Menu
2019-07-16T16:36:06-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Uma das cartas mais esperadas do mercado

Gestora SPX projeta corte no próximo Copom e acredita que Selic pode chegar a 5% ao ano

Apesar de estar mais positiva com Brasil, a carta fez ressalvas sobre o enfraquecimento das economias mundiais e disse para tomarmos cuidado com os “leões e o dragão” que estão à solta no mercado

16 de julho de 2019
16:36
Rogerio Xavier spx
Ilustração de Rogério Xavier, gestor da SPX - Imagem: Ilustração/Seu Dinheiro

Depois de adotar um postura de cautela nas avaliações sobre o mercado doméstico e externo em sua última carta, a gestora de Rogério Xavier, SPX, conhecida por antecipar alguns movimentos do mercado financeiro, deu como quase certo que o Banco Central deverá reduzir os juros em meio ponto percentual na próxima reunião do Copom.

Em sua última carta divulgada hoje (16), a gestora destacou que o BC deverá ainda fazer mais dois cortes de juros e levar a taxa básica de juros para 5% ao ano, o menor patamar desde o lançamento do Plano Real.

"Com esse vento a favor do mercado financeiro externo, a melhora na perspectiva para a inflação e o baixo crescimento econômico, abriu-se a oportunidade de testarmos juros nominais e reais ainda mais baixos", destacou a gestora.

Os gestores também se mostraram mais otimistas com a reformas. No documento, eles ressaltaram que há muito a se fazer, mas que pelo menos viraram a página mais difícil que era a da Previdência. Apesar de a mesma ainda precisar passar pelo Senado e depois retornar à Câmara.

Eles disseram ainda estar confiantes de que em breve reformas como a tributária e a administrativa também devem passar pelo Congresso.

Mas nem tudo é perfeito

Apesar de se mostrarem mais otimistas com o cenário brasileiro, os gestores fizeram um alerta sobre o comportamento das economias mundiais.

Segundo eles, "estamos em um mundo perigosíssimo. Os ativos financeiros estão se valorizando de forma importante, mas em um cenário onde a economia global afunda".

Na visão dos gestores, isso pode gerar duas possíveis consequências: ou a economia global vai reagir e alcançar o cenário de preços do mercado financeiro, ou ela não conseguirá reagir e os ativos financeiros passarão por uma importante correção de preços à frente.

Mas a mais provável é que o mundo não saia dessa tendência de desaceleração da economia global.

Os "leões estão sem dentes"

Para justificar o maior pessimismo com a economia mundial, os gestores destacaram que há "leões sem dentes" e um dragão de gelo" à solta. Na carta, eles disseram que os bancos centrais são como leões porque "procuram rugir alto e mostrar dentes afiados para obterem o respeito do mercado".

Mas destacaram que agora os leões estão "praticamente sem instrumentos e sem potência", porque não há dentes e os efeitos sobre os agentes econômicos tendem a ser cada vez menores".

Na visão deles, o Fed e o BCE estão sendo comandados por "dois profissionais sem formação técnica liderando a política monetária global".

E completaram "dois agentes políticos, o que sinaliza que os governantes terão permissão para interferir na política monetária...Hoje em dia, está difícil achar taxas de juros positivas no mundo desenvolvido. Isso mostra como o sistema capitalista está em risco no longo prazo. As pessoas aceitam investir em títulos de 10, 20, 30, 50 anos e receber menos do que investiram".

O "dragão" do mercado

Já ao falar sobre a economia chinesa, eles destacaram que o "grande dragão chinês não cospe mais o mesmo fogo de outrora. Está esfriando e pode até congelar. O governo continuará insistindo em medidas de estímulo para reaquecer a economia, mas a tendência de desaceleração é inequívoca".

Na visão dos gestores, se o dragão de fato congelar, os efeitos sobre a economia serão devastadores. "Ainda não estamos nesse ponto, mas é um risco que deve ser monitorado de perto".

E finalizou fazendo um alerta: "viveremos os próximos meses nessa aparente calmaria e alegria com os preços dos ativos se valorizando, mas não se esqueçam dos leões sem dentes e do dragão gelado".

As apostas da vez

Depois de demonstrar preocupação com o cenário de desaceleração mundial, os gestores destacaram as suas principais alocações.

Ao comentar sobre ações, os gestores destacaram que estão comprados em bolsa de ações de países emergentes e estão com posição comprada também no setor de energia contra a bolsa americana. Ou seja, acreditam que ambos vão se valorizar em relação ao preço de entrada.

Já em relação à bolsa brasileira, a gestora aponta que iniciou uma posição comprada e que está de olho em empresas dos setores de óleo e gás, mineração, utilities e financeiro.

Ao falar sobre juros, eles disseram que estão incrementando posições aplicadas em juros de outros países, tanto em desenvolvidos quanto em alguns emergentes, apesar de o risco permanecer modesto no direcional.

Já no Brasil, eles destacaram que um cenário em que a inflação está controlada, com atividade econômica estagnada justifica alocações na parte intermediária da curva.

"A votação da reforma da Previdência foi um evento importante e deverá ter impacto positivo na percepção de risco da divida interna brasileira, com a consequente diminuição dos prêmios de risco na curva como um todo. O cenário externo, com perspectivas de juros menores, ajudam nessa percepção positiva", afirmaram os gestores.

No quesito moedas, a gestora aponta que segue comprada em dólar americano, ou seja, eles acreditam que a moeda irá se valorizar. E sobre commodities, eles disseram que adicionaram uma posição comprada em ouro e em petróleo.

Já no mercado de agrícolas, iniciaram uma posição vendida em milho, ou seja, estão apostando na desvalorização do ativo. No mês de junho, o SPX Nimitz rendeu 1,49%, ante um CDI de 0,47% no mesmo
período.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Virou pó

Os infelizes que compraram opções de Cogna

Nesta semana, pelo menos dez mil infelizes viram suas opções de compra de Cogna virarem pó.

executivo de carreira

Vice-presidente do BB, Walter Malieni, morre aos 50 anos

Executivo de carreira do BB, com mais de 35 anos de casa, Malieni completaria 51 anos em novembro

números da covid

Covid-19: Brasil tem 2,96 milhões de casos e 99,5 mil mortes

Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.079 óbitos, segundo o balanço diário do Ministério da Saúde divulgado hoje (7)

Reserva de R$ 1,3 bi para gastos

Iguatemi vai recomprar até 1,3 milhão de ações

Quantidade representa 1,5% dos papéis em circulação da companhia. Ações acumulam queda de mais de 30% no acumulado de 2020

seu dinheiro na sua noite

Uma conversa sobre investimentos para o meu pai

O primeiro salário que recebi na vida foi em julho de 1994, mês inaugural do Plano Real. Foi com esse dinheiro que saí pelas lojas do bairro do Gonzaga, em Santos, em busca de um presente para dar no Dia dos Pais. Desde então, esse sempre foi um problema para mim, porque meu pai não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements