Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Clube do livro
Leonardo Rubinstein Cavalcanti
Os 90 anos da crise de 1929
Cotações por TradingView
2021-08-01T08:58:10-03:00
Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

1 de agosto de 2021
8:58
uma série de criptomoedas espalhadas
Imagem: Shutterstock

James (Jim) Rickards é escritor e investidor. Seus best sellers como “A Febre do Ouro” e “A Grande Queda” são conhecidos por expor uma visão mais disruptiva sobre o mercado financeiro. O livro “Cripto Wars” também segue por esse caminho.

A cautela do escritor com esse investimento tem fundamentos: Jim Rickards é um veterano de 35 anos em Wall Street e conselheiro da área financeira no Pentágono. 

Por causa de seu profundo conhecimento do sistema bancário internacional e da interação entre moedas mundiais, analistas do Pentágono o chamaram quando realizaram seu primeiro “jogo de guerra” financeiro.

O papel de Jim era aconselhar as agências de inteligência sobre como os Estados Unidos poderiam se defender contra outros países lançando ataques secretos de guerra financeira em seus sistemas bancários.

Por esse motivo, é compreensível que ele tenha uma visão de longo alcance sobre o mercado financeiro, e também uma opinião sólida sobre as criptomoedas. Contarei mais sobre isso nos próximos parágrafos.

O que é uma Guerra Cambial?

O contexto é tudo, e para entender o que o autor pensa sobre as criptomoedas, é necessário entender do que se trata uma guerra cambial.

Segundo Jim, as guerras cambiais são um movimento muito relevante no sistema financeiro global. Ele conta que essa guerra financeira consiste no ato de um país desvalorizar sua moeda local em relação outras divisas. O objetivo desse movimento é estimular a sua própria economia.

“Uma guerra cambial é uma batalha econômica. Ela ocorre no campo das políticas econômicas” 

Jim Rickards

A prática funciona como uma “importação de inflação”, ou seja, desvalorizar a moeda para atrair importadores e consequentemente aumentar o preço dos produtos que serão exportados.

A batalha começa quando vários países usam esse método ao mesmo tempo. É uma luta de espada onde quem desvaloriza na medida errada, perde. A diferença é que, ao invés de um buraco no seu peito, o perdedor sai com um buraco na sua economia.

Jim conta que já houve três guerras cambiais no decorrer da história: A primeira aconteceu de 1921 a 1936, que começou com a hiperinflação da República de Weimar e terminou com a Grande Depressão. A segunda ocorreu entre 1967 e 1987; e a terceira teve início em 2010.

Essa última ocorre após o término do período chamado de “dólar forte”. A economia mundial se baseava no dólar, e havia uma promessa de estabilidade da moeda. Haveria, assim, uma trégua.

Entretanto, em janeiro de 2010, Barack Obama rasgou esse acordo e praticamente decretou a terceira guerra cambial. Jim conta que ainda estamos em campo de batalha desde então, e os feridos são aqueles que dependiam da estabilidade de moedas fortes e de outras commodities como o ouro.

E o que é a Guerra Cripto Cambial?

Até aqui tudo muito bom, bem explicativo. Mas o que isso tudo tem a ver com criptoativos? Jim fala que estamos passando por uma guerra cripto cambial, diferente de todas que já vimos.

O autor explica que a guerra cripto cambial é diferente, mas com o mesmo propósito. Ao invés de se desvalorizar para sair ganhando, as criptomoedas buscam uma adoração global para sair em vantagem em relação às outras.

Existem mais de 4 mil criptomoedas atualmente, e cada uma delas busca ser a próxima “rock star”. A principal semelhança dessa nova “guerra” com as últimas três é que somente algumas permanecerão nos holofotes. 

O objetivo de Jim Rickard com sua obra Cripto Wars é apresentar aos leitores o mundo dos criptoativos e explicar a serventia de cada um deles. Após expor o conceito, e ensinar a parte técnica, ele escreve sobre quais são as que ele aposta que permanecerão.

A tese do investidor é baseada na proposta de cada criptomoeda, e de como ele enxerga que ela irá se comportar no mercado. Jim previu a queda do bitcoin em 2018, por um simples motivo.

Veja seis criptomoedas, além do bitcoin, para ficar de olho em 2021:

É muito inovador

Segundo Jim, o bitcoin é uma criptomoeda extremamente útil e que pode mudar o rumo da história financeira. Entretanto, ele sabia que o mercado trataria o ativo como um investimento especulativo. Dois anos depois, Elon Musk provou que Jim estava certo.

O fato de os investidores comprarem ou venderem um ativo digital, baseados em especulações de bilionários ou do governo chinês, prova o ponto de Jim. O autor, anos atrás, já se preocupava com esse tipo de atitude:

“Não estou interessado em recomendar frenesis especulativos. Não falarei sobre uma moeda só porque ela está subindo, como muitos blogs fazem”

Jim Rickards

Dólar é uma criptomoeda?

Segundo Jim, sim! Parece uma pergunta besta à primeira vista. Entretanto, o autor usa essa afirmação para explicar melhor a definição de criptomoeda.

A moeda americana tem seu tráfego de mensagens de pagamentos criptografado. Desde um pagamento em cartão até uma transferência bancária, tudo é digital e devidamente criptografado. Hoje em dia, a maior parte do nosso patrimônio é virtual, logo é também criptografado.

Esclarecendo isso, o autor explica sobre as nuances entre o dólar e o que nós consideramos criptoativos hoje em dia. A principal diferença entre ambos, por exemplo, é a tecnologia que possibilita a transação entre eles.

Nesse ponto do livro, Jim explica mais sobre o Blockchain, os contratos inteligentes e as diferentes utilidades dos cripto ativos que vemos atualmente.

Dicas para quem quer investir em criptomoedas

Posso dizer, como leitor, que fiquei positivamente assustado com Jim. O autor previu a queda do bitcoin em seu livro. Acertou em cheio sobre os perigos das guerras cripto cambiais (vide DogeCoin) e de quebra entregou um manual cheio de informações e dicas para quem quer saber mais sobre os diferentes tipos desse ativo.

O livro é de 2018, mas parece que foi escrito amanhã. As informações sobre como funcionam as criptomoedas são bem atuais e as previsões assustadoramente mais ainda. Recomendo a leitura para quem quiser aprender sobre esse mercado com um especialista em investimentos.

O autor clareia sobre todos os cantos obscuros desse tipo de investimento. Explica o que são os ICOs, as DeFis, o Blockchain e tudo o que alguém precisa saber antes de sair investindo por conta própria. Mas é claro que eu não pretendo estragar a surpresa, para saber de todas as dicas desse livro incrível basta apenas seguir o meu conselho:

Caso tenha se interessado na obra, a Empiricus Books oferece essa e muitas outras em seu clube do livro. O clube é focado na sua construção de riquezas, e para isso seleciona livros exclusivos da área de finanças. Convido você a participar do clube de livros sobre finanças da Empiricus, clicando neste link.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DIA 38

Os bombeiros chegaram: ata do Copom e Alckmin tentam baixar a temperatura da relação entre Lula e Campos Neto

7 de fevereiro de 2023 - 20:42

Do outro lado, parlamentares do PSOL e do PT querem apresentar requerimento para convidar o presidente do BC a comparecer em uma audiência pública na Câmara para explicar as razões dos juros altos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Super Quarta fora de época, as melhores ações de atacarejo e o que pensa o Credit Suisse sobre o Nubank; confira os destaques do dia

7 de fevereiro de 2023 - 19:38

Não estamos na quarta-feira e nem houve decisão dupla de política monetária, mas o dia (07) foi marcado por uma inegável energia de Super Quarta. No Brasil e nos Estados Unidos só se falou sobre os juros e o que esperar do futuro.  Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, agradou Wall Street ao não dar […]

OI OU TCHAU?

Qual é o futuro da Oi (OIBR3)? CEO conta o que vai acontecer com a operadora após proteção judicial

7 de fevereiro de 2023 - 19:01

Rodrigo Abreu deu as explicações após os executivos da empresa saírem de reunião em Brasília com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)

Balanço 2022

Provisões contra calote da Americanas afetam lucro do Itaú, mas banco ainda registra recorde no ano

7 de fevereiro de 2023 - 18:36

Assim como o Santander, Itaú evitou se referir nominalmente à Americanas na divulgação de resultados e citou “evento subsequente”

MUNDIAL DE CLUBES

Além do Mundial: veja o que mais o Flamengo perdeu com papelão no Marrocos

7 de fevereiro de 2023 - 18:30

Para além da derrota em campo, o Flamengo deixou de ganhar uma soma expressiva ao não se classificar para a final do Mundial de Clubes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies