Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T14:10:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólares voltam a entrar no país em fevereiro

Fluxo cambial foi positivo em US$ 5,5 bilhões no começo do mês depois do pior janeiro desde 2013

13 de fevereiro de 2019
13:18 - atualizado às 14:10
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

Na semana passada, questionamos onde estavam os dólares que já deveriam estar entrando no Brasil neste começo de 2019, depois que fluxo cambial de janeiro tinha sido o menor desde 2013. Pois bem, os dados atualizados sobre o mês de fevereiro, até o dia 8, mostram que eles apareceram e com força. Nos seis primeiros dias úteis do mês, a sobra de dólares foi de US$ 5,5 bilhões.

O fluxo cambial capta as trocas comerciais e de investimentos e aplicações do Brasil com o exterior. No fim do ano passado, mais de US$ 20 bilhões deixaram o país, especialmente pela conta financeira, que captou o movimento sazonal de empresas que fecham balanços e remetem lucros para o exterior. O usual é que em janeiro parte desse dinheiro já comece a retornar, mas agora em 2019, o movimento parece acontece um pouco “atrasado”.

Ainda é cedo para falar em tendência de recuperação, mas neste começo de fevereiro, a conta financeira teve saldo positivo de US$ 3,1 bilhões, enquanto a conta comercial mostrou resultado positivo de US$ 2,4 bilhões. A tendência é que a conta comercia passe a registar superávits ainda maiores em função dos embarques de safra. A conta financeira depende de outros vetores, como andamento das reformas, percepção de risco dos investidores e planos de investimentos de empresas externas.

Mesmo com a recuperação vista na semana passada, o fluxo acumulado no ano está em apenas US$ 5,541 bilhões, em comparação com US$ 10,4 bilhões vistos em igual período do ano passado.

Fluxo e preço

Mais uma vez os dados evidenciam que o fluxo não determina preço, pois na semana passada o dólar acumulou alta de 1,9%. No dia 6 de fevereiro, por exemplo, quando o Ibovespa caiu 3,8%, e o dólar subiu mais de 1%, retomando a linha de R$ 3,70, o fluxo cambial tinha sido positivo em pouco mais de US$ 2 bilhões.

Não que o fluxo seja totalmente desprezível para o preço, mas a formação capta as expectativas do mercado com o cenário local e externo e as movimentações dos bancos, fundos e investidores estrangeiros no mercado futuro, onde os valores movimentados são muito superiores ao fluxo à vista.

É na B3, onde comprados, que ganham com a alta do dólar, e os vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana. Na semana passada, os estrangeiros tinham atuado na ponta de compra de dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar). Na venda estavam os bancos. Agora, nesta segunda semana, os estrangeiros voltaram a atuar na ponta de venda, se desfazendo de mais de US$ 15 bilhão, enquanto os fundos estão na ponta de compra.

As posições líquidas, no fim do pregão de terça-feira, mostravam o estrangeiro comprado em US$ 35 bilhões, os fundos vendidos em US$ 24,6 bilhões, e os bancos, também vendidos, em US$ 12,3 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

O RUÍDO PERSISTE

Renda mínima permanente? Presidente da Câmara dá a entender que Auxílio Brasil pode se tornar política contínua

Expectativa é de que a mera menção a um programa de renda mínima permanente mantenha a pressão sobre os ativos financeiros locais

Quem dá mais?

A CCR (CCRO3) e o leilão da Dutra: o que está em jogo para a companhia?

A CCR (CCRO3) administra a Dutra desde 1996. Mas, com o novo leilão marcado para essa sexta (26), a empresa pode perder a concessão

ÚLTIMO ADEUS?

De malas prontas para deixar a B3, Banco Inter (BIDI11) reverte prejuízo em lucro líquido de R$ 19,2 milhões no terceiro trimestre

O banco digital também celebrou a marca de 14 milhões de clientes no período, um salto de 94% na comparação com o terceiro trimestre de 2020

Tecnologia em foco

As big techs na balança: veja como foi o trimestre de Google, Microsoft e Twitter

Três das principais big techs americanas reportaram seus balanços nesta noite; veja como se saíram Alphabet/Google, Microsoft e Twitter

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Pressão nos juros, Elon Musk mais rico e o brilho das ações das elétricas

As projeções de bancos e economistas para a alta da Selic não param de subir. É possível ver essa tendência semanalmente no boletim Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central, em relatórios de diversas casas de análise e na curva dos juros futuros — que não param de ser revisados para patamares cada vez mais […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies