Menu
2019-11-13T13:00:37-03:00
balanço

No primeiro balanço após reestruturação, Kroton tem queda de mais de 60% no lucro

Atual Cogna teve um lucro de R$ 20 milhões, impactada por despesas financeiras por conta da dívida contraída para a aquisição da Somos, entre outras coisas

13 de novembro de 2019
11:30 - atualizado às 13:00
Sala de aula com alunos e professor Ânima Cogna Yduqs
Imagem: Shutterstock

No primeiro balanço após a reestruturação da Kroton - que, inclusive, mudou seu nome para Cogna - a empresa reportou uma queda no lucro, levando em conta diferentes critérios. Em resposta, as ações estão praticamente estáveis. Por volta das 11h, os papéis ordinários (COGN3) tinham leve queda, de 0,11%, sendo negociados a R$ 9,49. Acompanhe nossa cobertura de mercados. 

O resultado da companhia é divulgado logo após a Yduqs, que atua no mesmo setor, reportar um lucro de R$ 152,2 milhões - dentro do esperado por analistas - e suas ações sofrerem uma queda de 3,6%. Hoje, os papéis (YDUQ3) caem 0,11%.

No terceiro trimestre, a Cogna teve lucro líquido de R$ 20,723 milhões - queda de 94,04% na comparação com igual período do ano anterior. Mas na análise ajustada pela amortização de intangível e mais valia de estoque, lucro foi de R$ 135 milhões - uma queda de 62,2%.

Nesse critério, a margem líquida ajustada teria caído 19,7 pontos porcentuais, de 28,6% para 8,9%. Na receita líquida, a Kroton teve avanço de 21,3% no terceiro trimestre, chegando a R$ 1,516 bilhão.

Entre os fatores que levaram a esse desempenho, a Kroton cita o maior volume de despesas financeiras por conta da dívida contraída para a aquisição da Somos, além do aumento dos níveis de depreciação e amortização devido à norma contábil IFRS 16, que entrou em vigor em janeiro deste ano.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) também apresentou queda no período, passando de R$ 571,2 milhões para R$ 511,5 milhões, recuo de 10,5%. A margem Ebitda caiu 12 pontos porcentuais, para 33,7%.

Programa nacional do livro

A empresa também atribui o resultado a um menor resultado operacional decorrente de pressões de base verificadas no Ensino Superior e à diferente sazonalidade do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) no Ensino Básico.

De acordo com a Kroton, a menor rentabilidade no trimestre é consequência do maior nível de provisionamento para suportar os produtos de parcelamento da instituição e também da diferente sazonalidade do PNLD. A empresa menciona ainda um aumento de despesas de marketing e das referentes a novas unidades e maturação de cursos no Ensino Superior.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 246,0 milhões, piora de 12,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Segundo a Kroton, o resultado vem na esteira do ocorrido no primeiro semestre, e reflete os encargos financeiros referentes à dívida contraída para fazer frente ao pagamento da Somos, além do impacto da adoção do IFRS16.

"Como consequência do aumento do endividamento e do passivo gerado pela nova regra contábil, observa-se um impacto direto na linha de juros sobre empréstimos e arrendamento, elevando consideravelmente o montante de despesa financeira da companhia", diz a empresa.

Mudanças

No mês passado, a Kroton anunciou uma reestruturação e uma troca nome para Cogna. “Kroton” passou a responder exclusivamente pelo segmento de graduação no ensino superior no B2C.

Em outra frente, a Platos atua no mercado B2B do ensino superior, trabalhando com uma plataforma física e digital, serviços e produtos para diferentes instituições de ensino.

Já a Saber é para operação B2C na educação básica, que inclui todas as 54 escolas próprias ou com contratos de gestão, além de englobar também a operação que presta serviços para a educação básica pública. A Saber possui 1% de participação de mercado na gestão de escolas privadas.

A Vasta é para B2B na educação básica, que inclui a plataforma de serviços para as escolas. Essa frente tem como marca de relacionamento com seus clientes a Somos Educação, empresa que conta com um faturamento superior a R$ 800 milhões por ano.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Disputa com a Stone

Linx se recusa a assinar protocolo de oferta da Totvs, que sobe tom contra conselheiros da empresa

Totvs ainda não desistiu do negócio, mas disse que os conselheiros independentes da Linx trataram a oferta da companhia de forma desigual em relação à proposta feita pela Stone

seu dinheiro na sua noite

A segunda onda (e o primeiro teste)?

A bolsa brasileira ganhou 1 milhão de pessoas físicas nos últimos seis meses. São novos investidores que praticamente não sabem o que é perder dinheiro na renda variável. O Ibovespa registrou uma alta de respeitáveis 40% entre março — o epicentro do terremoto nos mercados provocado pela crise do coronavírus — e agosto. O ganho […]

abertura de capital

Bradesco planeja IPO da Ágora e corretora deve se separar do banco até o fim do ano

Analistas do Goldman Sachs tiveram conferência com os diretores do Bradesco, Leandro Miranda e Carlos Firetti. O plano é realizar o IPO depois de a Ágora conquistar o segundo lugar do setor em termos de participação de mercado — o que é previsto para acontecer dentro de 4 ou 5 anos

Tenebrosas transações

Ibovespa fecha em queda e dólar sobe com escândalo envolvendo bancos da Europa e dos EUA

Aumento de casos de covid-19 na Europa e morte de juíza federal norte-americana constituíram ingredientes adicionais à forte aversão ao risco nos mercados globais

INDO PARA A BOLSA

CSN autoriza IPO da parte de mineração e atualiza projeções

CSN decidiu pelo IPO da unidade de mineração “à luz das condições favoráveis e perspectivas positivas do mercado de minério de ferro”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements