A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-11T07:20:15-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
um pouco menos

Agência reduz projeção para avanço na demanda global por petróleo em 2019

AIE diminuiu sua projeção para o crescimento da demanda este ano para 1 milhão de barris por dia (bpd)

11 de outubro de 2019
7:20
petróleo e dólares
Imagem: Shutterstock

A desaceleração da atividade econômica no globo já tem impactos sobre o consumo de petróleo. A constatação foi apresentada há pouco pela Agência Internacional de Energia (AIE), que diminuiu sua projeção para o crescimento da demanda este ano para 1 milhão de barris por dia (bpd).

No mês passado, o relatório da entidade que tem sede em Paris contava com um incremento de 1,1 milhão de bpd. A instituição também reduziu o prognóstico para o ano que vem, de 1,3 milhão de bpd para 1,2 milhão e bpd. Esta é a quarta diminuição apresentada pela AIE nos últimos seis meses.

"Esperamos que o crescimento em 2019 seja o mais fraco desde 2016, após evidências de uma desaceleração em várias regiões e países importantes, incluindo (países da) Europa, Índia, Japão, Coreia e EUA", avaliou a entidade, acrescentando, porém, que a expansão da demanda por petróleo na China se mantém em níveis "robustos".

O relatório mensal também destacou que a oferta global teve queda de 1,5 milhão de barris por dia em setembro, para 99,3 milhões de bpd, após os ataques às instalações de processamento sauditas em Abqaiq e Khurais. O episódio levou a uma redução temporária do suprimento global de 5%.

Em relação à produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a AIE registrou uma queda expressiva no mês passado, de 890 mil bpd, para 28,82 milhões de bpd. De acordo com a entidade, este é o nível mais baixo desde 2009, quando foram feitos cortes profundos no fornecimento para sustentar os preços durante a recessão econômica global.

Apenas a oferta saudita recuou 770 mil bpd em setembro, a 9,02 milhões de bpd. Depois da Arábia Saudita, a segunda maior redução ocorreu na Venezuela. "A produção da Opep caiu para a maior baixa em dez anos em função das interrupções e das reduções contínuas da Venezuela, atingida por sanções", frisou.

A agência prevê, no entanto, que a produção do cartel deve se recuperar este mês devido à rápida recuperação das operações na Arábia Saudita.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

IMPASSE CONTINUA

Vitória do governo ameaçada? FUP vai à Justiça para anular resultado de assembleia que elegeu novo conselho da Petrobras (PETR4)

19 de agosto de 2022 - 20:20

A FUP vai centrar argumentação contra a eleição a conselheiros de dois nomes barrados pelo Comitê de Elegibilidade da estatal

1ª troca em 20 anos

Americanas (AMER3) anuncia Sergio Rial, ex-CEO do Santander, para o comando da companhia no lugar de Miguel Gutierrez

19 de agosto de 2022 - 19:17

Trata-se da primeira troca no cargo de diretor presidente da varejista em 20 anos; Rial assumirá cargo no início do ano que vem

Acionistas felizes

Dividendos: Telefônica (VIVT3) e Marfrig (MRFG3) pagam nova rodada de proventos. Veja as condições para receber

19 de agosto de 2022 - 19:14

A Telefônica não fixou data para o pagamento dos dividendos, mas segundo a companhia, os créditos serão realizados até 31 de julho de 2023

VAI DISPARAR?

Polo Capital aumenta participação na Tenda (TEND3) e se aproxima do gatilho para “poison pill”; construtora discutirá fim do mecanismo em assembleia

19 de agosto de 2022 - 18:36

O movimento ocorre poucos dias após a companhia anunciar que, atendendo a um pedido da gestora, vai convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir a exclusão da “poison pill” de seu estatuto social

FECHAMENTO DO DIA

Frente fria chega ao Ibovespa e índice recua 1,12% na semana; dólar vai a R$ 5,16

19 de agosto de 2022 - 18:33

Apesar da semana calma, o Ibovespa refletiu a cautela com os juros americanos e a queda das commodities

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies