Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-13T16:55:12-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Durante posse de Campos Neto no BC

Guedes: “tenho visto um extraordinário sentido de cooperação com a reforma”

Ministro da Economia afirmou que tal cooperação vem do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e do presidente do STF, Dias Toffoli

13 de março de 2019
16:55
Paulo Guedes
Guedes diz que a atual geração tem de ter coragem de pagar o custo para não abandonar as gerações futuras - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que tem visto um extraordinário sentido de cooperação em torno da reforma da Previdência. “Estou muito convencido que vamos fazer o que temos de fazer”, disse durante a transmissão de cargo de presidente do Banco Central (BC), para Roberto Campos Neto.

A cooperação com relação à reforma, segundo Guedes, vem do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e do Supremo Tribunal Federal (STF), via ministro Dias Toffoli.

Guedes também disse que seu time sabe que entrou para fazer um trabalho que será feito e que o time não vai recuar. “Quem decide é o Congresso e o presidente, mas vamos fazer a nossa parte”, disse.

Segundo o ministro, a necessidade de R$ 1 trilhão em economia com a reforma decorre do plano de lançar o regime de capitalização para as gerações futuras. “Vai ser fácil lançar a capitalização se tiver potencial fiscal, por isso precisamos de um trilhão”, disse.

O ministro disse que em conversa com quem se diz contrário à reforma, diz que “você não derrota a equipe econômica, vocês derrotam seus filhos e netos”, e foi aplaudido.

Segundo Guedes, a atual geração tem de ter coragem de pagar o custo de trilhão para não abandonar as gerações futuras.

O ministro também reafirmou o plano de zerar o déficit primário neste ano. Segundo ele, se conseguir entregar um déficit na metade do projetado já está bom, mas sua equipe vai tentar.

Sobre a venda de estatais, Guedes disse que as últimas contas mostram valor de R$ 1,250 trilhão. E com a venda desses ativos a equipe vai tentar reduzir a dívida interna.

Guedes arrancou risos da plateia ao falar que abrir a economia com juro alto e 50 impostos diferentes “é condenar o brasileiro a virar churrasquinho de chinês”, por isso a abertura gradual.

“Pode demorar, doer um pouco, mas vamos fazer a coisa certa, que é relativamente simples. O Brasil todo não está doente é o setor público que está doente por excesso de gastos”, disse.

Guedes também defender a descentralização de recursos e disse que foi a classe política que empurrou a PEC do Pacto Federativo, pois todos estão quebrados e já passou da hora de descentralizar as receitas.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies