Menu
2019-10-30T15:44:13-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Meu 1º objetivo

Solteiro, casal ou king size: qual deve ser o tamanho do colchão financeiro da sua reserva de emergência?

O colchão financeiro deve ser o primeiro objetivo financeiro de qualquer pessoa; mas quanto dinheiro deixar na reserva de emergência, afinal?

26 de outubro de 2019
6:00 - atualizado às 15:44
Dinheiro embaixo do colchão representa reserva de emergência
Reserva de emergência funciona como um colchão financeiro, que oferece segurança para acomodar imprevistos. Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Agora que investimento virou tema de conversa de bar e almoço de família, quem tem condição de guardar algum dinheiro já está mais ou menos familiarizado com a expressão "reserva de emergência".

Mas a verdade é que esse assunto é pouco sexy diante da concorrência de tópicos como bolsa de valores e criptomoedas.

As pessoas parecem mais interessadas em saber quais ações podem decolar diante da perspectiva de crescimento da economia brasileira ou em como investir em bitcoin do que em começar do começo: ter um colchão financeiro aplicado em investimentos bem tranquilinhos para situações de emergência.

A verdade é que, mesmo no mundo dos investimentos, se começa de baixo. Não dá para começar a investir se você tem dívidas de juros altos, como a do cartão de crédito; também não dá para começar a comprar em ações, debêntures e cripto se você não tem o básico: uma reserva de emergência.

Seu primeiro objetivo financeiro

Então antes de alçar voos maiores, é essencial fazer o dever de casa: juntar uma boa reserva financeira, nem que isso leve certo tempo, e mantê-la aplicada em investimentos conservadores, mesmo que eles não rendam muito.

É o famoso “dinheiro em caixa”. Assim, quando falamos de caixa, estamos falando justamente da reserva de emergência, e não de dinheiro parado na conta-corrente.

Somente depois de completar a sua reserva de emergência é que os recursos que você conseguir poupar devem ser destinados à chamada diversificação.

Em outras palavras, só o que você juntar além da reserva de emergência deve ir para investimentos com mais risco e com a capacidade de render acima da renda fixa tradicional, como ativos de crédito privado, renda variável, fundos multimercados e até criptomoedas.

A importância da reserva de emergência

Antes de mais nada, quero que fiquem bem claros os objetivos e a importância da reserva de emergência.

Ela se destina a situações como a manutenção do padrão de vida no caso da perda de um emprego; problemas de saúde graves na família; urgências domésticas, como a necessidade de fazer um conserto ou obra emergencial em casa ou no carro, e assim por diante.

Se você precisar mexer na sua reserva de emergência, deve começar a repor esses recursos assim que puder voltar a poupar.

Mas afinal, quanto deixar aplicado na reserva de emergência?

Especialistas recomendam que a reserva de emergência seja suficiente para cobrir os seus gastos por, no mínimo, três meses, mas eu acho esse prazo muito curto.

Eu recomendaria pelo menos um ano, uma vez que, no caso de desemprego, a recolocação no mercado de trabalho pode demorar.

Certa vez eu conversei com uma planejadora financeira que atende famílias com grandes fortunas, e ela foi ainda mais conservadora.

Para ela, quem ainda está construindo patrimônio deve manter o equivalente a três anos de despesas na reserva de emergência.

Já aquelas famílias que já têm um grande patrimônio devem reservar o equivalente a pelo menos cinco anos de despesas, uma vez que esse é o prazo médio dos ciclos econômicos e das crises.

Os recursos da reserva de emergência devem ficar aplicados em investimentos de baixo risco de crédito e alta liquidez, isto é, aplicações seguras e que possam ser resgatadas a qualquer momento.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechou bem o ano

Petrobras tem lucro de quase R$ 60 bi no 4º trimestre e anuncia R$ 10 bi em dividendos

Alta extraordinária de 635% no lucro teve influência de itens não recorrentes de peso, mas mesmo o lucro recorrente totalizou R$ 28 bilhões, alta de 120% na comparação anual; em 2020, estatal lucrou R$ 7,1 bilhões, queda de 82% em relação a 2019

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Quanto vale a Eletrobras privatizada

Ontem à noite, o governo federal entregou ao Congresso a Medida Provisória que possibilita a privatização da Eletrobras e de quase todas as suas subsidiárias. O procedimento será feito por meio de uma capitalização que vai diluir a participação da União, que apenas manterá uma ação com poderes especiais de veto, a chamada golden share. […]

FECHAMENTO

Eletrobras dá susto na reta final, mas Ibovespa segue se recuperando do tombo recente; dólar recua

Estatais seguem se recuperando do tombo recente e a bolsa brasileira também conta com uma ajudinha do exterior

De volta ao topo

País volta a ser maior mercado de caminhão da Mercedes, que reafirma investimento

O volume supera os 24,5 mil caminhões vendidos na Alemanha, que caiu para a segunda posição no ranking de mercados globais da montadora.

Retomada

Faturamento da indústria de máquinas sobe 38,5% em janeiro em comparação anual

A expectativa é de que as vendas internas continuem positivas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies