Menu
2019-07-16T16:36:06-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Uma das cartas mais esperadas do mercado

Gestora SPX projeta corte no próximo Copom e acredita que Selic pode chegar a 5% ao ano

Apesar de estar mais positiva com Brasil, a carta fez ressalvas sobre o enfraquecimento das economias mundiais e disse para tomarmos cuidado com os “leões e o dragão” que estão à solta no mercado

16 de julho de 2019
16:36
Rogerio Xavier spx
Ilustração de Rogério Xavier, gestor da SPX - Imagem: Ilustração/Seu Dinheiro

Depois de adotar um postura de cautela nas avaliações sobre o mercado doméstico e externo em sua última carta, a gestora de Rogério Xavier, SPX, conhecida por antecipar alguns movimentos do mercado financeiro, deu como quase certo que o Banco Central deverá reduzir os juros em meio ponto percentual na próxima reunião do Copom.

Em sua última carta divulgada hoje (16), a gestora destacou que o BC deverá ainda fazer mais dois cortes de juros e levar a taxa básica de juros para 5% ao ano, o menor patamar desde o lançamento do Plano Real.

"Com esse vento a favor do mercado financeiro externo, a melhora na perspectiva para a inflação e o baixo crescimento econômico, abriu-se a oportunidade de testarmos juros nominais e reais ainda mais baixos", destacou a gestora.

Os gestores também se mostraram mais otimistas com a reformas. No documento, eles ressaltaram que há muito a se fazer, mas que pelo menos viraram a página mais difícil que era a da Previdência. Apesar de a mesma ainda precisar passar pelo Senado e depois retornar à Câmara.

Eles disseram ainda estar confiantes de que em breve reformas como a tributária e a administrativa também devem passar pelo Congresso.

Mas nem tudo é perfeito

Apesar de se mostrarem mais otimistas com o cenário brasileiro, os gestores fizeram um alerta sobre o comportamento das economias mundiais.

Segundo eles, "estamos em um mundo perigosíssimo. Os ativos financeiros estão se valorizando de forma importante, mas em um cenário onde a economia global afunda".

Na visão dos gestores, isso pode gerar duas possíveis consequências: ou a economia global vai reagir e alcançar o cenário de preços do mercado financeiro, ou ela não conseguirá reagir e os ativos financeiros passarão por uma importante correção de preços à frente.

Mas a mais provável é que o mundo não saia dessa tendência de desaceleração da economia global.

Os "leões estão sem dentes"

Para justificar o maior pessimismo com a economia mundial, os gestores destacaram que há "leões sem dentes" e um dragão de gelo" à solta. Na carta, eles disseram que os bancos centrais são como leões porque "procuram rugir alto e mostrar dentes afiados para obterem o respeito do mercado".

Mas destacaram que agora os leões estão "praticamente sem instrumentos e sem potência", porque não há dentes e os efeitos sobre os agentes econômicos tendem a ser cada vez menores".

Na visão deles, o Fed e o BCE estão sendo comandados por "dois profissionais sem formação técnica liderando a política monetária global".

E completaram "dois agentes políticos, o que sinaliza que os governantes terão permissão para interferir na política monetária...Hoje em dia, está difícil achar taxas de juros positivas no mundo desenvolvido. Isso mostra como o sistema capitalista está em risco no longo prazo. As pessoas aceitam investir em títulos de 10, 20, 30, 50 anos e receber menos do que investiram".

O "dragão" do mercado

Já ao falar sobre a economia chinesa, eles destacaram que o "grande dragão chinês não cospe mais o mesmo fogo de outrora. Está esfriando e pode até congelar. O governo continuará insistindo em medidas de estímulo para reaquecer a economia, mas a tendência de desaceleração é inequívoca".

Na visão dos gestores, se o dragão de fato congelar, os efeitos sobre a economia serão devastadores. "Ainda não estamos nesse ponto, mas é um risco que deve ser monitorado de perto".

E finalizou fazendo um alerta: "viveremos os próximos meses nessa aparente calmaria e alegria com os preços dos ativos se valorizando, mas não se esqueçam dos leões sem dentes e do dragão gelado".

As apostas da vez

Depois de demonstrar preocupação com o cenário de desaceleração mundial, os gestores destacaram as suas principais alocações.

Ao comentar sobre ações, os gestores destacaram que estão comprados em bolsa de ações de países emergentes e estão com posição comprada também no setor de energia contra a bolsa americana. Ou seja, acreditam que ambos vão se valorizar em relação ao preço de entrada.

Já em relação à bolsa brasileira, a gestora aponta que iniciou uma posição comprada e que está de olho em empresas dos setores de óleo e gás, mineração, utilities e financeiro.

Ao falar sobre juros, eles disseram que estão incrementando posições aplicadas em juros de outros países, tanto em desenvolvidos quanto em alguns emergentes, apesar de o risco permanecer modesto no direcional.

Já no Brasil, eles destacaram que um cenário em que a inflação está controlada, com atividade econômica estagnada justifica alocações na parte intermediária da curva.

"A votação da reforma da Previdência foi um evento importante e deverá ter impacto positivo na percepção de risco da divida interna brasileira, com a consequente diminuição dos prêmios de risco na curva como um todo. O cenário externo, com perspectivas de juros menores, ajudam nessa percepção positiva", afirmaram os gestores.

No quesito moedas, a gestora aponta que segue comprada em dólar americano, ou seja, eles acreditam que a moeda irá se valorizar. E sobre commodities, eles disseram que adicionaram uma posição comprada em ouro e em petróleo.

Já no mercado de agrícolas, iniciaram uma posição vendida em milho, ou seja, estão apostando na desvalorização do ativo. No mês de junho, o SPX Nimitz rendeu 1,49%, ante um CDI de 0,47% no mesmo
período.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies