Menu
2019-11-13T13:00:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
balanço

No primeiro balanço após reestruturação, Kroton tem queda de mais de 60% no lucro

Atual Cogna teve um lucro de R$ 20 milhões, impactada por despesas financeiras por conta da dívida contraída para a aquisição da Somos, entre outras coisas

13 de novembro de 2019
11:30 - atualizado às 13:00
Sala de aula com alunos e professor Ânima Cogna Yduqs
Imagem: Shutterstock

No primeiro balanço após a reestruturação da Kroton - que, inclusive, mudou seu nome para Cogna - a empresa reportou uma queda no lucro, levando em conta diferentes critérios. Em resposta, as ações estão praticamente estáveis. Por volta das 11h, os papéis ordinários (COGN3) tinham leve queda, de 0,11%, sendo negociados a R$ 9,49. Acompanhe nossa cobertura de mercados. 

O resultado da companhia é divulgado logo após a Yduqs, que atua no mesmo setor, reportar um lucro de R$ 152,2 milhões - dentro do esperado por analistas - e suas ações sofrerem uma queda de 3,6%. Hoje, os papéis (YDUQ3) caem 0,11%.

No terceiro trimestre, a Cogna teve lucro líquido de R$ 20,723 milhões - queda de 94,04% na comparação com igual período do ano anterior. Mas na análise ajustada pela amortização de intangível e mais valia de estoque, lucro foi de R$ 135 milhões - uma queda de 62,2%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nesse critério, a margem líquida ajustada teria caído 19,7 pontos porcentuais, de 28,6% para 8,9%. Na receita líquida, a Kroton teve avanço de 21,3% no terceiro trimestre, chegando a R$ 1,516 bilhão.

Entre os fatores que levaram a esse desempenho, a Kroton cita o maior volume de despesas financeiras por conta da dívida contraída para a aquisição da Somos, além do aumento dos níveis de depreciação e amortização devido à norma contábil IFRS 16, que entrou em vigor em janeiro deste ano.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) também apresentou queda no período, passando de R$ 571,2 milhões para R$ 511,5 milhões, recuo de 10,5%. A margem Ebitda caiu 12 pontos porcentuais, para 33,7%.

Programa nacional do livro

A empresa também atribui o resultado a um menor resultado operacional decorrente de pressões de base verificadas no Ensino Superior e à diferente sazonalidade do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) no Ensino Básico.

De acordo com a Kroton, a menor rentabilidade no trimestre é consequência do maior nível de provisionamento para suportar os produtos de parcelamento da instituição e também da diferente sazonalidade do PNLD. A empresa menciona ainda um aumento de despesas de marketing e das referentes a novas unidades e maturação de cursos no Ensino Superior.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 246,0 milhões, piora de 12,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Segundo a Kroton, o resultado vem na esteira do ocorrido no primeiro semestre, e reflete os encargos financeiros referentes à dívida contraída para fazer frente ao pagamento da Somos, além do impacto da adoção do IFRS16.

"Como consequência do aumento do endividamento e do passivo gerado pela nova regra contábil, observa-se um impacto direto na linha de juros sobre empréstimos e arrendamento, elevando consideravelmente o montante de despesa financeira da companhia", diz a empresa.

Mudanças

No mês passado, a Kroton anunciou uma reestruturação e uma troca nome para Cogna. “Kroton” passou a responder exclusivamente pelo segmento de graduação no ensino superior no B2C.

Em outra frente, a Platos atua no mercado B2B do ensino superior, trabalhando com uma plataforma física e digital, serviços e produtos para diferentes instituições de ensino.

Já a Saber é para operação B2C na educação básica, que inclui todas as 54 escolas próprias ou com contratos de gestão, além de englobar também a operação que presta serviços para a educação básica pública. A Saber possui 1% de participação de mercado na gestão de escolas privadas.

A Vasta é para B2B na educação básica, que inclui a plataforma de serviços para as escolas. Essa frente tem como marca de relacionamento com seus clientes a Somos Educação, empresa que conta com um faturamento superior a R$ 800 milhões por ano.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

primeira avaliação

Quão longe a XP pode ir? Para o BTG, ação da corretora já está bem precificada

BTG Pactual inicia cobertura das ações da corretora com recomendação neutra para os papéis.

DE OLHO NA REFORMA

Reforma administrativa quer acabar com promoções por tempo de serviço

O governo vai propor ainda a vedação das aposentadorias como forma de punição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements