Menu
2019-04-05T14:22:23-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reforma da Previdência

Cadê o Paulo Guedes? O posto Ipiranga sumiu do mapa

Ministro da Economia não deu uma palavra no dia mais relevante de sua gestão até o momento

15 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 14:22
mca_abr_0611186829
Ministro da Economista Paulo Guedes. - Imagem: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Depois de 45 dias de mandato e mais de três meses após a eleição, o governo Jair Bolsonaro tomou a decisão mais importante do governo. Fechou o texto base da reforma da Previdência, medida de “salvação nacional”, e onde estava o ministro da Economia, Paulo Guedes?

O homem mais importante no núcleo econômico do governo, que veio para dar um choque liberal em uma economia de bases arcaicas, não deu uma palavra sobre o tema, não emitiu uma nota oficial. Escapou dos jornalistas no Palácio da Alvorada, Procuradoria-Geral da República e Ministério da Economia e embarcou, em silêncio, para o Rio de Janeiro.

Depois de uma reunião no Alvorada, o escalado para dar uma palinha da reforma, depois de vazamentos e falsas “batidas de martelo”, foi o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho. Que com sua calma habitual contornou a ansiedade dos repórteres, que insistentemente perguntavam da idade mínima, para dizer o pouco que foi autorizado a dizer.

Não que a figura do secretário não seja relevante, mas tendo em vista a montanha de expectativas que rondavam o tema e a importância vital dessa reforma, seria de bom tom que Paulo Guedes desse a “boa nova”.

Aliás, Guedes ainda não concedeu nenhuma entrevista coletiva desde que passou a comandar o Ministério da Economia, maior estrutura da Esplanada dos Ministérios, com a fusão de Fazenda, Planejamento, Industria e Comércio e outros órgãos.

A batalha da comunicação

Tenho insistido que até mais importante que conquistar votos no Congresso, ou se serão 62 anos para mulheres ou 65 anos para homens, é ganhar a “batalha da comunicação”. É não deixar que corporações públicas e outros atores se organizem e façam “memes”, vídeos e campanhas usando a figura do pobre como escudo contra a perda de privilégios e "direitos adquiridos".

Ao menos não estou sozinho nisso, em entrevista ao “Estadão”, o ex-ministro Nelson Jobim afirmou que o verdadeiro foco de resistência à reforma está nas corporações do serviço público, como o Judiciário e o Ministério Público. Aliás, já vimos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) falando em limite às reformas.

Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parecem ter bastante ciência disso, pois já fizeram duras críticas às corporações e às “fake news” sobre o tema. Mas perderam uma grande oportunidade de explicar de forma clara para a população o que se pretende com esse 62/65 e 12 anos de transição.

Usando um termo de mercado, Guedes perdeu a chance de se "alavancar" com custo zero nessa batalha que tem de ser travada diuturnamente, pois teria todos os holofotes sobre ele e suas boas frases e comparações.

Mas enfim, no lado prático da coisa a primeira leitura do mercado foi bastante positiva, com o Ibovespa disparando minutos depois do anúncio para fechar ao redor das máximas do dia, acima dos 98 mil pontos.

As questões em aberto são muitas e até o dia 20 certamente teremos “vazamentos”, “balões de ensaio”, notícias de que essas idades não passam “nem a pau” no Congresso e todo tipo de ruído que informações incompletas podem gerar. O caminho será tortuoso com reflexo imediato nas cotações dos ativos financeiros.

Enquanto isso, ficamos no aguardo de Paulo Guedes e não dá nem para usar o famoso bordão “pergunta lá no posto Ipiranga”, porque ele é o referido posto.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

crise de saúde

Brasil tem 28.834 mortes por covid-19

Foram incluídas nas estatísticas 33.274 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, somando 498.440 casos confirmados

conflito entre poderes

‘Tudo aponta para uma crise’, diz Bolsonaro sobre decisões do STF e e TSE

Decisões recentes de Cortes miram a família, aliados e a sua campanha presidencial em 2018

dados da anp

403 estão contaminados pelo coronavírus em unidades de produção de petróleo

ANP reiterou o registro de uma morte de funcionário de uma embarcação de apoio à produção que desembarcou no dia 24 de abril

crise política

PF quer ouvir Bolsonaro no inquérito sobre interferências na corporação

Como presidente, Bolsonaro pode optar pelo depoimento por escrito

situação crítica

Acordo fixa prazo de 20 dias para análise de pedidos de auxílio de R$ 600

Em redes sociais, usuários chegam a relatar espera superior a 40 dias para receber uma resposta da solicitação

conflito entre poderes

Maia diz que Bolsonaro ‘desorganiza e gera insegurança’

Na última quinta-feira, 28, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), se reuniu com Bolsonaro para pedir a pacificação entre os Poderes. Maia decidiu não acompanhar o colega na visita

sem reabertura agora

Prefeitura de São Paulo prorroga quarentena até 15 de junho

De acordo com Covas, não haverá nenhum tipo de mudança na autorização de funcionamento dos setores que atualmente estão proibidos de abrir à população.

diante da crise

Abrindo a economia agora, vamos ter de fechar de novo, diz ex-presidente do BC

Affonso Celso Pastore disse que vê como prematura a reabertura antes do início do achatamento da curva de mortes pela Covid-19; estados anunciaram nos últimos dias a flexibilização

histórico

SpaceX, do bilionário Elon Musk, lança astronautas da Nasa pela primeira vez; veja vídeo

Neste sábado, às 16h22 (pelo horário de Brasília), foguete da empresa decolou, marcando mais um avanço do setor privado sobre a exploração espacial

efeito coronavírus

Latam tem prejuízo de US$ 2,1 bilhões no primeiro trimestre

Segundo explica a companhia em suas demonstrações financeiras, o principal fator responsável pelo resultado final foi um ajuste contábil (impairment) de US$ 1,729 bilhão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements