Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-04T19:59:37-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O teto vai rachar?

4 de setembro de 2019
19:59
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os programas de ajuste fiscal atrapalham o crescimento da economia? Eu me propus a responder essa questão na monografia que escrevi para o MBA que cursei lá no longínquo ano de 2004.

Ao estudar os casos de vários países que adotaram programas do tipo concluí que é possível, sim, conciliar avanço do PIB com disciplina fiscal.

A minha tese foi confirmada na prática pelo desempenho da economia brasileira, que cresceu mais de 3% ao ano em média ao longo da década passada.

Como sabemos, a fatídica “nova matriz macroeconômica” da gestão Dilma sepultou a política de disciplina fiscal. Só que mesmo antes disso as contas do país já tinham um problema grave: os gastos públicos cresceram acima da inflação em todos os anos de todos os governos.

Até a explosão da bomba-relógio que nos levou à crise econômica, os políticos tentaram resolver essa equação pelo lado da receita. O resultado disso você sabe: aumento de impostos.

Foi só no fim de 2016 que o Congresso aprovou a famosa PEC do teto de gastos. Grosso modo, a medida proíbe o aumento das despesas públicas acima da inflação por um período de pelo menos dez anos.

Junto com a reforma da Previdência, trata-se de um dos alicerces da economia que começaram a ser reconstruídos nos escombros da crise e foi fundamental para a retomada da confiança dos investidores no país.

Mas eis que agora a ala política do governo Bolsonaro atua nos bastidores para flexibilizar a regra. A justificativa é que o teto deixa pouco ou nenhum espaço para a retomada dos investimentos públicos. A equipe econômica, claro, é contra a mudança.

Direto de Brasília, o Eduardo Campos preparou uma análise que mostra os riscos que uma eventual rachadura no teto, pelo menos no curto prazo, pode provocar na economia. Recomendo a leitura, ao som de um tango argentino.

Mais longe do trilhão

Desde que chegou ao Congresso, a reforma da Previdência já passou por várias mudanças, e algumas delas custaram bons milhões de economia ao governo. O mais recente corte no projeto veio justamente com o relatório do Senado, aprovado na tarde de hoje na CCJ. Agora, a economia prevista com a reforma é de R$ 870 bilhões, um pouco mais distante do tão sonhado trilhão de Paulo Guedes. Nesta matéria você fica sabendo as principais mudanças no texto e como está a articulação dentro do Senado para aprovar a reforma.

Os dragões e a bolsa

Umas das mais emblemáticas tradições da cultura chinesa é a dança dos dragões. Esses espetáculos acontecem em eventos comemorativos como o ano novo e a abertura de novos estabelecimentos comerciais. E não iria me espantar se um dragão asiático aparecesse pelas bolsas mundo afora, já que China e Hong Kong foram os responsáveis pelo alívio nos mercados após dias de pressão pela guerra comercial. Por aqui, o Ibovespa seguiu a tendência e subiu novamente acima dos 101 mil pontos. Já o dólar teve sequências de mínimas e fechou negociado a R$ 4,1050. Quem conta os detalhes do pregão de hoje é o Victor Aguiar.

Quem dança por último?

O clima hoje foi de alívio nas bolsas, mas o cenário ainda inspira muita cautela (e caldo de galinha). Em seu mais novo vídeo para a série “De olho no gráfico”, o nosso colunista Fausto Botelho traz para você uma análise sobre o futuro próximo das bolsas de Nova York e como os mercados de lá podem afetar as ações brasileiras. Além disso, ele ensina a diferença entre dois importantes conceitos da análise gráfica: as bandeiras e as derivas.

Vazamento na nuve

Um dos destaques da bolsa neste ano, com uma valorização de quase 400% das ações, o Banco Pan tem seu nome envolvido em um suposto vazamento de dados de clientes. O Ministério Público abriu um inquérito para apurar uma provável vulnerabilidade na ferramenta de armazenamento de dados em nuvem usada pela instituição financeira controlada pelo BTG Pactual e pela Caixa. Entenda o caso e quantos clientes podem ter sido afetados. 

Tenha a Petrobras como sócia

Não, caro leitor, não se trata de comprar ações da estatal. A novidade é que a própria Petrobras quer colocar dinheiro no seu negócio. A empresa lançou um programa de incentivo a startups e pequenas empresas inovadoras e vai selecionar dez projetos de inovação para serem contemplados com um investimento total de R$ 10 milhões. Quer saber como isso tudo vai funcionar? Então confira os detalhes lá no SeuDinheiro.

 

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração de Fernando Pivetti

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies