Menu
2019-04-12T10:48:59-03:00
Puxou para baixo

Importação de plataforma de petróleo reduz saldo comercial no 1º trimestre

Segundo indicador da FGV, em valores, as exportações recuaram 10,2% e as importações 4,9% na comparação entre os meses de março de 2018 e 2019

12 de abril de 2019
10:48
Plataforma de petróleo da Petrobras
Imagem: Ag. Petrobras

A importação de uma plataforma de petróleo da China pelo Brasil puxou para baixo o saldo da balança comercial brasileira em março, atingindo US$ 5 bilhões, o que levou a um saldo acumulado no primeiro trimestre do ano de US$ 10,5 bilhões, segundo o Indicador de Comercio Exterior (Icomex) divulgado nesta sexta-feira, 12, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em valores, as exportações recuaram 10,2% e as importações 4,9% na comparação entre os meses de março de 2018 e 2019. O maior ganho, porém, foi com os países asiáticos - exceto China -, onde o déficit de US$ 260 milhões virou um superávit de US$ 1,2 bilhão.

"A queda do superávit está associada ao menor saldo com a China (passou de US$ 4,1 bilhões para US$ 3,3 bilhões), com o desempenho na Argentina (passa de um superávit de US$ 2 bilhões para um déficit de US$ 334 milhões), com a América do Sul, exceto Argentina (US$ 2,5 bilhões para US$ 1,8 bilhões), e União Europeia (US$ 2,9 bilhões para US$ 1,2 bilhão)", informou a FGV Ibre em nota.

Ainda sem reflexos do protecionismo de Donald Trump, o déficit de US$ 538 milhões registrado no primeiro trimestre de 2018 no saldo comercial com os Estados Unidos passou para um superávit de US$ 185 milhões no mesmo período de 2019. No Oriente Médio, o superávit passou de US$ 1,1 bilhões para US$ 1,7 bilhões.

"O resultado de março levou a uma queda no acumulado do ano até março tanto das exportações (-3,7%), como das importações (-0,7%) e o resultado foi uma redução do superávit comercial do 1º trimestre de 2019 em relação a igual período de 2018 (US$ 12,2 bilhões", informou a FGV em nota.

Segundo a FGV, a piora do saldo com a Argentina se deve à queda no nível de atividade econômica daquele país, que levou à redução das compras externas. Na China, na comparação dos trimestres, as exportações cresceram 13,6% e as importações 31,6%, o que explicaria a queda no superávit. Se a importação da plataforma fosse excluída, o crescimento desse fluxo cairia para 4,8% e o superávit no primeiro trimestre de 2019 teria sido de US$ 5,3 bilhões, acima do registrado em 2018.

A balança do Brasil em março foi afetada também pela queda dos preços das commodities, com exceção do minério de ferro, e pelo recuo no volume da venda de cinco produtos: soja, minério de ferro, celulose, carne de frango e carne bovina, no período entre os meses de março de 2018 e 2019. "As commodities registram elevação de 12,3% entre os trimestres de 2018 e 2019, mas o resultado de março (0,3%) indica uma possível redução no ritmo desse crescimento", explicou a FGV Ibre.

O minério de ferro teve aumento de 4,8% entre o acumulado do ano até março de 2018 e 2019. No caso do aumento no volume exportado, a liderança coube ao complexo soja (25,4%) e ao grupo petróleo e derivados (24,6%).

Como exemplo de que o protecionismo norte-americano ainda não afetou as relações comerciais com o Brasil, a FGV Ibre ressalta o bom desempenho das exportações de semimanufaturas de aço e de "demais manufaturados" na comparação mensal e na trimestral. "Nos dois casos, o mercado estadunidense contribuiu para o resultado. Nas "demais manufaturas", esse mercado explicou 25% do total das vendas brasileiras e registrou crescimento de 90% e nas exportações de semimanufaturas, participação de 64% e crescimento de 37%", avaliou a FGV.

A FGV destaca que a queda do saldo comercial está ligada ao recuo de todos os índices de preços e volume das exportações e importações. Na comparação dos trimestres, a queda dos preços exportados, de 6,1%, supera o das importações, de 0,5%. Em volume, no entanto, as exportações aumentaram 2,5% e as importações caíram 1,1%.

Em síntese, as exportações brasileiras repetem o mesmo comportamento de anos anteriores, onde o crescimento das vendas externas do Brasil depende do setor agropecuário e da indústria extrativa. Além disso, os dados de importações não sinalizam uma recuperação imediata da indústria de transformação", conclui a FGV Ibre.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Reflexos da pandemia

Com coronavírus, lucro do Iguatemi cai 77,5% no 1º tri, para R$ 12,5 milhões

Operadora de shopping centers viu queda nas vendas, na receita líquida e no Ebitda com fechamento da maioria das lojas no fim de março por conta da pandemia

Atualização do Ministério da Saúde

Brasil tem 391.222 casos confirmados e 24.512 mortes pelo coronavírus

Segundo Ministério da Saúde, 158.593 pacientes foram recuperados

Projeto de ajuda a Estados

Bolsonaro diz não poder mais socorrer Estados e insiste na reabertura da economia

“Nós não podemos continuar socorrendo Estados e municípios que devem no meu entender de forma racional começar a abrir o mercado”, afirmou

seu dinheiro na sua noite

Magalu à prova de coronavírus

No último dia 18 de março, o Ibovespa amargou uma queda de 10,35%, depois de passar pela sexta vez no mês por um circuit breaker – a paralisação que acontece toda vez que o principal índice da bolsa cai mais de 10% durante um pregão. Nesse mesmo dia, as ações do Magazine Luiza registraram uma […]

Condição para socorro financeiro

MP que concede reajuste salarial a policiais e bombeiros no DF é publicada

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro disse que deve sancionar o projeto de socorro a Estados e municípios até amanhã; edição de medida provisória era uma das condições para a sanção

Energia elétrica

Aneel retira de pauta reajuste da Cemig e prorroga vigência de tarifas atuais

Com isso, as tarifas atuais serão prorrogadas até 30 de junho

Pessimismo aumenta

IIF passa a prever que PIB do Brasil terá contração de 6,9% em 2020

Em relatório divulgado nesta terça-feira, 26, a instituição explica que a crise terá efeitos duradouros para o País

Mais alívio no câmbio

R$ 5,35: com uma ajuda do exterior, o dólar zerou os ganhos no mês e virou para queda

O clima tranquilo visto nos mercados globais abriu espaço para mais uma queda no dólar à vista — a sexta nas últimas sete sessões. Com isso, a moeda americana voltou aos níveis do fim de abril, afastando-se cada vez mais do patamar dos R$ 6,00

Títulos públicos

Tesouro Direto tem emissão líquida recorde de R$ 1,57 bilhão em abril

Com a emissão recorde, o estoque do programa fechou abril em R$ 60,24 bilhões, um aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões)

Em meio à pandemia

56,6 milhões de brasileiros já receberam auxílio emergencial, diz Caixa

Todos receberam o pagamento da primeira parcela do benefício, no valor total de R$ 39,9 bilhões, enquanto 44,2 milhões de brasileiros também já receberam a segunda parcela, em um total de R$ 30,9 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements