Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-07-01T11:09:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Mercado vê Selic em 5,5% acreditando em reforma robusta da Previdência

Mesmo com BC falando que não há relação direta entre reforma e corte de juros, projeções seguem em queda no Focus

1 de julho de 2019
10:20 - atualizado às 11:09
Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Embora o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, tenha deixado claro que não há relação mecânica entre aprovação da reforma da Previdência e corte na taxa básica de juros, os analistas de mercado voltaram a reduzir a previsão para a Selic no fim 2019 e 2020.

A mediana do Focus para a Selic caiu para 5,5% de 5,75%. Há quatro semanas, a projeção era de estabilidade em 6,5%. Para 2020, o ajuste foi maior, com a mediana saindo de 7,25% há quatro semanas para 6% agora.

Essas projeções parecem embutir a certeza de que o Congresso vai aprovar uma reforma da Previdência bastante robusta e que o impacto dessa reforma será deflacionário.

Na semana passada, Campos Neto disse que o BC entende que a reforma será aprovada, estimulando a atividade. O que importa para o BC é como a reforma vai afetar a inflação e essa é uma avaliação que poderá ser feita só depois que soubermos que reforma sairá do Congresso.

Na terça-feira, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) deve apresentar seu novo relatório e a expectativa é de que o texto comece a ser votado na comissão especial. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, trabalha para que o projeto seja levado ao plenário antes do recesso parlamentar.

É um desafio enorme discutir e votar uma PEC em dois turnos em meia dúzia de sessões, mesmo existindo a consciência dentro do Congresso de que está na hora de superar essa pauta. Uma das alternativas que ouvi é que seria possível, no melhor dos cenários, fazer a votação em primeiro turno antes do recesso.

Essas projeções do Focus mostram um confiança muito grande de que o Congresso “vai fazer a coisa certa”, mas acreditar demais na política e nos políticos parece algo arriscado. As decepções do mercado costumam ser mais contundentes que essas ondas de otimismo que temos visto por agora.

No lado dos preços, os prognósticos feitos pelo mercado também são bastante favoráveis. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve fechar o ano em 3,8%, contra uma meta de 4,25%.

Para 2020, a mediana caiu para 3,91%, contra uma meta de 4%. Vale lembrar que as ações do BC visam cada vez mais o ano de 2020.

Olhando para horizontes mais longos, temos a inflação projetada exatamente na meta de 3,75% para 2021. Para 2022, a mediana também está em 3,75%, mas deveremos observar uma convergência para 3,5% ao longo das próximas semanas, que foi a meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

RAIO-X DO ORÇAMENTO

Fundo eleitoral, emendas do relator e reajuste dos servidores: 3 pontos do Orçamento para 2022 que mexem com a bolsa esta semana

Entre emendas parlamentares superavitárias e reajuste dos policiais federais, o Orçamento deve ser publicado no Diário Oficial na segunda-feira (24)

PEC DOS COMBUSTÍVEIS

Tesouro pode perder até R$ 240 bilhões com PEC dos Combustíveis e inflação pode ir para 1% — mas gasolina ficará só R$ 0,20 mais barata; confira análise

Se todos os estados aderirem à desoneração, a perda seria de cifras bilionárias aos cofres públicos, de acordo com a XP Investimentos

Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) aprofunda queda da semana e é negociado aos US$ 35 mil hoje pela primeira vez em seis meses; criptomoeda já caiu 17% em sete dias

Especialista dá dicas de como sobreviver ao momento de “sangria” do mercado de criptomoedas — e o que não fazer no desespero

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies