🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
16 de setembro de 2021
6:05 - atualizado às 8:51
Fachada da Hortifruti Natural da Terra, compara pela Americanas (AME3)
Hortifruti Natural da Terra, empresa investida pela Partners vendida no mês passado para a Americanas - - Imagem: Divulgação

Os fundos de private equity são aqueles que compram participações em empresas de médio e grande porte, em geral de capital fechado. O objetivo é vendê-las no futuro com retornos que podem chegar a várias vezes o capital investido — se tudo der certo, é claro.

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, a suíça Partners Group recentemente deu uma dessas raras tacadas certeiras com a Hortifruti Natural da Terra. 

Após adquirir uma uma participação na varejista de produtos naturais no fim de 2015, o fundo completou o ciclo na companha no mês passado, com a venda da rede para a Americanas, em um negócio de R$ 2,1 bilhões.

O retorno com o negócio não foi revelado, mas o mercado estima que a Partners pode ter levado para casa, ou melhor, para os investidores do fundo, entre duas e três vezes o valor aplicado.

Apetite para mais

Após o ganho com o investimento na Hortifruti, Tiago Andrade, responsável pela equipe de private equity da Partners Group na América Latina, tem agora a missão de encontrar novas oportunidades lucrativas na região.

Como o fundo da gestora pode investir em qualquer lugar do mundo, é preciso competir pelos recursos. E tanto o Brasil como os nossos vizinhos não se encontram no melhor momento aos olhos do investidor global.

“Neste momento, a região está mais instável, mas até mesmo como diversificação do portfólio vai sempre haver interesse em investir aqui”, me disse Andrade, em uma entrevista por videoconferência.

A Partners tem como objetivo investir US$ 300 milhões (quase R$ 1,6 bilhão, no câmbio atual) e fazer até três investimentos na América Latina nos próximos cinco anos.

A gestora costuma assinar cheques maiores, da ordem de US$ 100 milhões (R$ 530 milhões) por transação. Nesse sentido, o dólar alto tem um efeito positivo e negativo.

Se por um lado, fica mais barato investir no Brasil em moeda forte, por outro encontrar empresas com porte para receber investimentos no valor mínimo pretendido se torna mais difícil.

Tiago Andrade, responsável pelo private equity da Partners Group na AL

Em busca de uma plataforma

O alvo da Partners são empresas em estágio mais maduro do que os fundos que investem em startups. São companhias que podem ter como destino a bolsa ou a venda para um investidor estratégico no futuro.

Foi exatamente o que aconteceu com a Hortifruti, que chegou a entrar com pedido para realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3 antes de ser vendida para a Americanas.

Entre os setores favoritos para potenciais aquisições, estão os de saúde, educação, serviços e agricultura. Nesse último caso, a gestora pretende focar menos na produção agrícola em si e mais cadeia de valor do agronegócio.

A ideia é transformar as empresas adquiridas em plataformas que possam crescer via aquisições em segmentos ainda muito fragmentados, que contam com dezenas de competidores com pequenas participações de mercado.

Em maior ou menor grau, outras gestoras de private equity miram os mesmos setores e com objetivo semelhante. Mas o executivo da Partners não vê problema na concorrência diante do potencial do mercado brasileiro.

“Nos Estados Unidos, investimos na EyeCare, maior rede de clínicas oftalmológicas do mercado e que possui 3% de participação. Aqui no Brasil não há nem de perto alguém desse tamanho.”

De olho no investidor de varejo

O mercado de compra de participações em empresas historicamente foi voltado para gente grande, ou seja, investidores com muito dinheiro. Afinal, os fundos possuem um prazos muito longos de duração — dez anos, em média — e em geral só permitem o resgate no fim do prazo.

Mas essa realidade começa a mudar com a popularização das plataformas de investimento fora dos grandes bancos e a sofisticação do mercado de investimentos — o chamado financial deepening, como gosta de dizer o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual.

Os fundos da Partners Group hoje são voltados essencialmente para grandes investidores, mas a gestora já trabalha para lançar uma versão para investidores brasileiros do fundo global que poderá ser acessível inclusive para o público de varejo, segundo Andrade.

Leia também:

Concorrência com a B3

Além do ambiente mais conturbado para investimentos, a Partners conta com outro obstáculo para investir no país: a “concorrência” com as ofertas de ações na B3.

Com o mercado de capitais aquecido, algumas empresas que poderiam ser alvo de um aporte do fundo acabam optando por abrir o capital diretamente, diante do preço muitas vezes mais atrativo obtido em um IPO.

“A bolsa acaba competindo comigo ao atrair empresas de menor porte”, afirma Andrade. Nesse caso, contudo, trata-se de um bom problema, já que os IPOs também são uma porta de saída para os investimentos da gestora, como quase foi o caso da Hortifruti.

Compartilhe

Entrevista com gestor

A bolsa fora da caixa: Rodrigo Glatt, da GTI, fala das ações que tem na carteira e explica por que o Ibovespa ainda não engrenou em 2024

25 de fevereiro de 2024 - 13:37

O podcast Touros e Ursos recebe Rodrigo Glatt, sócio da GTI, uma das gestoras de ações independentes pioneiras do mercado brasileiro

DÉCIMO ANDAR

Não chegue no final da festa: três motivos para comprar fundos imobiliários (FIIs) neste momento

25 de fevereiro de 2024 - 8:01

Não iremos acertar o olho da mosca, mas tenho forte percepção que o momento é propício para investimento em fundos imobiliários

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa vai na contramão do exterior e fecha em queda, aos 129 mil pontos; dólar avança a R$ 4,99

23 de fevereiro de 2024 - 7:22

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta sexta-feira (23) na contramão dos mercados globais, com um recuo de 0,63%, aos 129.418 pontos. Por sua vez, o dólar acelerou os ganhos e encerrou o dia em alta de 0,81%, negociado a R$ 4,9930 no mercado à vista. O principal índice da B3 até operou […]

APÓS CANETADA DO GOVERNO

Gestora do MXRF11 diz que fundos imobiliários de papel podem lucrar com as novas regras de CRIs

22 de fevereiro de 2024 - 14:10

Uma resolução do CMN lançada neste mês restringiu as regras para emissão dos títulos, o que tem criado oportunidades de ganho para FIIs, segundo a XP

MINERAÇÃO

Horas antes de balanço e possível definição sobre CEO, Vale (VALE3) anuncia compra de 15% de subsidiária da Anglo American no Brasil por R$ 776 milhões

22 de fevereiro de 2024 - 10:34

Vale divulgará os resultados do quarto trimestre de 2023 depois do fechamento do pregão desta quinta-feira

DÉBITO OU CRÉDITO

Minoritários querem que Bradesco e BB paguem (bem) mais para fechar o capital da Cielo (CIEL3)

22 de fevereiro de 2024 - 9:29

Gestoras que possuem 10% do capital da Cielo avaliam que Bradesco e Banco do Brasil deveriam pagar até 61% a mais pelas ações da empresa

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em leve alta, com pressão de Weg (WEGE3) e Petrobras (PETR4); dólar sobe a R$ 4,95

22 de fevereiro de 2024 - 7:33

RESUMO DO DIA: O otimismo dos mercados internacionais contagiou a bolsa brasileira nesta quinta-feira (21) — e tudo por conta do balanço da Nvidia. Com a ajuda da gigante dos chips de inteligência artificial, o Ibovespa pegou o embalo de Nova York e encerrou o dia em alta de 0,16%, aos 130.240 pontos. Enquanto isso, […]

VEJA QUAL

Adeus, Nubank: Itaú BBA tira fintech da carteira Top 5 e coloca ações de outro banco no lugar

21 de fevereiro de 2024 - 15:29

Os analistas ainda gostam da tese do banco digital, mas preferiram realizar lucro e buscar uma opção mais defensiva para o cenário atual

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em alta e atinge os 130 mil pontos após alívio em Wall Street; dólar sobe a R$ 4,93

21 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: Até poucos minutos antes do fechamento dos mercados, era quase certo que a sessão desta quarta-feira (21) terminaria tingida de vermelho. Mas nos 45 minutos do segundo tempo, a bolsa brasileira conseguiu inverter a trajetória e marcar um tímido avanço. O Ibovespa encerrou em leve alta de 0,09%, aos 130.031 pontos. Por […]

O CÉU É O LIMITE

Ouro a US$ 3 mil? Essa realidade está próxima, segundo um bancão de Wall Street — e o Brasil tem “culpa” nisso

20 de fevereiro de 2024 - 18:59

O Citi analisou o mercado global e aponta os gatilhos para que o metal precioso suba 50% em cerca de um ano e o petróleo volte para os três dígitos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies