Menu
2019-05-15T17:58:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Guerra comercial já afeta fluxo de recursos para emergentes

Monitor do Instituto Internacional de Finanças (IIF) mostra uma reversão de tendência. China lidera perdas com saída de US$ 2,5 bilhões do mercado de ações

15 de maio de 2019
17:58
yuan-china
Notas de yuan, moeda da China -

A escalada da guerra comercial entre os Estados Unidos e China já mostra reflexos nos fluxos de capital para mercados emergentes. Apenas no dia 14, a saída foi de US$ 1,5 bilhão. Maior já visto desde outubro do ano passado, quando atritos comerciais entre os dois países também levaram a saques de recursos.

A saída, por ora, está concentrada no mercado de ações da China, que perdeu mais de US$ 2,5 bilhões desde o fim da semana passada. No mercado de títulos não ocorreram grandes variações.

Os dados são do monitor diário do Instituto Internacional de Finanças (IIF), que também captou um sinal técnico de reversão nos fluxos de capital. Esse sinal de reversão acontece quando a média móvel de sete dias fica abaixo da média móvel de 28 dias (considerando 1,5 desvio padrão da média mais longa).

Além da China, o IIF também captou saída de dinheiro dos mercados da Coreia do Sul, Índia e Indonésia. Taiwan também sofreu saques significativo, na casa de US$ 400 milhões em um dia.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies