🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
A derrocada continua

Megainvestidor Bill Ackman zera participação na Netflix e perde US$ 400 milhões, após balanço decepcionante

Queda no número de assinantes da companhia de streaming levaram ações a desabarem 35%; investimento dos fundos de Ackman havia sido feito há apenas três meses

Netflix
Mudanças anunciadas pela Netflix para conter a sangria mudaram tese de investimento da Pershing Square. - Imagem: Divulgação/Netflix

E a jornada ladeira abaixo da Netflix (NFLX na Nasdaq e NFLX34 na B3) continua. Após os resultados decepcionantes da companhia de streaming no primeiro trimestre e seus planos para reverter o mau desempenho, o megainvestidor Bill Ackman resolveu zerar a sua participação na empresa, amargando uma perda estimada em US$ 400 milhões.

Em carta ao mercado e aos cotistas dos fundos da sua gestora Pershing Square na noite da última quarta-feira (20), Ackman esclareceu que vendeu toda a sua posição em Netflix no pregão de ontem. A compra de 3,1 milhões de ações pelos fundos geridos por Bill Ackman havia ocorrido apenas três meses antes.

Segundo Ackman relata na carta, as perdas com as ações resultaram em uma queda de quatro pontos percentuais no retorno dos fundos da Pershing Square no acumulado do ano. Com isso, os fundos acumulam uma queda de cerca de 2% em 2022.

As ações da Netflix desabaram mais de 20% no after hours, após a divulgação dos resultados da companhia na última terça-feira, 19 de abril. A retração no número de assinantes foi o dado que mais alarmou os investidores. Ontem os papéis tombaram 35%, e hoje continuam caindo mais 4%.

Balanço e medidas tomadas pela Netflix mudaram a tese de investimento de Ackman

Na sua carta, Bill Ackman explica o porquê de ter pulado fora do barco da Netflix tão rapidamente. Segundo ele, o balanço do primeiro trimestre e as medidas tomadas pela empresa para reverter seu mau desempenho mudaram sua tese de investimento, alterando o que o gestor considera ser o valor intrínseco da companhia.

"Embora tenhamos em alta conta tanto a diretoria da Netflix quanto a notável empresa que eles construíram, à luz da enorme alavancagem operacional inerente ao modelo de negócios da companhia, as mudanças no crescimento futuro do número de assinantes podem ter um impacto potencializado sobre a nossa estimativa de valor intrínseco. Na nossa análise original, nós considerávamos essa alavancagem operacional positiva, devido à nossa expectativa de crescimento para a companhia no longo prazo", escreveu Ackman.

Ele lembra que ontem, após a divulgação dos números decepcionantes de assinantes, a Netflix anunciou que modificaria seu modelo de assinatura, de forma a tentar monetizar, de forma mais agressiva, os clientes não pagantes, além de passar a adotar o modelo de anúncios, o que a diretoria acredita que levaria "apenas um ou dois anos" para implementar.

Ackman diz que, embora acredite que essas mudanças no modelo de negócios sejam sensatas, "é extremamente difícil prever o impacto delas no crescimento de longo prazo da companhia, suas receitas futuras, margens operacionais e necessidade de capital".

"Nós exigimos um alto grau de previsibilidade nos negócios nos quais investimos, devido à natureza altamente concentrada da nossa carteira. Embora o negócio da Netflix seja fundamentalmente simples de entender, à luz dos eventos recentes, nós perdemos confiança na nossa habilidade de prever o futuro da companhia com um bom nível de certeza", diz a carta.

Não é que a Netflix tenha se tornado um mau negócio...

O megainvestidor acrescenta que, dado o histórico de execução da companhia, ele não ficará surpreso se a Netflix continuar a ser um negócio altamente bem-sucedido e um excelente investimento.

A questão é que "a dispersão de resultados possíveis" no cenário atual - isto é, as incertezas em relação ao futuro da companhia - está grande demais para que seus fundos mantenham o investimento.

"Uma das coisas que aprendemos com nossos erros do passado foi a agir prontamente ao descobrir novas informações sobre um investimento que sejam inconsistentes em relação à nossa tese original", esclarece Ackman.

O megainvestidor finaliza o texto destacando que há boas oportunidades de investimento no mercado, devido ao forte aperto monetário por parte do banco central americano, o ambiente inflacionário, as incertezas geopolíticas e a alta volatilidade resultante desses fatores. Assim, o gestor espera alocar rapidamente os recursos resultantes da venda das ações da Netflix.

Compartilhe

SUBIU NO TELHADO

Petrobras (PETR4): a fala do CEO sobre dividendos que derruba as ações da estatal hoje na B3

28 de fevereiro de 2024 - 14:47

Em entrevista à Bloomberg, Jean Paul Prates defendeu que a Petrobras tenha “cautela” na distribuição de dividendos; ações reagem em forte queda

PROBLEMAS NOS HOTÉIS?

Por que os dividendos do fundo imobiliário HTMX11 tiveram um corte brusco em fevereiro? Confira a explicação da gestão

28 de fevereiro de 2024 - 12:17

O fundo de hotéis comunicou, no início do mês, que pagaria R$ 0,86 por cota aos investidores, contra R$ 3,25 em janeiro.

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai a 130 mil pontos, pressionado pela desvalorização de Petrobras (PETR4) após falas de Prates sobre dividendos; dólar sobe a R$ 4,97

28 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira terminou a sessão desta quarta-feira (28) no vermelho, com o cenário corporativo roubando os holofotes do calendário de indicadores econômicos no exterior. O Ibovespa encerrou o dia em baixa de 1,16%, aos 130.155 pontos. Por sua vez, o dólar fechou próximo das máximas do dia, com um avanço de […]

PORTFÓLIO DE GIGANTES

XPML11 fecha acordo com empresa da B3 e pagará mais de R$ 1,8 bilhão por ‘pacotão’ de shoppings centers

27 de fevereiro de 2024 - 18:41

O fundo imobiliário assinou um memorando para ficar com participações detidas pela Syn Prop & Tech em seis shoppings centers

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em alta e sustenta os 131 mil pontos, ajudado por Vale (VALE3) e IPCA-15 abaixo do esperado; dólar recua a R$ 4,93

27 de fevereiro de 2024 - 7:14

RESUMO DO DIA: Diversos tons de verde tingiram a sessão da bolsa brasileira nesta terça-feira (27), que conseguiu escapar do ritmo de cautela do exterior e atingiu os 131 mil pontos. Por aqui, o foco dos investidores esteve no IPCA-15, que subiu em fevereiro, mas menos do que estimavam os analistas de mercado. A prévia […]

FIIs HOJE

Os dividendos deste fundo imobiliário saltaram mais de 1200% após venda de ativo e devem seguir em alta no semestre, mas o FII já tem data para acabar

26 de fevereiro de 2024 - 15:39

O FII em questão distribuiu R$ 0,41 por cota para seus pouco mais de 2.400 cotistas neste mês, contra cerca de R$ 0,03 em janeiro

SAIBA MAIS SOBRE O NEGÓCIO

Fundo imobiliário TRXF11 troca oito lojas por três, mas vai lucrar mais de R$ 100 milhões com a transação e reduzir dívidas

26 de fevereiro de 2024 - 11:23

O FII fechou um acordo para vender oito imóveis atualmente locados para o Assaí e o GPA e comprar três lojas cuja inquilina é a Decathlon

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nubank: cofundadora e executivos embolsam R$ 60 milhões em nova venda de ações

26 de fevereiro de 2024 - 10:01

Cris Junqueira vendeu o equivalente a US$ 8,450 milhões (R$ 42 milhões) em ações do Nubank após resultado do quarto trimestre do banco digital

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa fecha em leve alta, ajudado pela valorização da Petrobras (PETR4); dólar recua a R$ 4,98

26 de fevereiro de 2024 - 7:37

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira conseguiu escapar do tom de cautela do exterior e encerrou a segunda-feira (26) no campo positivo. Lá fora, os mercados financeiros globais terminaram o dia mistos.  O Ibovespa fechou o pregão em leve alta de 0,15%, aos 129.609 pontos. Já o dólar recuou 0,23%, cotado a R$ 4,9815 no […]

FINALMENTE

Um rombo ainda maior para Lemann: Americanas (AMER3) reporta aumento da dívida, prejuízo bilionário e vendas em queda

26 de fevereiro de 2024 - 7:25

Vendas nos canais digitais da Americanas despencaram 79,2% — e um dos motivos foi a perda de credibilidade da varejista

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies