Menu
2019-11-02T09:36:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
polêmica nas redes

Mark Zuckerberg e roteirista de ‘A Rede Social’ têm embate público sobre liberdade de expressão

Aaron Sorkin, em artigo publicado no New York Times, criticou a postura do CEO do Facebook diante de anúncios sobre política; a resposta veio por uma indireta nas redes sociais

2 de novembro de 2019
9:29 - atualizado às 9:36
Mark Zuckerberg
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook - Imagem: Shutterstock

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, envolveu-se em mais uma polêmica nesta semana. O bilionário foi alvo de críticas do roteirista do filme "The Social Network" (no Brasil, A Rede Social), Aaron Sorkin, por não fazer o suficiente para combater a desinformação (ou "fake news") em sua rede social.

Em artigo publicado no jornal New York Times, Sorkin diz que a postura de Zuckerberg a respeito de anúncios sobre política do Facebook é equivocada. Para exemplificar, o roteirista afirma ter visto no site um anúncio afirmando que Joe Biden, pré-candidato democrata a presidência dos EUA, deu ao procurador-geral ucraniano US$ 1 bilhão para não investigar seu filho.

"Cada centímetro quadrado disso é uma mentira e está embaixo do seu logotipo", escreve. "Isso não é defender a liberdade de expressão. Mark está atacando a verdade", diz Sorkin.

O roteirista escreveu em resposta, principalmente, ao discurso que o bilionário fez na Universidade de Georgetown no início de outubro. Na ocasião, Zuckerberg argumentou que a política de anúncios políticos do Facebook se baseia no interesse em preservar a liberdade de expressão. "Nós não checamos os anúncios políticos", afirmou.

Segundo o bilionário, a postura não tem como objetivo ajudar os políticos, mas permitir que as pessoas vejam, por si mesmas, o que os políticos estão dizendo. De todo modo, Zuckerberg respondeu publicamente ao artigo de Sorkin, mas não de maneira direta.

O CEO do Facebook postou, em seu perfil na rede social, uma citação ao filme "The American President" (lançado no Brasil com o título de "Meu querido presidente"). A película é dirigida pelo próprio Aaron Sorkin.

O trecho recortado pelo bilionário é um do discurso do personagem de Michael Douglas no final do filme para uma sala cheia de repórteres na Casa Branca. A fala, escrita por Sorkin, é uma defesa apaixonada da liberdade de expressão nos Estados Unidos.

"Você quer reivindicar esta terra como a terra da liberdade?", questiona o personagem. "Então o símbolo do seu país não pode ser apenas uma bandeira; o símbolo também tem que ser de seus cidadãos exercendo o seu direito de queimar a bandeira em um protesto. Mostre-me isso, defenda isso, celebre isso em suas salas de aula. Então, você poderá cantar sobre a terra da liberdade"

Em outras palavras, o bilionário estava chamando Sorkin de hipócrita por fazer, em outro momento da vida (o filme é de 1998) uma defesa irremediável da liberdade de expressão, na voz de um de seus personagens, e agora escrever um artigo criticando as ideias de Zuckerberg.

"America isn't easy. America is advanced citizenship. You gotta want it bad, 'cause it's gonna put up a fight. It's...

Posted by Mark Zuckerberg on Thursday, October 31, 2019

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Estudo

Fundos imobiliários ou ações de properties: qual a melhor forma de investir no mercado imobiliário?

Estudo da gestora RBR mostra que fundos são mais eficientes para investimento imobiliário do que empresas que administram imóveis, mas o melhor veículo pode variar caso a caso.

SEXTOU COM RUY

Onde colocar seu dinheiro se a poupança está uma merda?

Portanto, se o rendimento da poupança está uma merda, não se preocupe, porque isso significa que esse é justamente o melhor momento para investir em ações

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements