Menu
2019-06-18T10:05:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ursos por toda parte

Pessimismo entre gestores globais é o maior desde a crise de 2008

Bank of America Merrill Lynch mostra gestores globais fugindo do mercado de ações e prevendo contração da economia mundial nos próximos 12 meses

18 de junho de 2019
10:05
Urso
Urso simboliza o mercada de baixa ou bear market - Imagem: Shutterstock

A pesquisa do Bank of America Merrill Lynch com gestores globais de recursos captou o menor grau de confiança desde a crise financeira de 2008. O pessimismo é guiado pelas preocupações com a guerra comercial, recessão econômica e impotência da política monetária em lidar com esse quadro.

Não por acaso, o título da pesquisa é “Ursos por toda parte”, em referência ao termo “bear market”, mercado urso ou de baixa, que contrasta com o seu oposto, o “bull market”, mercado touro ou de alta.

Essa visão pessimista se traduz em uma redução das alocações no mercado de ações e aumento das posições em caixa.

A alocação em ações caiu 32 pontos de maio para junho, com 21% dos gestores dizendo carregar posições abaixo da média (underweight). Menor posicionamento desde março de 2009. A queda mensal foi a segunda maior já registrada pelo banco.

Enquanto isso, as posições médias em caixa subiram de 4,6% para 5,6%, maior alta desde o impasse sobre a elevação do teto de endividamento dos EUA em 2011.

A expectativas de crescimento colapsaram, recuando 46 pontos percentuais de maio para junho, queda recorde. Agora, 50% dos gestores acreditam em menor crescimento global ao longo dos próximos 12 meses. Para 87% dos entrevistados, a economia global está em “fim de ciclo”, maior leitura já captada.

Em linha com esse pessimismo as posições saíram de segmentos que se beneficiam de crescimento e maior inflação, para ativos mais defensivos como dinheiro, fundos imobiliários e títulos de renda fixa.

A preocupação com a guerra comercial subiu 19 pontos e agora 56% dos gestores colocam esse evento como maior risco a ser monitorado. Outros riscos citados são impotência da política monetária (11%), cenário político dos EUA (9%) e desaceleração da economia chinesa (9%).

A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 13 de junho, com 230 gestores responsáveis por US$ 645 bilhões. Na pesquisa global, foram 179 respondentes com US$ 528 bilhões, nas pesquisas regionais foram 119 participantes, com US$ 272 bilhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEXTOU COM O RUY

O que uma pesquisa no Google diz sobre as ações com maior potencial na reabertura da economia

De maneira geral, as pessoas estão com vontade de sair de casa, até mesmo para fazer coisas que nem gostavam tanto assim — como ir ao teatro, no meu caso

balanço do dia

Covid-19: Brasil tem 430.417 mortes e 74.592 novos casos da doença

O Brasil bateu a marca das 430 mil vidas perdidas para a pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas foram registradas 2.383 novas mortes. Com isso, o total de vítimas que não resistiram à covid-19 chegou a 430.417. Ainda há 3.671 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, […]

Digital em alta

Vendas do Magazine Luiza saltam 62% no trimestre; e-commerce é 70% do total

O Magazine Luiza mostrou crescimento nas linhas de receita, Ebitda e lucro; a participação do e-commerce nas vendas totais segue aumentando

1º TRI

Petrobras reverte prejuízo do 1º trimestre anterior e lucra R$ 1,6 bilhão; Ebitda sobe mais de 30%

O resultado foi beneficiado pela alta do barril de petróleo no mercado internacional, mas sentiu o peso da valorização do dólar.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies