comprar os títulos e imóveis que vão compor a carteira (ou mesmo construí-los).

Trata-se de uma operação em mercado primário, pois os investidores adquirem as cotas diretamente do emissor, que recebe o dinheiro. Ao final do prazo para a reserva de cotas, os investidores recebem a sua parte, e o fundo fecha para captação.

Caso o fundo precise de mais recursos futuramente, ele pode fazer novas ofertas públicas para captar mais.

Negociação em bolsa

Depois que o fundo fecha para captação, a única forma de entrar e sair do investimento é por meio da negociação em bolsa de valores, mercado secundário onde as transações ocorrem entre os investidores.

Ou seja, ao comprar cotas de outro investidor, os recursos vão para o bolso dele, não para o caixa do fundo.

Assim, se você deseja investir em um fundo imobiliário que já fechou para captação e não tem planos de fazer uma nova oferta pública, você pode tentar adquirir cotas na bolsa, como se fossem ações.

As cotas, nesse caso, são negociadas não pelo preço inicial, mas pelo preço de mercado, que pode ser maior ou menor do que o valor pelo qual elas foram lançadas.

Da mesma forma, se precisar se desfazer do investimento ou quiser embolsar lucros com a valorização da cota, você pode vendê-las a outro interessado.

Esse mecanismo garante uma boa liquidez para os fundos imobiliários, apesar de eles não aceitarem resgates.

Duas formas de lucrar

Agora que você já sabe como investir em fundos imobiliários, dá para perceber que você pode lucrar de duas formas: com os rendimentos pagos pelos fundos, que distribuem os ganhos com aluguéis e com a venda dos imóveis da carteira, e pela valorização da cota.

Dá para fazer uma analogia com o investimento direto em imóveis: você pode ganhar com os aluguéis ou a valorização do imóvel.

Mas atenção: da mesma forma que o preço da cota pode subir, ele também pode cair. Há risco de mercado. Se os investidores, por exemplo, entenderem que as perspectivas para determinado FII são ruins, pode haver um movimento vendedor que derruba o preço das cotas.

Esse detalhe costuma pegar muitos investidores pelo pé. Alguns não sabem ou esquecem que precisarão vender as cotas a preço de mercado para sair do investimento, e ficam crentes de que poderão fazer o resgate sem perdas. Quando caem em si, percebem que terão que vender suas cotas a um preço menor que o de aquisição.

O preço que você paga na cota também é relevante para saber se os rendimentos distribuídos pelo fundo são interessantes. Fundos imobiliários distribuem rendimentos em dinheiro.

É preciso verificar se o valor que o FII vem pagando representa um percentual interessante do preço de aquisição da cota - por exemplo, um retorno maior que o juro real pago por um título público atrelado à inflação.

Gostou do nosso vídeo sobre como investir em fundos imobiliários? Então assina o nosso canal de YouTube!

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements