Menu
2019-10-14T14:10:36-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho nos números

Magazine Luiza, Rumo, Cosan, Eletrobras e Itaúsa: os balanços que vão movimentar os mercados nesta terça-feira

Pregão deve ser de digestão dos resultados divulgados pelas companhias de capital aberto

12 de agosto de 2019
20:15 - atualizado às 14:10
Magazine Luiza
Imagem: Divulgação

Depois da ressaca vivida na segunda-feira pelos resultados eleitorais da Argentina, o mercado deve ganhar novo combustível de volatilidade nesta terça-feira (13): os balanços do 2º trimestre de 2019.

E resultados importantes estão por aí! O pregão deve ser de digestão dos resultados divulgados por Magazine Luiza, Itaúsa, Cosan, Eletrobras e Rumo. Confira os principais números de cada companhia.

Magazine Luiza

Olha como ela vem! A queridinha do mercado provou mais uma vez porque é merecedora desse posto. Superando todas as estimativas, o Magazine Luiza registrou um lucro líquido de R$ 386,6 milhões no 2º trimestre de 2019. O número, que ficou muito acima dos R$ 110,7 milhões projetados pelos analistas, representa um expressivo aumento de 174,7% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. E não para por aí: a geração de caixa medida pelo Ebitda da companhia fechou o período em R$ 379,9 milhões, alta de 21,6% e acima dos R$ 294,2 milhões esperados.

  • Lucro líquido: R$ 386,6 milhões (↑174,7%)
  • Ebitda: R$ 379,9 milhões (↑21,6%)
  • Receita líquida: 

Itaúsa

A holding de investimentos do banco Itaú também trouxe resultados positivos no 2º trimestre. Com lucro líquido de R$ 2,43 bilhões, a Itaúsa viu seu faturamento aumentar 19% na comparação anual. Já o lucro líquido recorrente fechou em R$ 2,41 bilhões, alta de 11,2% ante o segundo trimestre de 2018. Destaque para o aumento das despesas, que passaram de R$ 23 milhões um ano antes para R$ 26 milhões agora, graças ao aumento da estrutura administrativa da empresa que envolveram projetos de fusões e aquisições e investimentos em tecnologia.

  • Lucro líquido: R$ 386,6 milhões (↑174,7%)
  • Ebitda: R$ 379,9 milhões (↑21,6%)

Rumo

A empresa de logística conseguiu reverter um prejuízo registrado no segundo período do ano passado e fechou o período deste ano com lucro líquido de R$ 185 milhões. O resultado ficou em linha com a projeção de analistas (R$ 173 milhões). A geração de caixa via Ebitda também veio dentro do esperado e fechou junho em R$ 924 milhões. Em documento de divulgação dos resultados, a Rumo apontou que o segundo trimestre foi "atípico" em termos de dinâmica de mercado, com o grande volume de milho transportado no período compensando o atraso no comércio da safra de soja.

  • Lucro líquido: R$ 185 milhões
  • Ebitda: R$ 924 milhões (↑1,9%)
  • Receita líquida: R$ 1,729 bilhão (↑3,9%)

Eletrobras

A Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 5,56 bilhões no segundo trimestre deste ano, avanço em relação ao ganho de R$ 1,3 bilhão do mesmo período de 2018. No período de abril a junho, a empresa teve receita de vendas de R$ 6,64 bilhões, frente à cifra de R$ 5,9 bilhões registrada no segundo trimestre do ano passado. A compra de energia para revenda custou R$ 466 milhões e os encargos para uso da rede elétrica, R$ 575 milhões.

Cosan

A Cosan registrou lucro líquido de R$ 418,3 milhões no segundo trimestre de 2019, revertendo prejuízo de R$ 64,3 milhões de igual período de 2018. O Ebitda da companhia somou R$ 1,409 bilhão, contra R$ 803 milhões no mesmo trimestre de 2018, alta de 75,5%. Já a dívida líquida cresceu 18,4% entre os períodos, para R$ 12,875 bilhões. Com isso, a alavancagem, medida pela relação dívida líquida/Ebitda, fechou em 30 de junho em 2,1 vezes, ante 1,8 vez em igual data do ano anterior.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Gestão na crise

Legacy vê “repressão financeira” com juro baixo e aposta em carteira global de ações

Felipe Guerra, sócio da gestora que possui R$ 14,5 bilhões em patrimônio, acredita em recuperação em “V” da crise e aponta o teto de gastos como “pau de circo” para sustentar juro baixo no país

SD Premium

Os segredos da bolsa: Brasília volta a mexer com o mercado de ações

Declarações recentes do ministro da Economia, Paulo Guedes, podem inspirar cautela entre os investidores e afetar uma categoria específica de ações na bolsa. O noticiário corporativo intenso também tende a fazer preço por aqui

Enfim uma oportunidade

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, faz primeira aquisição desde a explosão do coronavírus

Empresa adquire ativos de gás de companhia de energia americana por US$ 4 bilhões, além de assumir parte da sua dívida; desde o colapso dos mercados em março, a Berkshire apenas vendeu ativos, e vinha montada em caixa, no aguardo de boas oportunidades de compra

Um dos bilionários mais velhos

Aos 99 anos, Aloysio de Andrade Faria, o ‘banqueiro invisível’ ainda dá as cartas

Criador do Banco Real, Aloysio de Andrade Faria continua à frente de um império que inclui o banco Alfa e mais uma dezena de empresas.

Entrevista

O agronegócio não precisa das terras da Amazônia para se expandir, diz ministra da Agricultura

Em entrevista ao Estadão, Tereza Cristina diz ser “defensora intransigente de zerar o desmatamento ilegal”; sob escrutínio internacional, agronegócio corre risco de perder investimentos por questões ambientais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements