Menu
2019-06-02T14:17:41-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
pra quem tem coragem!

Qual é o investimento necessário para subir o Everest?

Números comprovam que subir o monte Everest não é tarefa fácil; pesar de 5 mil pessoas terem alcançado os 8.848 metros de altitude da escalada, outras 300 morreram – 11 delas neste ano

2 de junho de 2019
12:49 - atualizado às 14:17
shutterstock_773059939
Imagem: Shutterstock

Os números comprovam que subir o monte Everest não é tarefa fácil. Apesar de 5 mil pessoas já terem alcançado os 8.848 metros de altitude da escalada, outras 300 morreram - 11 delas neste ano.

Entre as razões do fracasso estão o clima, avalanches, tempestades, mas também erros de planejamento, que podem resultar, por exemplo, na falta de oxigênio.

Para minimizar os riscos, são necessários, em média, três anos de preparação e investimento de R$ 270 mil - incluindo R$ 45 mil entre cursos e testes práticos em locais de menor exigência técnica e R$ 40 mil de equipamento. Esse são números levantados por especialistas ouvidos pelo jornal O Estado de São Paulo.

Segundo a reportagem, a jornada até o Everest propriamente dita dura cerca de 50 dias e não sai por menos de R$ 185 mil, já incluindo o transporte até o Nepal, a taxa de R$ 43 mil (US$ 11 mil) paga ao governo para obter a permissão de escalada, a logística necessária nos acampamentos de apoio e a companhia de um guia local.

Congestionamento

Uma foto com centenas de alpinistas enfileirados na chamada “Zona da Morte” do Everest, congestionados a mais de 8 mil metros de altitude, chamou recentemente atenção para os riscos em uma jornada altamente perigosa.

Carlos Santalena, que já subiu três vezes até o topo, diz que a situação é reflexo do controle de quem é autorizado a escalar o Everest que, segundo ele, fica mais a cargo das agências de turismo do que do governo do Nepal.

Para ele, dificilmente a situação será alterada pelo governo do Nepal - de onde parte a maioria das expedições - em razão do prejuízo que a restrição causaria.

De acordo com o New York Times, considerando todos os aspectos econômicos envolvidos, a escalada do Everest proporciona US$ 300 milhões por ano em receitas ao país, que é um dos mais pobres do mundo.

“Falta ao Nepal impor um crivo e não permitir que qualquer pessoa que pague possa escalar o Everest, além de ser ativo na decisão sobre as datas que cada agência deve ter para levar as pessoas ao topo, com base nas informações climáticas”, diz.

Entre outras mudanças que Santalena cita como positivas estão a implementação de um limite de permissões por temporada, com sorteio, se houver mais interessados, além da exigência de comprovação de escalada em outras montanhas com mais de 8 mil metros.

A Associação de Montanhismo do Nepal também defende que o governo fiscalize se os montanhistas cumprem pré-requisitos antes de receberem a permissão de escalada. “O governo deve criar políticas rígidas para impedir que alpinistas inexperientes tentem escalar o Everest”, afirmou ao NYT Santa Bir Lama, presidente da entidade.

Lama também acusa as agências que oferecem pacotes de estarem mais preocupadas com o lucro do que em garantir que as regras de segurança sejam cumpridas e cobra que o governo passe a emitir as autorizações com meses de antecedência - e não dias, como ocorre hoje -, para que os montanhistas tenham tempo de se preparar.

Na quarta-feira, porém, durante evento para celebrar a primeira escalada ao topo do Everest, funcionários nepaleses disseram não haver nenhum plano para limitar as escaladas. Segundo Gokul Prasad Baskota, ministro da Comunicação, o congestionamento não é causado pelo excesso de permissões, mas sim em razão da falta de treinamento de alguns montanhistas.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Controle do orçamento

Líderes do Senado querem tirar Bolsa Família do teto

Os senadores pegaram carona na ideia e concordaram em ampliar a sugestão para tirar o Bolsa Família do teto de gastos

apesar de pandemia

PIB vem melhor que o esperado pelos economistas, subindo 3,2% no 4º tri e caindo 4,1% em 2020

Apesar de ter vindo acima do projetado, PIB de 2020 representa o pior desempenho da série histórica, iniciada em 1996

O melhor do Seu Dinheiro

E hoje ainda é dia de PIB

Os livros de história que contarem como a economia brasileira atravessou a crise provocada pela pandemia da covid-19 obrigatoriamente vão registrar o número que será divulgado logo mais às 9 horas pelo IBGE. Seja qual for o resultado, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020 será de fato histórico. A expectativa do mercado […]

alerta

Lockdown maior do que esperado pode gerar 1º semestre um pouco pior, diz presidente do BC

Com a vacina, o segundo semestre deverá registar uma taxa de crescimento econômico melhor, disse Roberto Campos Neto

Esquenta dos Mercados

Destaques do dia incluem saída de conselheiros da Petrobras, votação de PEC emergencial e dados do PIB

Como se não bastasse, a divulgação de dados da economia norte-americana deve influenciar na cautela da bolsa de hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies