2019-04-04T13:57:04-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Venham para o Brasil!

Em discurso na Câmara de Comércio dos EUA, Guedes faz chamado aos investidores americanos

Ministro da Economia disse que o Brasil vive um novo momento econômico e citou as mudanças fiscais que o governo tem promovido como exemplo

18 de março de 2019
20:49 - atualizado às 13:57
Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez nesta segunda-feira, 18, um grande chamado a investidores americanos para que estabeleçam novas parcerias comerciais com o Brasil.

Em discurso na Câmara de Comércio dos Estados Unidos, o "posto Ipiranga de Bolsonaro" citou que o país vive um novo momento econômico, com um presidente que possui "colchões" para controlar as contas públicas. Em tom de brincadeira, Guedes também disse que o presidente "adora Coca-cola e a Disneylândia".

Mas o ministro deixou claro que "se os EUA querem vender carne de porco para nós, então comprem nossa carne (bovina). Querem vender etanol? Ok, comprem nosso açúcar”. E emendou dizendo que "o mais importante é que sejamos parceiros comerciais estratégicos para o futuro.”

Guedes ainda comentou sobre a fusão entre a Boeing e Embraer. Na ocasião, ele destacou que é um exemplo de maravilhoso que está por vir na relação entre os dois países.

O ministro teve uma reunião com o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross. “Vamos pegar as 50 maiores empresas dos EUA e do Brasil para conversarem”, apontou Guedes.

Alô, alô China

O ministro da Economia também fez uma provocação aos americanos ao falar sobre as relações comerciais existentes entre Brasil e China. Ele disse que o país está aberto e que deve continuar a fazer negócio com o país. "Os chineses querem dançar conosco e querem investir lá. Disse ao presidente: amamos os EUA, mas vamos fazer comércio com quem for mais lucrativo”.

Guedes falou, principalmente que o Brasil está interessado em negócios que envolvam o pré-sal.

Outro ponto abordado pelo ministro foi o tema dos investimentos em infraestrutura. "Nós vemos vocês comerciando com chineses há anos. Por que nós não podemos? Por que não podemos deixá-los investir em infraestrutura?", questionou. O objetivo central seria reduzir o "custo Brasil" e a abertura da economia.

OCDE

O ministro fez ainda um apelo e pediu ajuda para que os Estados Unidos apoiem a candidatura do Brasil à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Para Guedes, a entrada seria positiva, porque funcionaria como um selo de confiança internacional.

“Os EUA são o único obstáculo para que entremos e é compreensível, porque estávamos na esquerda a maior parte do tempo, mas agora estamos na direita”, destacou o ministro. Na visão dele, os americanos pretendem apoiar o trabalho e reformas estruturais do Brasil, sem se comprometer com datas para afirmar e endossar politicamente a adesão do país à OCDE.

Previdência

Ao aprofundar sobre a situação da economia brasileira, o ministro da Economia voltou a dizer que o principal problema do país é o sistema previdenciário. Nesse sentido, ele afirmou que a reforma da Previdência virá para acabar com "a fábrica de privilégios". Citou também que "ninguém será deixado de lado".

E emendou dizendo que "todo mundo entrou na reforma da Previdência e militares têm de entrar também". Ele destacou ainda que a se reforma for menor do que R$ 1 trilhão, "o compromisso com futuras gerações será relativo".

O ministro disse também que o novo regime previdenciário pretende aumentar o salário médio do trabalhador brasileiro. "A nova Previdência vai dar um choque de empregabilidade... vai democratizar a poupança e reduzir encargos", destacou Guedes.

O ministro de Bolsonaro disse ainda que na proposta de reforma da Previdência, o governo vai criar um novo regime de capitalização.

Guedes também fez uma crítica ao crescimento dos gastos públicos nas últimas décadas. Ao falar sobre os governos anteriores, o ministro afirmou que a corrupção e a estagnação geraram um colapso econômico. "Nosso controle estatal estagnou a economia e corrompeu a democracia", completou.

O ministro disse ainda que a aliança entre conservadores e liberais é a “música” atual do Brasil.

 

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

FORTES SINAIS

Por que você deveria olhar a disparada de juros dos empréstimos imobiliários dos EUA com o risco iminente de recessão? Eles levaram à crise de 2008 e voltaram a subir

Os juros de financiamentos de até 30 anos saíram de 2,75% para mais de 6% em relação ao mesmo mês de 2021

skin in the game

Como os criadores do podcast Stock Pickers querem fazer a cabeça do mercado com o Market Makers

Em parceria com a Empiricus, Thiago Salomão e Renato Santiago lançam novo podcast e querem começar clube de investimentos

SÁBADO EM CRIPTO

Bitcoin acumula alta de 10% na semana, ethereum sobe 20% e criptomoedas tentam aproveitar alívio do noticiário para avançar hoje; confira

Entre os destaques dos últimos dias estão a nova parceria da Binance no Brasil, o ataque ao site do Tether (USDT) e os problemas na Celsius

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies