Menu
2019-05-31T18:15:57-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Money talks

Brasil perde importância e dinheiro dentro do grupo emergente

Levantamento da EPFR Global mostra como a China se tornou o emergente mais relevante nos últimos 20 anos e não por acaso lidera entradas e saídas de capital

31 de maio de 2019
15:55 - atualizado às 18:15
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

A consultoria EPFR Global é famosa pelo detalhado levantamento que faz da movimentação de dinheiro ao redor do mundo ao acompanhar 100 mil fundos com cerca de US$ 34 trilhões em ativos. O foco da semana é o estrago que a guerra comercial faz nos fundos de ações emergentes, mas o que chama atenção para nós é como o Brasil deixou de ser relevante.

Depois de fazer sua análise semanal de dados, a EPFR Global constata que a China ampliou ainda mais seu peso relativo dentro do grupo, sendo o país mais importante em alocações quando os gestores pensam em mercados emergentes globais (GEM, na sigla em inglês).

Já o Brasil, que ocupou a segunda colocação até o começo de 2009, aparece agora como quinto colocado, perdendo para Taiwan, Coreia do Sul e Índia, como mostra a tabela abaixo.

Vale destacar, também o período entre 2000 e 2009, quando ficamos em segundo, mas rivalizamos com a China em termos relativos. Agora, a China é quatro vezes mais relevante.

A EPFR não aprofunda as discussões sobre essas movimentações no ranking, mas isso pode ser lido como mais um reflexo da política econômica da última década e suas deletérias consequências.

Por outro lado, isso reforça a percepção de que o Brasil seria uma das melhores oportunidades para ingresso de recursos, como já discutimos aqui.

Mais uma vez, a recuperação do protagonismo e do dinheiro, que é o que importa, passa pela agenda de reformas, como bem explicou Paulo Guedes nesta semana.

De volta aos dados da semana, as retiradas dos fundos de ações da China pesam sobre toda a categoria emergentes. Além da guerra comercial, a EPFR lembra que dados não oficiais sugerem uma economia mais fraca que os números do governo chinês. Além disso, a liquidação de um banco pela primeira vez em 20 anos lembrou os investidores do risco de crédito da economia chinesa.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MERCADOS HOJE

De olho no Copom e na Eletrobras, Ibovespa abre o dia em queda; dólar sobe

Na sessão passada, o otimismo com a perspectiva de mais vacinas disponíveis e a aceleração do calendário de vacinação levaram o Ibovespa a fechar em alta

Em clima de disputa

Dez empresas brigam por usinas da EDP Brasil

Segundo analistas, faz sentido a EDP Brasil vender suas hidrelétricas, uma vez que sua prioridade no País será a geração distribuída e a transmissão de energia

O melhor do seu dinheiro

Freud, Itaú e o ETF dos millennials, o que esperar da Super Quarta, o preço da passagem espacial e outros destaques

Freud dedicou parte de seus estudos a tentar desvendar a tal “alma feminina”. Até que um dia jogou a toalha e reconheceu estar longe de responder o que, afinal, querem as mulheres. Se o pai da psicanálise vivesse hoje, imagino que o objeto de curiosidade talvez fosse outro: os chamados millennials. A expressão surgiu para […]

O tempo fechou

Crise hídrica piora clima da votação sobre privatização da Eletrobras

Na semana passada, líderes do Senado aumentaram a reação à MP e ameaçaram derrubar a proposta, pedindo até que o texto não fosse pautado

Esquenta dos Mercados

Indicadores econômicos dos EUA devem movimentar o dia, com aumento da cautela antes da ‘Super Quarta’

Depois de um pregão ignorando a Super Quarta, Ibovespa deve sentir o peso da cautela antes da decisão de política monetária no Brasil e nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies