Menu
2019-05-30T15:23:46-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Xi...

Mais um “pibinho”: indicador tem contração de 0,2% no primeiro trimestre, algo que não era visto desde 2016

O resultado ruim foi impulsionado pelo desempenho ruim da agropecuária e da indústria, mas especialmente da indústria extrativa com o desastre de Brumadinho

30 de maio de 2019
9:06 - atualizado às 15:23
PIB

Depois de muitas revisões para baixo nas projeções de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB), o resultado divulgado hoje (30) apenas confirmou o que já era esperado pelos analistas do mercado. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, o PIB teve contração de 0,2% na comparação com os três meses anteriores, na série com ajuste sazonal.

A última queda do indicador tinha ocorrido no quarto trimestre de 2016 e tinha sido de 0,6%. Já na comparação com o primeiro trimestre de 2018, o PIB cresceu 0,5%. Em valores correntes, o principal indicador da economia brasileira totalizou R$ 1,714 trilhão.

O resultado ruim foi puxado em grande parte pelos recuos da indústria (-0,7%) e da agropecuária (-0,5%). No caso da indústria, as quedas estão intimamente atreladas a indústria extrativa (-6,3%) e, especialmente ao desastre de Brumadinho.

“O incidente de Brumadinho e o consequente estado de alerta de outros sítios de mineração afetaram todo o setor”, explica a gerente de Contas Nacionais do IBGE, Claudia Dionísio.

 

Pilar do indicador

Por outro lado, a despesa de consumo das famílias foi o que sustentou o indicador. De acordo com Dionísio, "o consumo das famílias foi o pilar que sustentou o indicador no período. Poderia estar melhor, mas ainda temos uma taxa de desocupação alta e uma inflação que, mesmo controlada, ainda está num patamar mais alto”.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, a despesa de consumo das famílias cresceu 1,3% e o resultado foi impulsionado pelo bom comportamento do crédito para pessoa física e e da massa salarial, além de taxas de juros mais baixas do que as encontradas no começo do ano passado.

De olho no PIB

  • A agropecuária teve queda de 0,5% na comparação com o quarto trimestre de 2016;
  • A indústria, por sua vez, recuou 0,7%;
  • O destaque um pouco mais positivo ficou com o setor de serviços que teve alta de 0,2%. O único do lado da oferta;
  • Os investimentos tiveram queda de 1,7%;
  • O consumo do governo com folha de pagamento e despesas com saúde, educação e segurança tiveram alta de 0,4%;
  • O consumo das famílias obteve alta de 0,3%;
  • As exportações de bens e serviços caíram 1,9% e as importações cresceram 0,5% em relação ao trimestre anterior.

Além da indústria extrativa, as indústrias de construção (-2,0%) e de transformação (-0,5%) também tiveram quedas. Já as atividades de eletricidade e gás, além de água, esgoto, atividades de gestão de resíduos cresceram 1,4%.

O setor de serviços, por sua vez, apresentou um resultado mais positivo, o resultado um pouco mais positivo veio de outro serviços (0,4%), intermediação financeira e seguros, com 0,4% de alta, administração, saúde e educação pública (0,3%), informação e comunicação (0,3%) e atividades imobiliárias (0,2%). Já as quedas foram em transporte, armazenagem e correio (-0,6%) e comércio (-0,1%).

O PIB é soma dos bens e serviços finais produzidos em um país e serve para mostrar a evolução da economia ao longo de um período, no caso de três meses.

Atenção para a demanda!

Um dos pontos que devem chamar a atenção dos investidores é justamente o lado da demanda. Segundo os dados divulgados pelo IBGE, os investimentos públicos e privados tiveram queda de 1,7%, o que é preocupante já que a poupança interna de um país depende dos investimentos domésticos e de investimentos externos.

E o Brasil está mal na fita. Ao analisar a taxa de investimento divulgada pelo IBGE hoje, o valor percentual foi de 15,5% do PIB. O valor está acima da observado no mesmo período de 2018 (15,2%).

Mas está bem abaixo do que foi observado entre 2010 e 2014 quando a taxa média de investimento foi de 21,5% do PIB, de acordo com um estudo divulgado neste mês pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Mercado já tinha previsto

Assim como já tinha sido mostrado pelo Boletim Focus nas últimas semanas, a expectativa do mercado era de retração do PIB. Na última segunda-feira, por exemplo, o Focus trouxe a 13ª queda no indicador em 2019.

Na opinião dos analistas consultados, a estimativa de crescimento para o PIB neste ano era de 1,23%, ante 1,24% da semana passada. Há um mês a estimativa de crescimento era de 1,70%.

Da mesma forma, em evento realizado na última terça-feira (28), o economista-chefe do Itaú, Mário Mesquita alertou sobre a possibilidade de uma contração maior do PIB.

Segundo ele, a fraca produção e os dados ruins em termos de crédito e confiança do empresário dos meses de março e abril trazem sinais de alerta. Dos últimos dados divulgados, o único que veio mais positivo são os do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e que mostraram a criação de quase 130 mil vagas.

Além da baixa produção, outro fator preocupante é o baixo investimento público e privado. Na visão de Mesquita, alguns dos potenciais fatores para o declínio estão relacionados ao ambiente global de desaceleração. E isso já tem tido consequências no âmbitos dos negócios.

Para Mesquita, a fusão recente da Fiat Chrysler com a Renault é um exemplo claro de uma tentativa de superar a falta de investimento e alavancar a produção.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

coronavírus no interior de sp

Aliansce Sonae fecha temporariamente 4 shoppings por aumento de casos de covid

A Aliansce Sonae teve que fechar temporariamente quatro shopping centers que administra por conta do aumento na ocupação de leitos nas redes de saúde das cidades onde estão localizados

crédito na crise

BTG abre linha de microcrédito para empreendedores, a partir de R$ 500

Mesmo que bilhões de reais tenham sido injetados na economia brasileira para mitigar os efeitos da crise, micro e pequenas empresas acabaram ficando sem crédito em meio à pandemia

o coronavírus por aqui

Brasil atinge platô nas mortes por covid, diz Ministério da Saúde

Mas contágio de covid-19 continua aumentando no país

seu dinheiro na sua noite

Começando o semestre com o pé direito

Passado um semestre marcado pela desvalorização dos ativos de risco e a disparada do dólar, um outro se inicia, ainda com muita incerteza pela frente. Mas ao menos começou com o pé direito: bolsa para cima e uma boa dose de alívio no câmbio. Os mercados continuam sustentados pela injeção de liquidez do Federal Reserve, […]

queda nas importações

Previsão de superávit da balança em 2020 sobe para US$ 55,4 bilhões, diz Lucas Ferraz

Com expectativa de queda nas importações maior do que o inicialmente previsto, o governo revisou a previsão para o saldo comercial deste ano e espera agora um resultado positivo de US$ 55,4 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements