Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-05-13T14:31:08-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Guerra Comercial

Pode a China vender seu estoque de US$ 1 trilhão em dívida americana?

Possibilidade de retaliação além do campo comercial chegou a correr pelos mercados, mas tal movimento não faria sentido

13 de maio de 2019
14:31
guerra comercial
Imagem: Shutterstock

Os mercados globais reagem de forma negativa à escala da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e um elemento ressurgiu dentro desse ambiente conflagrado: a possibilidade de a China vender seu estoque de títulos da dívida americana.

Sites de notícias voltaram a levantar essa possibilidade depois que a China anunciou que vai impor tarifas a produtos americanos em resposta ao movimento anunciado na semana passada por Donald Trump.

O China é maior financiador da dívida americana, com mais de US$ 1,130 trilhão em Treasuries (dados de fevereiro do Tesouro americano). Em segundo lugar está no Japão, com US$ 1,072 trilhão. Em terceiro lugar estamos nós, o Brasil, com US$ 307,7 bilhões (grande parte de nossas reservas internacionais está nesses títulos). A dívida total passa de US$ 6,3 trilhões.

Essa possibilidade de venda pelos chineses chegou a se refletir no mercado de Treasuries, com as taxas operando em alta em parte do pregão. No entanto, a busca por proteção e a avaliação do mercado de que os chineses não fariam essa venda, coloca as taxas de juros para baixo.

O papel de 10 anos tinha taxa de 2,39%, a menor desde março, depois de chegar a subir a 2,44% no começo do pregão. Quanto maior a demanda pelos papéis, menor é a taxa deles.

Conversei com meu amigo gringo sobre essa possibilidade de retaliação financeira por parte dos chineses, e ele me explicou que os chineses não pensam ou atuam como traders de mercado.

De fato, uma venda rápida dos papéis imporia novos problemas aos Estados Unidos, com uma elevação súbita das taxas de juros. Mas meu amigo explicou que os chineses levam em conta as consequências desse tipo de retaliação no médio e longo prazos.

Se eles realmente fizerem isso, podem sofrer com uma queda acentuada no fluxo de capitais e os chineses sabem que não podem abrir mão dos recursos e do financiamento internacional para sustentar e impulsionar seu crescimento econômico.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Juros em alta

Rumo aos 6% + IPCA? Taxas do Tesouro Direto sobem forte após Copom, e títulos atrelados à inflação já pagam mais de 5,5% a.a. de juro real

Com alta da Selic para 7,75%, juros futuros dispararam nesta quinta, fazendo taxas do Tesouro Direto subirem ainda mais

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies