A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2022-06-29T14:54:41-03:00
Carolina Gama
CORRA, LOLA, CORRA

Fugindo de Putin: a África pode ajudar a Europa a escapar da vingança da Rússia sobre o gás?

A Rússia fornece cerca de 40% do gás consumido na Europa, que estabeleceu um plano para bani-lo até o final do ano e agora precisa encontrar fontes alternativas de fornecimento — uma tarefa que não é simples

29 de junho de 2022
14:54
Presidente russo, Vladimir Putin, apoiado em uma mesa, com o dedão na boca
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Flickr

No filme “Corra, Lola, Corra”, a personagem central corre pelas ruas de Berlim para salvar o namorado da ira do chefe. Na vida real, os europeus aceleram o passo na tentativa de encontrar uma rota de fuga para escapar da fúria do presidente Vladimir Putin — e da dependência do continente do gás natural russo. 

Desde a invasão da Ucrânia, o fornecimento de gás russo para a Europa virou um ponto crucial do conflito. A Rússia é fonte de cerca de 40% do gás consumido no velho continente, e as autoridades europeias estabeleceram um plano para bani-lo até o final do ano

Mas, depois da enxurrada de sanções que o Ocidente impôs sobre Moscou por conta da guerra, Putin passou a usar o gás e o petróleo como uma forma de pressão

E um novo capítulo dessa queda de braço vai começar em julho, quando a Rússia fechará as torneiras do gás para a Europa para manutenção — e o medo de que elas não serão reabertas tão cedo ronda as autoridades europeias. Saiba mais sobre essa história

Escapando de Putin

Diferente do filme, que se passa em Berlim, a rota de fuga encontrada pelos europeus é a África — que responde atualmente por 10% do fornecimento de gás para o velho continente.

Na visão dos europeus, a infraestrutura de gasodutos existente entre o norte da África e a Europa, bem como as relações históricas de fornecimento de gás natural liquefeito (GNL), tornam o continente africano uma alternativa sólida.

Pensando nisso, a Comissão Europeia lançou o plano REPowerEU, apresentado apenas 12 dias após o início da invasão russa e adotado em 19 de maio. De acordo com ele, a capacidade de produção da África deve dobrar até 2030.

Itália: a primeira a correr

A Itália, cujas importações de gás russo antes da guerra chegavam a 45% do consumo, foi a primeira a buscar a diversificação de fontes de abastecimento. 

Quatro dias após o início da ofensiva de Putin sobre a Ucrânia, autoridades italianas foram à Argélia. Em abril, assinaram um acordo para aumentar as importações de gás argelino em cerca de 40%. Ao mesmo tempo, Roma fez o mesmo em Angola e na República do Congo.

Representantes da Alemanha, uma das maiores consumidoras do gás russo na Europa, fizeram o mesmo: foram ao Senegal no mês passado para transmitir o interesse em ajudar a desenvolver recursos de gás por lá.

O plano contra Putin vai dar certo?

O plano da Europa parece fazer muito sentido no papel, mas esbarra em questões importantes, como preço e tempo. 

Enquanto alguns projetos entrarão em operação nos próximos anos, vários levarão mais de uma década para serem concluídos — e os custos de infraestrutura para extração e transporte de óleo e gás costumam ser bastante elevados.

De acordo com especialistas em energia, os projetos de gás em terra em países como Moçambique e Tanzânia provavelmente não entrarão em operação até o final da década de 2020.

Não bastasse a questão do tempo, o preço é outra barreira. Na semana passada, as cotações  de referência do gás na Europa estavam mais de  300% maiores na comparação com um ano atrás. 

Esses altos preços da energia estão acelerando a inflação, que está próxima das máximas de quatro décadas em alguns países desenvolvidos — e aumentando os temores de recessão.

Em tese, ter mais fornecedores ajudaria a Europa a conter o aumento de preços, mas a  empresa de análise de dados Kpler diz que, embora as cotações do gás natural estejam altas hoje, esse cenário pode mudar à medida que os projetos na África amadurecem.

E aí existe um novo problema: se os preços do gás caírem — vale lembrar que as energias renováveis estão ficando mais baratas e muitos países estão considerando o hidrogênio e a energia nuclear como alternativas — os novos players africanos podem não ser capazes de competir com produtores estabelecidos, como os EUA e o Catar, que têm custos de produção mais baixos.

Ainda tem a questão climática…

Esses projetos estão sendo impulsionados em um momento em que o mundo tenta conter as emissões de gases de efeito estufa e evitar as piores catástrofes das mudanças climáticas —  a África Subsaariana é altamente vulnerável ao clima extremo.

À medida que muitos países se afastaram do carvão para gerar eletricidade, eles se voltaram para o gás natural, que emite menos dióxido de carbono, como o chamado “combustível de ponte” para o uso eventual de energias renováveis. 

Mas o gás é principalmente metano, um potente poluente que aquece o planeta, e uma grande quantidade de pesquisas mostra que ele também está impulsionando as mudanças climáticas.

*Com informações do Le Monde, da Reuters e do Wamur

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sente pressão do Fed e recua na semana, enquanto ethereum (ETH) sustenta alta impulsionada pela “The Merge”; entenda

18 de agosto de 2022 - 20:25

O ethereum (ETH) vence a letargia do mercado hoje ainda impulsionado pela The Merge, atualização que, segundo analista, foi enfim “descoberta” pelo mercado

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro aparece no retrovisor de Lula, mas petista ainda pode levar no primeiro turno, segundo Datafolha

18 de agosto de 2022 - 20:00

Essa é a primeira pesquisa de intenção de voto divulgada após o início oficial da campanha presidencial, que começou há dois dias

REBATEU FAKE NEWS

“Estou meio acostumada a tomar paulada”: Luiza Trajano fala sobre política, empreendedorismo e os desafios do Magalu (MGLU3)

18 de agosto de 2022 - 19:13

A empresária rebateu alguns dos principais boatos que envolvem o seu nome e comentou as perspectivas do varejo no TAG Summit 2022

MAIS UM PASSO

Unindo os jalecos: acionistas do Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) aprovam a fusão entre as companhias

18 de agosto de 2022 - 19:12

Os acionistas de Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) deram aval para a junção dos negócios das companhias; veja os detalhes

o melhor do seu dinheiro

Ibovespa faz o dever de casa, o futuro das petroleiras e quem vai ficar com Congonhas; confira os destaques do dia

18 de agosto de 2022 - 18:40

Passado o grande evento da semana — a divulgação de ontem (17) da ata da última reunião do Federal Reserve — os investidores tiveram pouco com o que trabalhar nesta quinta-feira (18), levando as bolsas globais a mais um dia de muita volatilidade.  A cautela inicial em Nova York e a subida dos juros futuros […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies