Menu
2019-10-14T14:09:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sai orelhão, entra Netflix

A inflação oficial vai mudar e a culpa é do seu jeito de consumir

O jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido, e isso fez com que o IBGE mudasse todo o seu esquema de levantamento do IPCA

12 de outubro de 2019
5:59 - atualizado às 14:09
inflação
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As compras no supermercado, o transporte para ir e voltar do trabalho ou até mesmo o cineminha do sábado a noite. Muitas vezes pode não parecer, mas esses hábitos do dia-a-dia mexem com a economia brasileira e com um de seus principais indicadores: a inflação.

Acontece que o jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido - e isso demanda respostas rápidas também. Foi justamente por conta desse tema que, a partir de janeiro de 2020, a conta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), vai ser um pouco diferente.

Na lista de itens avaliados pelo instituto, saem aqueles cujo peso dentro do orçamento familiar ficou menor, como os finados aparelhos de DVD e as máquinas fotográficas. Por outro lado, itens como transporte por aplicativos e serviços de streaming, que ganharam grande importância nos últimos anos, passaram a fazer parte do cálculo.

Na nova composição, erão 377 produtos e serviços, seis a menos do que o modelo atual de pesquisa. No total, o IPCA terá 56 novos subitens. Ou seja, 62 itens foram substituídos ou retirados da lista.

A nova lista de componentes do IPCA surgiu a partir dos dados coletados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018. Depois de dez anos sem levantamentos, a POF revelou uma profunda mudança nos hábitos dos brasileiros, que deixaram, por exemplo, de fazer ligações pelos orelhões e passaram a utilizar as chamadas de voz e vídeo do WhatsApp.

Confira o entra e sai do IPCA:

Composição da inflação

Precisamos falar sobre pesos

Se hoje em dia o brasileiro quando pensa em inflação olha para as prateleiras dos supermercados, em 2020 olhará para os pontos de ônibus e aplicativos de mobilidade. Isso porque o peso do setor de transportes no IPCA passará a ser o maior entre os demais, superando a histórica contribuição majoritária do segmento de Alimentação e Bebidas.

Em termos numéricos, o peso do grupo Transportes vai passar dos atuais 21,9527% para 20,8377%. Já a contribuição do grupo Alimentação e Bebidas para o índice geral caiu de 22,0828% para 18,9880%.

Na sequência dos líderes está o grupo Habitação (peso de 15,1593%), Vestuário (4,8010%), Artigos de Residência (4,0215%) e Saúde e cuidados pessoais (13,4575%).

As mudanças no consumo das famílias nos últimos anos alteraram também o ranking de itens mais pesados no orçamento. A tarifa de ônibus urbano e a conta de telefone fixo deixaram o top 10 de itens com mais peso na inflação oficial do Brasil, enquanto o gasto com emplacamento e licença e com condomínio passaram a figurar entre as despesas mais pesadas.

O peso do ônibus urbano no IPCA passou de 2,5773% para 1,3020% na nova ponderação. A tarifa de telefone fixo, que pesava 1,7423% e era o décimo gasto mais importante no IPCA, agora virou plano de telefonia fixa, com contribuição de apenas 0,2852%.

O custo do emplacamento e licença estreia no ranking de dez maiores contribuição para a inflação com participação de 2,3287%, enquanto o condomínio aumenta sua importância para 2,2747%.

A gasolina assumiu a liderança como maior despesa, saindo de 4,2988% para 5,0794%. Em segundo lugar ficou a energia elétrica, que subiu de 3,5580% para 3,9594%. O terceiro subitem de maior peso é o aluguel residencial, que aumentou sua contribuição de 3,3734% para 3,8532% na nova ponderação.

Já o peso da refeição fora de casa passa de 4,1638% para 3,7647%, enquanto o plano de saúde sai de 2,8978% para 3,6279%. O empregado doméstico aumenta de 3,0331% para 3,1019%. O automóvel novo sai de 4,4020% para 3,1019%, e automóvel usado passa de 2,2965% para 2,1124%.

O peso do subgrupo veículo próprio no IPCA passa de 12,0323% para 11,6634% na nova ponderação. Ao mesmo tempo, o subgrupo transporte público no IPCA reduz de 4,50% para 3,16%.

São Paulo ganha peso; Rio lidera perda

Os gastos das famílias que residem na Região Metropolitana de São Paulo, que já tinham o maior peso no IPCA, ganharam ainda mais relevância no cálculo da inflação oficial. A região avançou de uma participação de 30,67% para 32,32%, enquanto Brasília cresceu de 2,80% para 4,09%.

Entre as 16 áreas que compõem o IPCA, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi a que mais perdeu participação na nova estrutura, passando de 12,06% para 9,41%. Belo Horizonte ultrapassou a contribuição do Rio de Janeiro, embora tenha perdido relevância, saindo de 10,86% para 9,84% na nova ponderação. O peso de Rio Branco passou de 0,42% para 0,51%, ainda no último lugar no ranking de participação.

*Com informações do IBGE e Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Balanço

IRB anuncia lucro de R$ 1,764 bilhões em 2019 e abre números contestados pela Squadra

Empresa não cita nome da gestora, mas contesta informação de que balanço de 2019 teria sido turbinado por itens que não vão mais se repetir

reaquecendo

China promete ampliar assistência para fábrica retomarem operações

Governo chinês vai colocar fábricas em contato com empresas de tecnologia para ajudar a identificar quaisquer elos fracos nas cadeias de suprimento

na alesp

Reforma da Previdência em São Paulo é aprovada em primeiro turno

PEC estabelece idade mínima para aposentadoria, de 62 anos para mulheres e 65 para homens, acaba com o recebimento de adicionais por tempo de serviço e proíbe a acumulação de vantagens temporárias

o estopim da greve

Justiça do Trabalho suspende demissões em fábrica da Petrobras no Paraná

Decisão sobre a Fafen-PR terá validade até 6 de março, quando nova audiência de conciliação será realizada

Ranking

Os 27 fundos multimercados que superaram o CDI com consistência no longo prazo

Fundos badalados como o Bahia AM Maraú, o SPX Nimitz e o Kapitalo Kappa aparecem no topo da lista divulgada pela consultoria Economatica, mas o fundo Verde ficou de fora.

Iniciativa do governo

Programa Brasil Mais terá R$ 1 bilhão e buscará otimizar 200 mil empresas

O “Programa Brasil Mais”, anunciado nesta terça-feira (18) pelo governo federal, receberá investimento de cerca de R$ 1 bilhão, afirmou o porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Tendo como meta o aumento da eficiência das empresas, o programa foi dividido em quatro linhas: uma focada em otimização, envolvendo 200 mil empresas; outra, voltada […]

Tratos feitos

CVM aceita acordo com Morgan Stanley para encerrar processo envolvendo manipulações de ações da OGX, de Eike Batista

No total, o banco norte-americano se comprometeu a pagar a quantia de R$ 13,2 milhões

Página por página

Bolsonaro diz que vai avaliar texto da reforma administrativa esta noite

Há pouco, o presidente se reuniu com ministros para tratar da matéria

De olho nos números

EcoRodovias, Engie e Iguatemi: os balanços que movimentam os mercados nesta quarta-feira

Confira os resultados das empresas que divulgaram seus números na noite de ontem e na manhã de hoje

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a vida real alcança a bolsa

Para quem acompanha de longe, o sobe e desce muitas vezes frenético da bolsa de valores pode parecer totalmente desconectado da realidade. É verdade que o tal mercado passa por vários momentos de “exuberância irracional” – para lembrar a famosa frase de Alan Greenspan. O contrário também acontece com frequência, ou seja, em momentos de […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements