Menu
2019-08-20T14:59:46-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
um passo atrás

‘Não quero submeter meu filho ao fracasso’, diz Bolsonaro sobre Embaixada

Presidente admitiu a possibilidade de desistir da nomeação de seu filho, após “guerra de pareceres” no Senado

20 de agosto de 2019
14:59
Presidente da República Jair Bolsonaro
Sobre o parecer contrário no Senado, Bolsonaro disse que as consultorias agem de acordo com o interesse do parlamentar. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro admitiu a possibilidade de desistir da nomeação de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para a Embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos.

"Eu não quero submeter o meu filho a um fracasso. Eu acho que ele tem competência. Mas tudo pode acontecer, prezado companheiro", afirmou a um jornalista ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta terça-feira, 20.

A indicação de Eduardo criou uma "guerra de pareceres" no Senado. Após a divulgação de um documento elaborado pela consultoria legislativa da Casa que aponta nepotismo na possível nomeação, outro parecer, também de consultores, afirma o contrário.

Sobre o parecer contrário, Bolsonaro disse que as consultorias agem de acordo com o interesse do parlamentar. "O que vale para mim é a súmula do Supremo [Tribunal Federal] que diz que não é nepotismo", afirmou.

Senado manda recado

Para o cientista político, professor e pesquisador da FGV Marco Antônio Carvalho Teixeira, a declaração de Bolsonaro é um reflexo da resistência de parte do Senado Federal à vontade pessoal do mandatário. "O Senado manda um recado de que não será um mero carimbador das vontades do presidente da República", avalia.

Carvalho Teixeira destaca que pode ter pesado na atual resistência de parte dos senadores, as recentes críticas à possibilidade do kirchnerismo voltar ao poder na Argentina e à suspensão de repasses da Alemanha e Noruega ao Fundo Amazônia.

"Não se pode lidar com esse padrão beligerante nas questões externas, tanto que a palavra chave para isso é diplomacia, que se fia na arte da negociação", emenda.

Carvalho Teixeira acredita que a soma desses fatores, aliado ao fato da divulgação pela imprensa do suposto acerto feito entre Bolsonaro e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) para a indicação de dois nomes para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), também contribuíram para aumentar as resistências ao nome de Eduardo Bolsonaro.

Segundo o professor da FGV, caso a resistência se confirme e o nome de Eduardo não passe pela Casa, ou nem seja indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, isso evidenciará a postura frágil do mandatário, que não conseguirá jogar a favor de seus próprios interesses.

"Será um nocaute para o próprio governo e para Bolsonaro. E se confirmar, creio que ele não terá forças para cumprir o que havia prometido (e depois voltou atrás) de indicar Eduardo para ser o novo chanceler, no lugar de Ernesto Araújo no Itamaraty."

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Corrida espacial

Elon Musk quer levar humanos para Marte até 2026

A empresa aeroespacial do bilionário, SpaceX, pretende criar uma cidade no planeta nos próximos 10 anos; ações da Tesla podem se beneficiar

Recuou!

Captação da poupança cai pela 1ª vez desde janeiro

Apesar do recuo, a poupança acumula entrada líquida de R$ 145,71 bilhões de janeiro a novembro – melhor desempenho para o período

Retrospectiva da semana

Coquetel anticrise: vacina e dinheiro na veia

Na onda das boas notícias, Ibovespa fechou a sexta-feira, 4, perto das máximas

Pandemia

Covid-19: Bolsonaro diz que governo não terá como socorrer os necessitados se ‘fechar tudo de novo’

Presidente avalia que o país não tem mais condições de se endividar

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies