Menu
2019-06-10T22:59:29-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cenário incerto

Extensão política do caso Moro passa pela postura do centrão

Congresso deve apreciar crédito de R$ 249 bilhões pedido pelo governo e votação pode ser um indicativo da avaliação do Congresso

11 de junho de 2019
5:15 - atualizado às 22:59
Sergio Moro
Ministro Sérgio Moro entrega pacote anticrime para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Imagem: J.Batista/Câmara dos Deputados

Conversei com gente da política e do mercado ao longo da segunda-feira e não obtive uma resposta ou avaliação unânime sobre o eventual impacto que o caso envolvendo Sergio Moro pode ter sobre a agenda de reformas e nas cotações no mercado. O que mais ouvi é que ainda é cedo para avaliar o potencial de estrago.

No entanto, um termômetro pode vir ainda hoje com as articulações e placar de votação do PLN4 que trata de autorizar o governo a captar até R$ 248,9 bilhões para arcar com despesas correntes, como Previdência, Bolsa Família e Plano Safra.

A oposição já disse que vai obstruir toda e qualquer tentativa de votação e apesar de ser muito boa em fazer isso, não dispõe dos votos necessários para barrar esse projeto. Assim, a definição, virá de qual será a postura dos deputados e senadores do centro, ou centrão, e daqueles que se dizem independentes.

Quando o centro compõe com a oposição, o governo perde e vimos isso durante boa parte da tramitação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Quando o governo se acertou com o centro, o projeto foi votado com folga na comissão.

O projeto que trata da “regra de ouro” das finanças públicas será votado primeiro na Comissão Mista de Orçamento (CMO), em sessão prevista para 11 horas. À tarde tem de ser referendado por deputados e senadores em sessão do Congresso. O governo e suas lideranças dizem já ter um acordo, mas em política tudo pode mudar muito rápido.

Os parlamentares devem adotar o habitual pragmatismo e aprovar o crédito, já que a falta de recursos para aposentados e Bolsa Família facilmente cairia no colo do Congresso.

Mas extrapolando o cenário, para o lado que centro pender a questão envolvendo Moro e os procuradores da Lava Jato pode pender também. A abertura de CPI e convocações para prestar esclarecimentos só se confirmam com uma composição do centro com a oposição.

A postura do governo com relação o tema também será relevante. O Planalto pode tentar tratar do tema como um “problema” mais do ex-juiz Sergio Moro que do ministro Sergio Moro. Mas isso tem de ser feito com grande habilidade, para não passar a imagem de que o ministro mais popular do governo está sendo “rifado”.

A movimentação nas redes sociais também foi e deve continuar forte. Ontem mesmo, além de hashtags envolvendo Moro e a Lava Jato, a votação do crédito extraordinário também tinha expressivo número de tuítes, mais de 80 mil, com “#AprovaPLN4”.

No meio disso, fica a expectativa com relação ao relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma da Previdência.

O dia reserva uma aguardada reunião de governadores para tentar fechar uma posição sobre a participação dos entes federados na reforma.

Depois de sugerir que Moro deveria se afastar do cargo, o presidente da Comissão Especial da reforma, deputado Marcelo Ramos (PR-AM) voltou a afirmar que vai se dedicar a blindar a reforma da Previdência.

Seria interessante que essa blindagem antibombas, ou "bombinhas" para usar expressão de Paulo Guedes, funcionasse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies