Menu
2019-05-09T23:33:18-03:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
De virada

Rumo entra nos trilhos: com custo menor da dívida e mais carga nos trens, empresa reverte prejuízo e lucra no 1º tri de 2019

Empresa justifica desempenho pelo aumento nos volumes transportados e pelo melhor resultado financeiro no trimestre, com redução do custo de dívida

9 de maio de 2019
20:06 - atualizado às 23:33
Trem com o logo da Rumo
Empresa conseguiu reduzir o custo de dívida e com isso impulsionou seu resultado financeiroImagem: Divulgação

A operadora logística Rumo obteve lucro líquido de R$ 27 milhões no primeiro trimestre de 2019, revertendo prejuízo de R$ 59 milhões registrado no mesmo período do ano passado. A melhora se explica pelo aumento nos volumes transportados e pelo melhor resultado financeiro, após iniciativas para reduzir o custo da dívida, enquanto a má notícia ficou por conta da alta nos custos.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) foi de R$ 802 milhões, alta de 12,7% ante o mesmo trimestre de 2018. A receita líquida somou R$ 1,63 bilhão, alta de 17%. Os dados do primeiro trimestre de 2018 foram informados como pró-forma pela empresa pois tiveram impacto da implementação da norma contábil IFRS 16.

O resultado traz algum otimismo para o acionista a respeito deste ano, depois de a Rumo ter conseguido em 2018 obter lucro líquido pela primeira vez desde 2015.

Resultado financeiro entrando nos trilhos

O resultado financeiro da empresa foi uma despesa de R$ 325 milhões, 14,3% inferior ao primeiro trimestre de 2018. A Rumo destacou que o custo da dívida caiu devido ao pré-pagamento de algumas operações, substituição de dívidas mais caras por outras mais baratas e pela queda do CDI entre os trimestres.

Ladeira acima

O volume de cargas transportado pela Rumo atingiu 13,3 bilhões de TKU (toneladas por quilômetro útil), alta de 12,5%. De acordo com a empresa, o aumento refletiu a maior capacidade viabilizada pelo plano de investimentos, com destaque para o volume de soja de janeiro e pelos volumes de fertilizantes na operação norte, que seguem crescendo.

O volume de produtos agrícolas transportados pela empresa subiu 12,7% para 10,8 bilhões de TKU, enquanto o transporte de produtos industriais avançou 11,5% no trimestre para 2,48 bilhões de TKU. No setor agrícola, o destaque foi o avanço de 17,8% da soja, enquanto no ramo industrial o maior crescimento veio dos itens madeira, papel e celulose, com avanço de 22,5%.

A tarifa média de transporte subiu 2% no trimestre ante o mesmo intervalo do ano passado.

Custos indigestos

Os custos consolidados da Rumo no primeiro trimestre cresceram 18,6%, impactados principalmente pelos custos variáveis, que subiram 31,1%. De acordo com a empresa, este aumento ocorreu em função do custo logístico com o transporte de açúcar por caminhões, devido aos altos volumes de soja em janeiro e à queda de barreiras na Serra de Santos (SP) em fevereiro.

A empresa citou ainda o reconhecimento de obrigações decorrentes de contratos de take or pay em fevereiro, em função da não performance dos volumes, além de menores créditos fiscais. Já os custos fixos avançaram 8%.

Resultados por operação

A operação que engloba Malha Norte (que passa pelo Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), Malha Paulista e Operação Portuária em Santos teve aumento de 14,2% no volume transportado, para 9,43 bilhões de TKU.

Segundo a empresa, houve crescimento de 46% nos volumes transportados em janeiro, devido à safra antecipada de soja. Em fevereiro devido à queda de barreiras, os volumes recuaram 4%. Já em março, a Operação teve crescimento de 10% nos volumes transportados.

A receita líquida desta operação somou R$ 1,24 bilhão, alta de 17,9%, enquanto o Ebitda subiu 8,5% para R$ 700 milhões.

Enquanto isso, no Sul

A operação Sul viu o volume transportado subir 6,1% para 3,27 bilhões de TKU, ajudada pela antecipação da safra de soja, que impulsionou o volume de grãos transportados no período. Esta operação é representada pela Malha Oeste (concentrada em Mato Grosso do Sul e São Paulo) e Malha Sul (passa pelos três estados do Sul).

O Ebitda desta área foi de R$ 103 milhões, alta de 45,2%, enquanto a receita líquida subiu 13,9% para R$ 328 milhões, refletindo ganhos de volume e tarifa.

Negócio de contêineres

O volume total em contêineres foi de 591 milhões de TKU no trimestre, alta de 23,7%. Nesta operação, a empresa tem adotado a estratégia de aproveitar os fretes de retorno, aumentando volumes de transporte no mercado interno e também de cargas para importação.

A receita líquida subiu 20,5% para R$ 67 milhões, enquanto o Ebitda ficou negativo em R$ 1 milhão, ante um Ebitda negativo de R$ 4 milhões um ano antes.

Dívida cresceu

A dívida líquida da companhia foi de R$ 7,5 bilhões, alta de 3,8%. A alavancagem, que mede a relação entre dívida líquida e Ebitda, foi de 2,1 vezes e ficou estável na comparação como final de março de 2018.

A Rumo investiu R$ 535 milhões no primeiro trimestre, 10,6% a mais do que no primeiro trimestre do ano anterior. Segundo a empresa, os principais investimentos para aumento de capacidade ocorreram em substituição de trilhos e dormentes, compra de vagões, locomotivas e equipamentos de mecanização de via, melhorias em infraestrutura, e reformas em pátios e terminais.

Desafios pela frente

Sobre 2019, a empresa afirmou que o cenário está desafiador para a soja, mas tem perspectivas positivas para o milho. Com relação às exportações, o cenário deve ficar mais desafiador diante da expectativa da menor demanda chinesa. Mesmo assim, a Rumo afirmou que os impactos sobre os seus negócios devem ser limitados porque boa parte dos volumes de soja estão travados por contratos.

A companhia reiterou as projeções já divulgadas de que o Ebitda em 2019 deve ficar entre R$ 3,85 bilhões e R$ 4,15 bilhões. O investimento (Capex) ficará entre R$ 2 bilhões e R$ 2,2 bilhões, enquanto o volume deve ficar entre 62 bilhões e 64 bilhões de TKU.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Ponto de luxo

Empresário do setor de educação transformará mansão de Edemar Cid Ferreira em escola

Projeto seguirá a linha da Ad Astra School, desenvolvido por Elon Musk

Olho nos números

Índice de estoques do comércio paulistano cai 3% em fevereiro, diz FecomercioSP

Índice passou de 120,4 pontos, em janeiro, para 116,8 pontos. Na comparação com fevereiro de 2019, a baixa foi de 2,1%

Em busca de um acordo

Petroleiros suspendem greve da Petrobras para iniciar rodada de negociação

Presidente da estatal, Roberto Castello Branco antecipou, porém, que os contratos de trabalho vão ser suspensos, independentemente da negociação de sexta-feira

Banco estatal

Bolsonaro afirma que Caixa era ‘verdadeira arca de Noé, cada diretoria tinha um partido’

Comentário do presidente foi feito durante o lançamento da nova linha de crédito imobiliário com taxa fixa do banco

Climão em Brasília

Pelo Twitter sobre guerra com o Congresso, Bolsonaro afirma que democracia nunca esteve tão forte

Postagem foi lacônica e aparece na sequência de uma série de desentendimentos entre o governo e o Congresso

Aos trabalhos

STF inicia julgamento sobre lei que dá base ao programa de ferrovias

Pauta é importante para a prorrogação antecipada da concessão da Malha Paulista

Lugar de gente feliz?

Ações do GPA despencam 7% após balanço mostrar fraqueza no setor de multivarejo

A divisão de multivarejo do GPA — encabeçada pelas redes Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem — reportou queda na receita e piora nas margens, gerando uma onda de pessimismo em relação às ações da empresa

Mais crédito

Caixa vai disponibilizar R$ 10 bilhões para crédito imobiliário com taxa fixa

Linha entra em vigor a partir desta sexta-feira, 21, com taxas a partir de 8%

Caiu mal

Hambúrguer indigesto? Ações do Burger King despencam 7% após empresa entregar resultados medianos

Resultados operacionais da rede de fast food preocupam os investidores; analistas do BTG, no entanto, enxergam resultado dentro do esperado

Benditas reformas

Não haveria juros baixos e inflação se não fossem as reformas, diz BC

“Precisamos continuar programa de reformas”, disse Roberto Campos Neto, que também afirmou que o crédito imobiliário é chave para o crescimento do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements