Menu
2019-04-25T17:30:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Alterações tão cedo?

Partidos tentam acordo para votar reforma da Previdência amanhã, mas já com mudanças no texto

Para que a votação seja consenso, a oposição pede a retirada de alguns trechos do texto já na CCJ; centrão resiste

16 de abril de 2019
16:50 - atualizado às 17:30
Deputados membros da CCJ da Câmara
Oposição pede a supressão de partes da reforma já na CCJ - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Partidos de centro e da oposição estão tentando costurar um acordo para que a admissibilidade da reforma da Previdência seja votada ainda nesta semana.

Para que a votação seja consenso, a oposição pede a retirada de alguns trechos do texto já na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) da Câmara, mas o Centrão resiste.

Segundo o deputado do PT, José Guimarães (CE), a oposição pede a supressão de partes como a desconstitucionalização da Previdência, BPC, aposentadoria rural e capitalização.

Outros pontos considerados 'jabuti' também estão sendo avaliados. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), esteve reunido com líderes do Centrão e oposição para discutir a possibilidade de votar a Previdência nesta semana, mas não houve acordo.

O líder do PP, Arthur Lira (AL), disse que os partidos do centro ainda resistem em aceitar mudanças fora da comissão especial, que é o colegiado que irá tratar do mérito da proposta.

Desta forma, por enquanto, está mantido o acordo firmado na segunda-feira em que os discursos na CCJ vão ser mantidos até as 22h. Na quarta, segue a sessão e, se houver tempo hábil, a proposta será votada.

A vice-presidente da CCJ, Bia Kicis (PSL-DF), disse que o ideal é que as mudanças aconteçam na comissão especial, mas que um acordo para votar a proposta, sem mudanças drásticas, é melhor do que não votar.

A deputada Talíria Petrone (PSOl-RJ) disse que seu partido não está disposto a firmar qualquer acordo, já que é contra a proposta.

Onyx, o otimista

Tentando manter o tom positivo sobre a reforma, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, minimizou a possibilidade de a proposta ser votada na CCJ só na semana que vem.

"Vai dar tudo certo. Se for esta semana, ótimo. Se for terça que vem, está perfeito", declarou Onyx antes de uma reunião com a bancada do Amazonas no Senado.

Onyx insistiu que o governo está tendo "muito" diálogo com o Parlamento e afirmou que "reclamar do Executivo faz parte da cultura do Parlamento" e que é preciso compreender que o Congresso tem uma forma própria de conduzir matérias.

"As coisas vão caminhar bem, só tem que ter um pouquinho de paciência. Acho que a gente precisa compreender que o Congresso tem seu tempo", disse. "O governo tem tranquilidade que, no tempo certo, vai dar tudo certo."

Ele repetiu a intenção de aprovar a reforma no Congresso até o recesso parlamentar, ou seja, ainda no primeiro semestre, quando questionado sobre uma expectativa "realista". A proposta, declarou, vai ser aprovada com "tranquilidade e com ajustes necessários", mas com capacidade de gerar empregos no segundo semestre deste ano.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em meio à crise

GPA tem alta de 150% no lucro, com melhora operacional no Brasil

Cifra atingiu R$ 386 milhões; Assaí apresentou faturamento de R$ 10,1 bilhões, incremento de R$ 2,5 bilhões contra o ano anterior

Números fortes

Vale tem lucro líquido de US$ 2,9 bilhões no 3º tri, alta de 76% na comparação anual

Lucro líquido cresceu quase 76% em relação ao terceiro trimestre do ano passado; Ebitda ajustado chegou a mais de US$ 6 bilhões

Análise

O mercado trucou, e o Banco Central mandou descer ao bancar juro baixo

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o BC foi inflexível e sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que a Selic permanecerá baixa por um longo período

Acelerou

Bolsonaro assina sanção da lei que prorroga incentivos para setor automotivo

A sanção do projeto, assinada por Bolsonaro, deve ser publicada até esta quinta-feira, 29, no Diário Oficial da União (DOU).

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, com adesão a anistias tributárias

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies