Menu
2019-12-11T18:06:01-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Fim dos cortes?

Fed mantém juros dos EUA entre 1,50% e 1,75% e sinaliza estabilidade nas taxas em 2020

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa básica de juros do país inalterada, afirmando ver condições favoráveis no mercado de trabalho e expansão econômica moderada

11 de dezembro de 2019
16:09 - atualizado às 18:06
Jerome Powell, presidente do Fed
Confirmando as projeções de analistas, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) manteve a taxa de juros do país inalterada, na faixa de 1,50% a 1,75% ao anoImagem: Federal Reserve

O ciclo de corte de juros nos EUA foi interrompido. Após três reduções consecutivas de 0,25 ponto, O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa básica inalterada na faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano. A decisão foi unânime.

A medida era amplamente esperada pelo mercado, dados os recentes sinais de aquecimento da economia americana e o cenário ainda nebuloso no front da guerra comercial. Tanto é que as bolsas de Nova York reagiram timidamente: pouco depois do anúncio, o Dow Jones (-0,01%) o S&P 500 (+0,22%) e o Nasdaq (+0,35%) mantinham comportamento semelhante ao visto no restante no dia.

No Brasil, os ativos também não sofreram grandes oscilações: o Ibovespa permanece flutuando ao redor da estabilidade, aos 110.659,56 pontos (-0,01%), e o dólar à vista recua 0,44%, a R$ 4,1305. Confira aqui nossa cobertura completa dos mercados nesta quarta-feira (11).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A principal informação a ser colhida do comunicado do Fed vem do chamado "dot plot", um diagrama que indica as visões dos membros da instituição para o futuro. E, para 2020, há uma convergência entre os integrantes do BC americano: todos eles veem a taxa de juros no nível atual no ano que vem.

Fed dot plot 11-12

No comunicado apresentado com a decisão, o Fed diz enxergar um mercado de trabalho forte no país, com a atividade econômica avançando num ritmo moderado. "O comitê julga que a atual posição de política monetária é apropriada para dar suporte à expansão da atividade econômica, à manutenção das condições firmes de mercado de trabalho e à permanência da inflação ao redor da meta", diz a instituição.

Assim como no passado recente, o BC americano diz que continuará monitorando o dados econômicos e as perspectivas para a atividade no país para definir seus próximos passos, sem se comprometer com ações futuras de política monetária.

Powell mantém o discurso

Em coletiva de imprensa, o presidente do Fed, Jerome Powell, mostrou-se alinhado à mensagem transmitida pela instituição no comunicado. Entre outros pontos, o executivo disse que prefere deixar a inflação subir num ritmo consistente antes de pensar em uma nova alta nas taxas.

Mas é claro que o presidente do BC americano não descartou uma possível mudança no plano de voo, caso as condições mostrem-se necessárias. Em sua fala, Powell também disse que essa relutância em aumentar os juros não é imutável — tudo depende dos riscos e desenvolvimentos econômicos no futuro.

Ainda hoje, depois do fechamento dos mercados, é a vez do Copom reportar a nova taxa Selic do Brasil.

*Com agências internacionais

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

TIRE SUAS DÚVIDAS

Qual é a REAL sobre a aposentadoria aos 40 anos?

O Seu Dinheiro lançou nesta semana um projeto para acelerar a sua aposentadoria. Recebi diversos e-mails de leitores com dúvidas sobre o projeto. Aqui está tudo que você precisa saber.

NOVO IMPOSTO NO RADAR

Paulo Guedes está de olho em criar “imposto do pecado” sobre bebidas, cigarros e açúcar

Tal medida poderia impactar no futuro ações de empresas de bebidas como Ambev, além de sucroenergéticas, como São Martinho, Biosev e Cosan

POLÍTICOS NA MIRA

BC aperta cerco contra políticos e familiares envolvidos em transações suspeitas

Atualmente, políticos como deputados federais, senadores e ministros já são considerados politicamente expostos, assim como seus parentes de primeiro grau

NADA DE VÍRUS POR AQUI

Ministério da Saúde afasta suspeita de casos de coronavírus no Brasil

Segundo o secretário, o Brasil está preparado para lidar com uma eventual epidemia da doença

Olho na Linx

Credit Suisse mantém recomendação de compra para Linx, mas reduz preço-alvo para ações; papéis caem forte

Em relatório divulgado hoje (23), os analistas Daniel Federle, Felipe Cheng e Juan Pablo Alba disseram que o corte tem a ver com as estimativas mais baixas para o volume de compras (TPV) dentro do Linx Pay e com a taxa que é cobrada pelo uso do sistema de pagamentos, que é conhecida como MDR

DE OLHO NA CORRUPÇÃO

Brasil piora no ranking de corrupção

O índice é calculado com base nos níveis percebidos de corrupção no setor público por especialistas e empresários – quanto menor a nota maior é a percepção de corrupção no país

ficou para depois

Odebrecht adia assembleia de credores para aprovar plano de recuperação judicial

BNDES exige que o grupo abra mão do controle da Atvos, empresa de açúcar e etanol, para aprovar o plano; instituição é a maior credor entre os bancos públicos

conversa vai avançar

União Europeia visita EUA em fevereiro para negociar acordo, diz presidente do BCE

Trump chegou a ameaçar tarifar carros e outros produtos da UE se os dois lados não conseguirem fechar um novo acordo

na agenda americana

EUA começaram a trabalhar no corte de impostos ‘2.0’, diz secretário

Casa Branca planeja implementar um segundo corte de impostos para a classe média e “outros incentivos” para impulsionar o crescimento da economia

dados da receita

Arrecadação federal de impostos em 2019 é a maior em cinco anos

Crescimento é explicado pelo comportamento dos principais indicadores macroeconômicos, especialmente os relacionados com o consumo, produção industrial e importações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements