Menu
2019-05-31T18:15:57-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Money talks

Brasil perde importância e dinheiro dentro do grupo emergente

Levantamento da EPFR Global mostra como a China se tornou o emergente mais relevante nos últimos 20 anos e não por acaso lidera entradas e saídas de capital

31 de maio de 2019
15:55 - atualizado às 18:15
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

A consultoria EPFR Global é famosa pelo detalhado levantamento que faz da movimentação de dinheiro ao redor do mundo ao acompanhar 100 mil fundos com cerca de US$ 34 trilhões em ativos. O foco da semana é o estrago que a guerra comercial faz nos fundos de ações emergentes, mas o que chama atenção para nós é como o Brasil deixou de ser relevante.

Depois de fazer sua análise semanal de dados, a EPFR Global constata que a China ampliou ainda mais seu peso relativo dentro do grupo, sendo o país mais importante em alocações quando os gestores pensam em mercados emergentes globais (GEM, na sigla em inglês).

Já o Brasil, que ocupou a segunda colocação até o começo de 2009, aparece agora como quinto colocado, perdendo para Taiwan, Coreia do Sul e Índia, como mostra a tabela abaixo.

Vale destacar, também o período entre 2000 e 2009, quando ficamos em segundo, mas rivalizamos com a China em termos relativos. Agora, a China é quatro vezes mais relevante.

A EPFR não aprofunda as discussões sobre essas movimentações no ranking, mas isso pode ser lido como mais um reflexo da política econômica da última década e suas deletérias consequências.

Por outro lado, isso reforça a percepção de que o Brasil seria uma das melhores oportunidades para ingresso de recursos, como já discutimos aqui.

Mais uma vez, a recuperação do protagonismo e do dinheiro, que é o que importa, passa pela agenda de reformas, como bem explicou Paulo Guedes nesta semana.

De volta aos dados da semana, as retiradas dos fundos de ações da China pesam sobre toda a categoria emergentes. Além da guerra comercial, a EPFR lembra que dados não oficiais sugerem uma economia mais fraca que os números do governo chinês. Além disso, a liquidação de um banco pela primeira vez em 20 anos lembrou os investidores do risco de crédito da economia chinesa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

Índice do medo dos investidores se aproxima de patamares vistos durante auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos. Mas no fim do pregão o VIX recuou um pouco e terminou o dia cotado em 18,23 pontos, uma alta de 25,21%

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

gringo longe

Investimento estrangeiro em ações brasileiras fica negativo em US$ 4,7 bilhões em 2019

Para 2020, a projeção é de saldo positivo de US$ 5,0 bilhões, segundo dados do Banco Central

Uma longa estrada à frente

Credit Suisse vê potencial de alta de 32% para bancos e eleva recomendação de ações do Santander

Os analistas do banco suíço não temem aumento da competição no setor e possuem indicação equivalente a compra para as ações dos quatro grandes bancos

balanço do ano

Rombo das contas externas chega a US$ 50 bilhões; resultado de 2019 foi o pior em 4 anos

Ainda assim, o resultado não chega a preocupar os especialistas, já que o déficit foi largamente superado pela entrada de recursos via Investimentos Diretos no País

Cautela elevada

Mercados em alerta: tensão com o coronavírus faz o Ibovespa cair mais de 2,5% e leva o dólar a R$ 4,21

A disseminação do coronavírus eleva a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Todas as ações do índice operam em queda, em especial as ligadas ao setor de commodities, como Vale, Petrobras e siderúrgicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements