2019-05-31T18:15:57-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Money talks

Brasil perde importância e dinheiro dentro do grupo emergente

Levantamento da EPFR Global mostra como a China se tornou o emergente mais relevante nos últimos 20 anos e não por acaso lidera entradas e saídas de capital

31 de maio de 2019
15:55 - atualizado às 18:15
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

A consultoria EPFR Global é famosa pelo detalhado levantamento que faz da movimentação de dinheiro ao redor do mundo ao acompanhar 100 mil fundos com cerca de US$ 34 trilhões em ativos. O foco da semana é o estrago que a guerra comercial faz nos fundos de ações emergentes, mas o que chama atenção para nós é como o Brasil deixou de ser relevante.

Depois de fazer sua análise semanal de dados, a EPFR Global constata que a China ampliou ainda mais seu peso relativo dentro do grupo, sendo o país mais importante em alocações quando os gestores pensam em mercados emergentes globais (GEM, na sigla em inglês).

Já o Brasil, que ocupou a segunda colocação até o começo de 2009, aparece agora como quinto colocado, perdendo para Taiwan, Coreia do Sul e Índia, como mostra a tabela abaixo.

Vale destacar, também o período entre 2000 e 2009, quando ficamos em segundo, mas rivalizamos com a China em termos relativos. Agora, a China é quatro vezes mais relevante.

A EPFR não aprofunda as discussões sobre essas movimentações no ranking, mas isso pode ser lido como mais um reflexo da política econômica da última década e suas deletérias consequências.

Por outro lado, isso reforça a percepção de que o Brasil seria uma das melhores oportunidades para ingresso de recursos, como já discutimos aqui.

Mais uma vez, a recuperação do protagonismo e do dinheiro, que é o que importa, passa pela agenda de reformas, como bem explicou Paulo Guedes nesta semana.

De volta aos dados da semana, as retiradas dos fundos de ações da China pesam sobre toda a categoria emergentes. Além da guerra comercial, a EPFR lembra que dados não oficiais sugerem uma economia mais fraca que os números do governo chinês. Além disso, a liquidação de um banco pela primeira vez em 20 anos lembrou os investidores do risco de crédito da economia chinesa.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

FORTES SINAIS

Por que você deveria olhar a disparada de juros dos empréstimos imobiliários dos EUA com o risco iminente de recessão? Eles levaram à crise de 2008 e voltaram a subir

Os juros de financiamentos de até 30 anos saíram de 2,75% para mais de 6% em relação ao mesmo mês de 2021

skin in the game

Como os criadores do podcast Stock Pickers querem fazer a cabeça do mercado com o Market Makers

Em parceria com a Empiricus, Thiago Salomão e Renato Santiago lançam novo podcast e querem começar clube de investimentos

SÁBADO EM CRIPTO

Bitcoin acumula alta de 10% na semana, ethereum sobe 20% e criptomoedas tentam aproveitar alívio do noticiário para avançar hoje; confira

Entre os destaques dos últimos dias estão a nova parceria da Binance no Brasil, o ataque ao site do Tether (USDT) e os problemas na Celsius

OLHA A FOGUEIRA

Me ajuda, São João! Itens de festas juninas ficaram 13,52% mais caros do ano passado para cá; confira produtos que subiram mais

Os principais itens são aqueles relacionados às commodities, influenciadas pelas cotações internacionais e dólar

FOLLOW-ON

Novas ações da Eneva (ENEV3) começam a ser negociadas na terça-feira e aumentam o caixa da empresa R$ 4 bilhões

O preço por ação ficou em R$ 14,00, levemente abaixo do desempenho dos papéis em negociação da empresa, que fecharam a sexta-feira cotados a R$ 14,73

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies