A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-04-25T17:30:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Alterações tão cedo?

Partidos tentam acordo para votar reforma da Previdência amanhã, mas já com mudanças no texto

Para que a votação seja consenso, a oposição pede a retirada de alguns trechos do texto já na CCJ; centrão resiste

16 de abril de 2019
16:50 - atualizado às 17:30
Deputados membros da CCJ da Câmara
Oposição pede a supressão de partes da reforma já na CCJ - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Partidos de centro e da oposição estão tentando costurar um acordo para que a admissibilidade da reforma da Previdência seja votada ainda nesta semana.

Para que a votação seja consenso, a oposição pede a retirada de alguns trechos do texto já na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) da Câmara, mas o Centrão resiste.

Segundo o deputado do PT, José Guimarães (CE), a oposição pede a supressão de partes como a desconstitucionalização da Previdência, BPC, aposentadoria rural e capitalização.

Outros pontos considerados 'jabuti' também estão sendo avaliados. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), esteve reunido com líderes do Centrão e oposição para discutir a possibilidade de votar a Previdência nesta semana, mas não houve acordo.

O líder do PP, Arthur Lira (AL), disse que os partidos do centro ainda resistem em aceitar mudanças fora da comissão especial, que é o colegiado que irá tratar do mérito da proposta.

Desta forma, por enquanto, está mantido o acordo firmado na segunda-feira em que os discursos na CCJ vão ser mantidos até as 22h. Na quarta, segue a sessão e, se houver tempo hábil, a proposta será votada.

A vice-presidente da CCJ, Bia Kicis (PSL-DF), disse que o ideal é que as mudanças aconteçam na comissão especial, mas que um acordo para votar a proposta, sem mudanças drásticas, é melhor do que não votar.

A deputada Talíria Petrone (PSOl-RJ) disse que seu partido não está disposto a firmar qualquer acordo, já que é contra a proposta.

Onyx, o otimista

Tentando manter o tom positivo sobre a reforma, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, minimizou a possibilidade de a proposta ser votada na CCJ só na semana que vem.

"Vai dar tudo certo. Se for esta semana, ótimo. Se for terça que vem, está perfeito", declarou Onyx antes de uma reunião com a bancada do Amazonas no Senado.

Onyx insistiu que o governo está tendo "muito" diálogo com o Parlamento e afirmou que "reclamar do Executivo faz parte da cultura do Parlamento" e que é preciso compreender que o Congresso tem uma forma própria de conduzir matérias.

"As coisas vão caminhar bem, só tem que ter um pouquinho de paciência. Acho que a gente precisa compreender que o Congresso tem seu tempo", disse. "O governo tem tranquilidade que, no tempo certo, vai dar tudo certo."

Ele repetiu a intenção de aprovar a reforma no Congresso até o recesso parlamentar, ou seja, ainda no primeiro semestre, quando questionado sobre uma expectativa "realista". A proposta, declarou, vai ser aprovada com "tranquilidade e com ajustes necessários", mas com capacidade de gerar empregos no segundo semestre deste ano.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

IMPASSE CONTINUA

Vitória do governo ameaçada? FUP vai à Justiça para anular resultado de assembleia que elegeu novo conselho da Petrobras (PETR4)

19 de agosto de 2022 - 20:20

A FUP vai centrar argumentação contra a eleição a conselheiros de dois nomes barrados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal

1ª troca em 20 anos

Americanas (AMER3) anuncia Sergio Rial, ex-CEO do Santander, para o comando da companhia no lugar de Miguel Gutierrez

19 de agosto de 2022 - 19:17

Trata-se da primeira troca no cargo de diretor presidente da varejista em 20 anos; Rial assumirá cargo no início do ano que vem

Acionistas felizes

Dividendos: Telefônica (VIVT3) e Marfrig (MRFG3) pagam nova rodada de proventos. Veja as condições para receber

19 de agosto de 2022 - 19:14

A Telefônica não fixou data para o pagamento dos dividendos, mas segundo a companhia, os créditos serão realizados até 31 de julho de 2023

VAI DISPARAR?

Polo Capital aumenta participação na Tenda (TEND3) e se aproxima do gatilho para “poison pill”; construtora discutirá fim do mecanismo em assembleia

19 de agosto de 2022 - 18:36

O movimento ocorre poucos dias após a companhia anunciar que, atendendo a um pedido da gestora, vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir a exclusão da “poison pill” de seu estatuto social

FECHAMENTO DO DIA

Frente fria chega ao Ibovespa e índice recua 1,12% na semana; dólar vai a R$ 5,16

19 de agosto de 2022 - 18:33

Apesar da semana calma, o Ibovespa refletiu a cautela com os juros americanos e a queda das commodities

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies