Menu
2019-04-04T11:27:05-03:00
Estadão Conteúdo
Desempenho positivo

Indicador de investimentos do Ipea sobe 0,4% em fevereiro

Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) saltou 10,1% em relação a fevereiro do ano passado. O crescimento acumulado em doze meses alcançou 5,2%.

4 de abril de 2019
11:27
Investimentos
Investimentos - Imagem: Mind and I/Shutterstock

Os investimentos na economia voltaram a crescer em fevereiro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no Produto Interno Bruto - PIB) avançou 0,4% em relação a janeiro, na série com ajuste sazonal. O resultado sucede um crescimento de 2,1% obtido no mês anterior, quando a FBCF foi impulsionada pelas operações de comércio exterior envolvendo plataformas de petróleo.

O desempenho positivo do primeiro bimestre de 2019 já dá uma contribuição estatística para a FBCF de 2,2% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre de 2018, mesmo que o indicador de março fique estagnado.

"Se não houver crescimento em março, os investimentos terão crescido 2,2% no primeiro trimestre", disse José Ronaldo de Castro Souza Júnior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea .

Na comparação entre o trimestre terminado em fevereiro de 2019 e o trimestre terminado em novembro de 2018, os investimentos subiram 1,1%.

No mês de fevereiro, o indicador de FBCF saltou 10,1% em relação a fevereiro do ano passado. O crescimento acumulado em doze meses alcançou 5,2%.

Na passagem de janeiro para fevereiro, o consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came) - que corresponde à produção doméstica, mas excluídas as exportações e somadas as importações - teve crescimento de 2,9%, puxando a média global do indicador de FBCF no período. Enquanto a produção interna de bens de capital líquida de exportações avançou 43,5%, a importação de bens de capital encolheu 47,1%.

"Parte da volatilidade observada em fevereiro pode ser explicada pelos efeitos das operações de comércio exterior envolvendo plataformas de petróleo ocorridas no mês anterior, que provocaram fortes oscilações nas exportações e importações de máquinas e equipamentos", justificou o Ipea, em nota oficial.

Por outro lado, o componente da construção civil recuou 1,2% em fevereiro ante janeiro. Já o componente da FBCF classificado como outros ativos fixos - que inclui investimentos em pesquisa e desenvolvimento, por exemplo - caiu 0,6% na passagem de janeiro para fevereiro.

Na comparação com fevereiro de 2018, o consumo aparente de máquinas e equipamentos cresceu 17,5% em fevereiro de 2019. A construção civil teve uma perda de 0,8%, e o componente outros ativos fixos registrou expansão de 3,7%.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil anuncia percentual do lucro que vai pagar em dividendos em 2020 e 2021

Banco pretende distribuir 35,29% do lucro líquido do ano de 2020 aos acionistas e 40% do resultado deste ano

Seu Dinheiro na sua manhã

Pendurados em São Pedro

O desempenho pífio da economia brasileira nesta última década, quem diria, pode ter nos livrado de um grande problema: um novo racionamento de energia. A ameaça vem desde 2013, quando o país passou a consumir um volume muito grande de energia das hidrelétricas, o que derrubou o nível dos reservatórios — mais uma herança do […]

Pré-mercado

Em dia de feriado na B3, bolsas internacionais reagem a notícias sobre covid-19 e balanços

Semana nas bolsas será marcada pela divulgação dos balanços dos pesos pesadíssimos da tecnologia Microsoft, Apple, Facebook, Tesla e Amazon

Mais uma baixa

Wilson Ferreira Junior vai deixar a presidência da Eletrobras

A saída do presidente da Eletrobras enfraquece ainda mais a ala liberal do governo Bolsonaro e deve jogar ainda mais terra no plano de privatização da companhia

Entrevista

Como blindar a Petrobras do populismo com o preço dos combustíveis? Para Adriano Pires, a solução está na venda das refinarias

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) também defende o uso do gás do pré-sal para afastar o risco de um novo racionamento de energia no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies