Menu
2019-11-11T14:13:31-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Entrevista

Lula solto não tem impacto sobre reformas, diz Lucas de Aragão, da Arko Advice

Segundo cientista político, mercado está mais ansioso com possíveis desdobramentos do que com a soltura do ex-presidente em si. Agenda de reformas depende do governo e do Congresso

11 de novembro de 2019
14:13
Bolsonaro e Lula
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O mercado está mais ansioso com os possíveis desdobramentos da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva do que com fato de sua liberdade em si. A avaliação é do cientista político e sócio da Arko Advice, Lucas de Aragão.

Procurei Lucas depois de perder a conta de quantos relatórios e conversas já tive em diferentes fóruns para tentar entender esse receio do mercado com o “Lula livre”, um evento, em tese, bastante esperado.

Segundo Aragão, estamos no momento das expectativas e ansiedades que levantam algumas dúvidas. Vamos a elas:

  • Teremos impactos na agenda de reformas? Haverá mudança nesse movimento de busca por um Estado mais enxuto, de privatizações e política fiscal responsável?
  • A soltura de Lula terá impacto nas eleições municipais de 2020?
  • E se essa soltura, tentando olhar mais adiante, abre caminho para candidatura do próprio Lula ou fortalece o PT ou alguma candidatura de mesma corrente em 2020?

“Essas são as ansiedades do mercado e é nisso que o mercado está reagindo ou pode reagir. Agora, no fato, como analista político, digo aos meus clientes, acho que não tem impacto”, diz Aragão.

Ainda de acordo com ele, essa questão das expectativas depende da ansiedade de cada um, depende das informações e da capacidade analítica de cada um. Por isso há uma dispersão de avaliações com relação ao tema.

Não impacta no fato

Para Aragão, a soltura de Lula não tem impacto na agenda de reformas do governo. Essa agenda só poder ser impactada pelos erros do próprio governo, pela má vontade do Congresso e por uma falta de comunicação do governo com o Congresso e com a sociedade.

“Não acho que vai ser o Lula o arquiteto do fracasso das reformas se ele vier a acontecer”, pondera Aragão.

Segundo ponto do especialista é que Lula não será candidato em 2022. Mesmo que Sergio Moro seja declarado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que anularia condenações, o ex-presidente tem outros processos que devem caminhar até 2022, deixando-o como candidato “ficha suja” até as eleições presidenciais.

Para Aragão, a grande pergunta é se o Bolsonaro vai conseguir aprovar as reformas, se o Congresso vai se motivar para aprovar. E aqui entra a capacidade de interlocução do governo com a sociedade e com o Congresso.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seleção da bolsa

As ações favoritas para o mês de março, segundo 13 corretoras

Com o cenário de incertezas ainda em alta, o mercado opta mais uma vez para papéis que podem atuar como porto seguro. Confira as principais recomendações dos analistaws

Sextou com o Ruy

A rentabilidade do vizinho é maior que a sua? Tome cuidado com os ganhos dos “traders perfeitos”

A inveja é, sem dúvida alguma, uma das piores inimigas de um investidor – isso se não for a pior. E quando estamos em um bull market (mercado em alta) parece que temos que lidar o tempo todo com ela

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies