Menu
2019-09-05T15:22:49-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Fundo Verde está disposto a tomar mais risco, mas com certa cautela

Em carta aos cotistas, gestora afirma que voltou a ampliar sua posição em ações brasileiras

5 de setembro de 2019
15:22
Leo Martins
Luis Stuhlberger -

A carta de gestão do Fundo Verde, de Luis Stuhlberger, referente ao mês de agosto repetiu uma mensagem do mês anterior: “O fundo voltou a aumentar sua posição em ações brasileiras”.

Os gestores já detalharam em outras cartas a visão mais construtiva com relação ao crescimento brasileiro e como isso não está no preço dos ativos. Agora, depois de comentar o “conturbado” mês de agosto, dizem que:

“Temos visto mais oportunidades de aumentar do que diminuir o risco dos portfólios, mas a complexidade do ambiente nos mantém permanentemente de sobreaviso.”

Na carta, estão listados o recrudescimento da guerra comercial e a surpresa com o resultado das primárias eleitorais argentinas, que “praticamente sacramentaram o retorno do peronismo/kirchnerismo ao poder”.

Para o Verde, como a Argentina já perdeu muito peso após a recessão do ano passado, os impactos econômicos para o Brasil são pequenos, mas não irrelevantes.

No front local, a carta chama atenção para “nova rodada de declarações inusitadas por parte do presidente, especialmente no tema ambiental, com algum impacto potencial negativo nas relações externas do país”.

Em agosto, o fundo alta de 0,18%, contra 0,5% do CDI e acumula valorização de 8,79% no ano (CDI sobe 4,18%).

Além de ampliar posição em ações, o fundo zerou uma posição defensiva que tinha no mercado americano. A posição aplicada em juro real se manteve estável, assim como a posição tomada em inclinação de juros nos EUA. A posição vendida no dólar contra o real via opções foi aumentada ao longo do mês.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements