Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Segredos da bolsa: Tensão política e ata do Fed dão o tom da agenda enxuta, mas relevante - Seu Dinheiro
Menu
2020-08-16T13:39:35-03:00
Ricardo Gozzi
SD Premium

Segredos da bolsa: Tensão política e ata do Fed dão o tom da agenda enxuta, mas relevante

A tensão política em Brasília, a ata do Fed e a guerra comercial dão o tom de uma semana fraca em termos de volume na agenda de indicadores econômicos e balanços corporativos, mas que nem por isso deve ser relegada ao segundo plano

16 de agosto de 2020
20:01 - atualizado às 13:39
TENSAOCONTINUA

Nesses tempos de pandemia, o noticiário como um todo lembra muito os jogos do meu Corinthians nos últimos dois anos. Você sabe como começa e tem muito medo de como vai terminar. No mais das vezes dá certo, mas mesmo se ganha, quando se dá conta, você está muito, muito irritado mesmo.

A tensão política em Brasília, a ata com os detalhes da última reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (o banco central norte-americano) e a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China dão o tom de uma semana fraca em termos de volume na agenda de indicadores econômicos e balanços corporativos, mas que nem por isso deve ser relegada ao segundo plano.

O Ibovespa vem de uma semana pra lá de agitada. O principal índice do mercado brasileiro de ações interrompeu na sexta-feira uma sequência de três pregões seguidos em baixa. Mas a recuperação foi insuficiente para evitar uma queda de 1,38% no acumulado da semana.

Já o dólar, depois de intensa volatilidade no decorrer das últimas sessões, subiu 0,23% no acumulado da semana, chegando ao fim da tarde de sexta-feira cotado a R$ 5,4268.

Na prática, enquanto o cenário internacional puxou o dólar para baixo, as tensões locais pressionaram o real, descolando a moeda brasileira das movimentações observadas no restante do mercado de câmbio. E para a próxima semana há poucos indícios de mudança dos focos de pressão.

Alívio imediato – e ilusório

Depois de um aparente – e breve, e ilusório – arrefecimento, a tensão política em Brasília e a questão fiscal seguem mais vivas do que nunca no radar dos investidores. O ministro da Economia, Paulo Guedes, armou um furdúncio na semana passada ao acusar a ocorrência de uma “debandada” em sua equipe.

A ideia era puxar a brasa para sua sardinha e fazer com que o presidente Jair Bolsonaro apoiasse com mais vigor e clareza sua agenda ultraliberal. Se era um plano, deu mais errado do que certo. A começar pelo fato de o ministro ter perdido a companhia, dentro do governo, de defensores ardorosos de sua agenda.

Para ajudar #sqn, o Palácio do Planalto vem emitindo sinais pra lá de contraditórios. Uma hora, Bolsonaro diz que vai manter o teto de gastos e a disciplina fiscal. Na hora seguinte, dá sinais de que manterá os cofres escancarados. E no intervalo entre uma hora outra, apela ao “patriotismo” dos investidores. Tá bem, tá bem... Eu conto ou você conta?

É aqui que entra a mudança no comando do Banco do Brasil

Os papéis do Banco do Brasil começam a semana em destaque com a confirmação da indicação de André Brandão para assumir o cargo de presidente da instituição financeira.

Brandão substituirá Rubem Novaes, considerado uma das baixas sentidas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao denunciar a “debandada” de seus aliados na implementação de uma agenda ultraliberal no Brasil.

Ele entrou no Grupo HSBC desde 1999. No início da década de 2000, Brandão assumiu a diretoria de tesouraria. Posteriormente, chegou a diretor-executivo de tesouraria e antes de assumir o comando da unidade brasileira do banco, vendida para o Bradesco em 2016.

A nomeação de Brandão já era esperada por grande parte dos agentes do mercado financeiro. Ainda assim, cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

A comunicação formal foi encaminhada pelo Ministério da Economia na sexta-feira. Cabe agora ao BB dar sequência aos procedimentos de governança necessários à confirmação da elegibilidade do executivo para o cargo.

EUA x China: a não-notícia do fim de semana

O representante de comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, deveriam ter protagonizado uma teleconferência no sábado para revisar a implementação do primeiro estágio do precário pacto comercial alcançado entre Washington e Pequim no início do ano.

O sábado marcou o aniversário de seis meses do acordo e a reunião estava prevista havia um bom tempo pra dar aquela repassada básica no que andou ou deixou de andar. Mas no fim não rolou foi coisa nenhuma.

E nem foi por causa do distanciamento social, já que Liu e Lighthizer conversariam via teleconferência, dispensando a necessidade de uma longa e dispendiosa - e agora também arriscada - viagem.

Dizem que o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, também participaria do não-encontro virtual. Mas parece que anda meio complicado arrumar uma sala de reuniões em Washington pra conversar pela internet.

Fontes citadas pela agência Reuters disseram que o lado norte-americano adiou a reunião em cima da hora por “conflitos de agenda”. Fontes chinesas asseguraram não haver nenhum problema com o acordo.

O fato – ou não-fato – é que nenhuma nova data para a reunião foi divulgada até o momento.

E enquanto o primeiro estágio do acordo entre EUA e China segue na prateleira, os investidores podem aproveitar para revisar suas apostas em qual será, quando surgirá ou quem protagonizará o próximo acirramento da guerra comercial de Donald Trump contra os chineses.

Uma agenda enxuta, mas nem por isso desimportante

Passado o grosso do calendário de resultados trimestrais das grandes empresas listadas em bolsa, fica a impressão de que a agenda ficou pequena. Mas é melhor não nos iludirmos. A ausência de volume nas agendas de indicadores é compensada pela relevância de alguns dos dados a serem divulgados.

A semana nos mercados financeiros internacionais começa com os dados do PIB do Japão no segundo semestre, ainda na noite de domingo. Com isso, os mercados financeiros já começarão reagindo – para o bem ou para o mal – aos novos sinais do andamento da economia japonesa sob o impacto da pandemia do novo coronavírus, que já matou quase 800 mil pessoas em todo o mundo.

Ata do Fed é a cereja do bolo

A ata da reunião de política monetária do Fed realizada no fim de julho é a grande atração da semana entre os eventos internacionais.

No encontro realizado nos dias 28 e 29 de julho, o Fed manteve intacta a taxa de juros e sinalizou a continuidade dessa política por um período prolongado.

A expectativa é de que a ata traga informações um pouco mais detalhadas sobre como as autoridades estão interpretando o impacto da pandemia de covid-19 sobre a economia norte-americana.

Os analistas também buscam sinais de comentários sobre a possibilidade de a inflação ganhar força no curto prazo por causa das medidas de auxílio financeiro do governo.

A divulgação da ata, como de costume, ocorrerá às 15h (hora de Brasília) da quarta-feira.

No mesmo dia serão conhecidos os índices de preços ao consumidor no Reino Unido e na zona do euro em julho.

Também destacam-se os números semanais de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, previstos para a manhã de quinta-feira.

Enquanto isso, a Markit divulga entre a noite de quinta e a manhã de sexta-feira os índices dos gerentes de compra da Alemanha, dos Estados Unidos, do Reino Unido, do Japão e da zona do euro referentes a agosto.

No Brasil, onde ocorreram mais de 100 mil das quais quase 800 mil mortes por covid-19 confirmadas em todo o mundo até agora, a agenda de indicadores perde um pouco de vigor em relação às semanas anteriores, mas ainda assim traz novidades sobre a balança comercial, o fluxo cambial e outros sinais sobre a recuperação econômica em tempos de pandemia.

Veja quais são os indicadores que devem agitar a semana no Brasil

Segunda-feira: a semana começa com o boletim Focus e a atualização semanal dos dados da balança comercial;

Terça-feira: a Fipe divulga o IPC referente à segunda quadrissemana de agosto enquanto a FGV publica seu monitor do PIB e a segunda prévia do IGP-M;

Quarta-feira: o Banco Central divulga os números semanais de fluxo cambial;

Quinta-feira: o Tesouro realiza leilão tradicional de LTN e NTN-F enquanto a CNI divulga sua sondagem industrial referente a julho;

Sexta-feira: a FGV divulga os números de expectativa de inflação ao consumidor.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

Cheiro de pedalada e de drible no teto de gastos

Caro leitor, O governo bem que tentou se safar manejando o cobertor curto, mas pelo menos para o mercado financeiro, não colou. O anúncio do programa social Renda Cidadã nesta segunda-feira lançou um combo de preocupações nos investidores e atirou o Ibovespa na lama, totalmente na contramão do resto do mundo. O dólar, por sua vez, voltou […]

dinheiro à vista

CCR paga R$ 373,2 milhões em dividendos em 30 de outubro

Empresa pagará o correspondente a R$ 0,18477410142 por ação ordinária

Na contramão

Bolsa cai e dólar dispara depois de governo revelar como pretende financiar Renda Cidadã

Ibovespa abriu em alta, mas virou em meio à frustração dos investidores com o financiamento do programa que sucederá o Bolsa Família

em anúncio do renda cidadã

Guedes: Política dá o timing e desoneração está sendo estudada

No anúncio do novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, o Renda Cidadã, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”

oferta adiada

Cosan cancela IPO da subsidiária Compass com piores condições de mercado

Tempo fechado para IPO: Cosan cita deterioração de cenário para suspender oferta, que havia entrado em análise pela CVM em julho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu