Menu
2019-06-21T19:02:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Copom radical?

BC poderia baixar o juro já, com dois cortes de 0,5 ponto, diz ex-diretor

Avaliação mais radical é do economista Sérgio Werlang, ex-diretor do Banco Central e assessor da Fundação Getulio Vargas

20 de maio de 2019
17:58 - atualizado às 19:02
O ex-diretor do Banco Central, Sérgio Werlang
O ex-diretor do Banco Central, Sérgio Werlang - Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

Mesmo em seu menor patamar da história, a taxa básica de juros (Selic, hoje em 6,5% ao ano) não está oferecendo estímulos à economia e poderia ser baixada já pelo Banco Central (BC).

A avaliação é do economista Sérgio Werlang, ex-diretor do Banco Central (BC) e assessor da Fundação Getulio Vargas (FGV). Werlang defendeu dois cortes de 0,50 ponto, levando a Selic a 5,5% ainda este ano.

Questionado, Werlang disse que não há necessidade de esperar o avanço da tramitação da proposta de emenda constitucional (PEC) de reforma da Previdência para fazer os cortes nos juros.

"Não precisa esperar. Hoje, os 6,5% estão acima do nível de equilíbrio", afirmou o ex-diretor do BC a jornalistas, após dar palestra em seminário promovido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e pelo jornal Valor Econômico, no Rio.

Segundo Werlang, o fato de o nível atual da Selic estar acima da taxa de equilíbrio e, portanto, sem produzir estímulos na economia, é um movimento de curto prazo. Não significa, necessariamente, que a taxa de juro neutra tenha se reduzido estruturalmente.

Ainda assim, Werlang acha que o corte deve ser feito. Para o economista, o cenário de inflação comporta a redução. O risco principal para a dinâmica de preços é o comportamento do câmbio, mas a elevada ociosidade pode limitar os efeitos secundários de uma alta do dólar. Se, mais à frente, for necessário voltar a subir os juros, não há nenhum problema, pois "faz parte do sistema de metas" para a inflação, disse Werlang.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements