Menu
2019-11-11T14:13:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Lula solto não tem impacto sobre reformas, diz Lucas de Aragão, da Arko Advice

Segundo cientista político, mercado está mais ansioso com possíveis desdobramentos do que com a soltura do ex-presidente em si. Agenda de reformas depende do governo e do Congresso

11 de novembro de 2019
14:13
Bolsonaro e Lula
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O mercado está mais ansioso com os possíveis desdobramentos da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do que com fato de sua liberdade em si. A avaliação é do cientista político e sócio da Arko Advice, Lucas de Aragão.

Procurei Lucas depois de perder a conta de quantos relatórios e conversas já tive em diferentes fóruns para tentar entender esse receio do mercado com o “Lula livre”, um evento, em tese, bastante esperado.

Segundo Aragão, estamos no momento das expectativas e ansiedades que levantam algumas dúvidas. Vamos a elas:

  • Teremos impactos na agenda de reformas? Haverá mudança nesse movimento de busca por um Estado mais enxuto, de privatizações e política fiscal responsável?
  • A soltura de Lula terá impacto nas eleições municipais de 2020?
  • E se essa soltura, tentando olhar mais adiante, abre caminho para candidatura do próprio Lula ou fortalece o PT ou alguma candidatura de mesma corrente em 2020?

“Essas são as ansiedades do mercado e é nisso que o mercado está reagindo ou pode reagir. Agora, no fato, como analista político, digo aos meus clientes, acho que não tem impacto”, diz Aragão.

Ainda de acordo com ele, essa questão das expectativas depende da ansiedade de cada um, depende das informações e da capacidade analítica de cada um. Por isso há uma dispersão de avaliações com relação ao tema.

Não impacta no fato

Para Aragão, a soltura de Lula não tem impacto na agenda de reformas do governo. Essa agenda só poder ser impactada pelos erros do próprio governo, pela má vontade do Congresso e por uma falta de comunicação do governo com o Congresso e com a sociedade.

“Não acho que vai ser o Lula o arquiteto do fracasso das reformas se ele vier a acontecer”, pondera Aragão.

Segundo ponto do especialista é que Lula não será candidato em 2022. Mesmo que Sergio Moro seja declarado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que anularia condenações, o ex-presidente tem outros processos que devem caminhar até 2022, deixando-o como candidato “ficha suja” até as eleições presidenciais.

Para Aragão, a grande pergunta é se o Bolsonaro vai conseguir aprovar as reformas, se o Congresso vai se motivar para aprovar. E aqui entra a capacidade de interlocução do governo com a sociedade e com o Congresso.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Substituto do Bolsa Família

Renda Brasil terá R$ 51,7 bilhões e vai pagar benefício médio de R$ 232, prevê governo

Hoje, o Bolsa Família inclui 13,2 milhões de famílias, o que alcança 41 milhões de pessoas a um custo de cerca de R$ 32 bilhões ao ano

Mais lidas Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Os 10 anos bem vividos da Tesla na bolsa

Nos dez anos que separam a abertura de capital da Tesla na Nasdaq e o último dia 29 de junho, as ações da companhia subiram vertiginosos 4.125%, enquanto o principal índice da bolsa americana de tecnologia teve alta de “apenas” 345%. E a companhia do bilionário Elon Musk pôde comemorar o aniversário de uma década […]

Avião-problema

Fabricante de aviões trilha novo caminho: Boeing aposta no MAX

Mesmo começando a ficar otimista com relação ao futuro do Max, acredito que comprar ações da Boeing continua sendo mau negócio

ranking

Os títulos públicos mais rentáveis do 1º semestre; indicações do Seu Dinheiro estiveram entre eles

Em março, levantamos a bola para uma oportunidade aberta no Tesouro Direto com a alta dos juros no mês, e alguns dos títulos indicados ficaram entre os mais rentáveis do semestre. Confira a lista completa dos melhores e piores títulos públicos do ano até agora

Recuperação mais lenta

Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

“É provável que a taxa de desemprego continue alta, mas não por uma piora do mercado de trabalho, e sim pela melhora da percepção das pessoas sobre o ambiente para procurar emprego”, diz diretor da instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements