Menu
2019-02-27T22:07:28-03:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
Frigorífico

Marfrig reverte prejuízo com dinheiro da venda da Keystone no bolso

A segunda maior produtora de carne bovina do mundo registrou um lucro líquido de R$ 1,4 bilhão no ano passado, com uma ajudinha do dólar

27 de fevereiro de 2019
22:00 - atualizado às 22:07
Frigorífico Marfrig JBS BRF carne
Imagem: Shutterstock

Ao receber o dinheiro da venda da Keystone no fim do ano passado, a Marfrig conseguiu colocar a casa em ordem e reverter o prejuízo que amargou ao longo do ano. Segundo maior produtor de carne bovina do mundo, a Marfrig anunciou hoje um lucro líquido de R$ 1,4 bilhão em 2018, resultado muito superior que o prejuízo de R$ 461 milhões registrado em 2017.

Segundo a companhia, o desempenho se explica pelo resultado recorde da operação na América do Norte e pelo impacto positivo da venda da Keystone. No quarto trimestre de 2018, o lucro líquido da Marfrig foi de R$ 2,2 bilhões, suficiente para reverter o prejuízo acumulado até o terceiro trimestre.

O resultado anual ficou muito acima das projeções dos analistas, que previam prejuízo de R$ 305,3 milhões em 2018, segundo a Bloomberg.

A venda da Keystone foi concretizada em 30 de novembro do ano passado, no valor total de US$ 2,4 bilhões. Tirando a dívida líquida da Keystone, a Marfrig recebeu US$ 1,4 bilhão pelo negócio. Com a entrada dos recursos, a Marfrig quitou o empréstimo ponte de US$ 900 milhões feito para comprar a National Beef.

Em 2018, a receita líquida da Marfrig (consolidada) foi de R$ 29,715 bilhões, alta anual de 193%, beneficiada pela alta do dólar e maior volume. O Ebitda ajustado (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 2,601 bilhões, alta de 229%.

Dívida caiu, conforme o esperado

Outra informação positiva do balanço foi a redução da alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda), que é sinal de saúde financeira. A empresa fechou o ano com alavancagem de 2,39 vezes, abaixo da meta de 2,5 vezes que havia sido definida pela empresa. Um ano antes, este índice era de 3,5 vezes.

No final do ano passado, a dívida bruta da empresa ficou em US$ 3,931 bilhões, uma redução de 19% em relação ao trimestre anterior devido à liquidação do empréstimo ponte. Em reais, a dívida bruta foi de R$ 15,233 bilhões. Foi justamente o impacto cambial sobre a dívida dolarizada que impactou os resultados da Marfrig ao longo do ano.

Santo dólar!

A alta do dólar ajudou a Marfrig, que tem 85,4% da sua receita dolarizada. A operação da empresa na América do Norte teve um aumento de 17,3%, para R$ 28,7 bilhões, refletindo a valorização da moeda do país de Donald Trump. Em dólares, o ganho de receita foi de 2,1% em relação ao ano anterior.

Já na América do Sul, a receita líquida avançou 26% para R$ 12,8 bilhões. Neste caso, o dólar também ajudou, contribuindo com uma fatia de R$ 847 milhões desta receita.

IPO nos EUA?

Além do balanço, outra notícia sobre a Marfrig chamou atenção nesta quarta-feira. Em entrevista à Bloomberg, o CEO da companhia, José Oliveira Miron, afirmou que a empresa pode considerar uma oferta de ações nos Estados Unidos para destravar valor e reduzir o custo do crédito.

Ele destacou que não existe ainda uma movimentação neste sentido, mas disse que a empresa está "aberta a boas soluções". Segundo Miron, as empresas brasileiras normalmente enfrentam custos mais altos de crédito e carregam mais caixa para mitigar riscos do que os rivais nos Estados Unidos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Bilionários

Com a disparada das ações da Tesla, Elon Musk já é mais rico que Warren Buffett

A boa fase da Tesla na bolsa fez a riqueza pessoal de Elon Musk disparar, colocando-o no sétimo lugar do ranking de bilionários da Bloomberg; Warren Buffet é o 10º

Seu mentor de investimentos

Expansão do mercado: crescer para os lados é a solução

Expansão do mercado deve ocorrer de maneira horizontal através de IPOs, o que evitará inevitáveis bolhas e seus respectivos crashes.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements