Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:09:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sai orelhão, entra Netflix

A inflação oficial vai mudar e a culpa é do seu jeito de consumir

O jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido, e isso fez com que o IBGE mudasse todo o seu esquema de levantamento do IPCA

12 de outubro de 2019
5:59 - atualizado às 14:09
inflação
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As compras no supermercado, o transporte para ir e voltar do trabalho ou até mesmo o cineminha do sábado a noite. Muitas vezes pode não parecer, mas esses hábitos do dia-a-dia mexem com a economia brasileira e com um de seus principais indicadores: a inflação.

Acontece que o jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido - e isso demanda respostas rápidas também. Foi justamente por conta desse tema que, a partir de janeiro de 2020, a conta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), vai ser um pouco diferente.

Na lista de itens avaliados pelo instituto, saem aqueles cujo peso dentro do orçamento familiar ficou menor, como os finados aparelhos de DVD e as máquinas fotográficas. Por outro lado, itens como transporte por aplicativos e serviços de streaming, que ganharam grande importância nos últimos anos, passaram a fazer parte do cálculo.

Na nova composição, erão 377 produtos e serviços, seis a menos do que o modelo atual de pesquisa. No total, o IPCA terá 56 novos subitens. Ou seja, 62 itens foram substituídos ou retirados da lista.

A nova lista de componentes do IPCA surgiu a partir dos dados coletados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018. Depois de dez anos sem levantamentos, a POF revelou uma profunda mudança nos hábitos dos brasileiros, que deixaram, por exemplo, de fazer ligações pelos orelhões e passaram a utilizar as chamadas de voz e vídeo do WhatsApp.

Confira o entra e sai do IPCA:

Composição da inflação

Precisamos falar sobre pesos

Se hoje em dia o brasileiro quando pensa em inflação olha para as prateleiras dos supermercados, em 2020 olhará para os pontos de ônibus e aplicativos de mobilidade. Isso porque o peso do setor de transportes no IPCA passará a ser o maior entre os demais, superando a histórica contribuição majoritária do segmento de Alimentação e Bebidas.

Em termos numéricos, o peso do grupo Transportes vai passar dos atuais 21,9527% para 20,8377%. Já a contribuição do grupo Alimentação e Bebidas para o índice geral caiu de 22,0828% para 18,9880%.

Na sequência dos líderes está o grupo Habitação (peso de 15,1593%), Vestuário (4,8010%), Artigos de Residência (4,0215%) e Saúde e cuidados pessoais (13,4575%).

As mudanças no consumo das famílias nos últimos anos alteraram também o ranking de itens mais pesados no orçamento. A tarifa de ônibus urbano e a conta de telefone fixo deixaram o top 10 de itens com mais peso na inflação oficial do Brasil, enquanto o gasto com emplacamento e licença e com condomínio passaram a figurar entre as despesas mais pesadas.

O peso do ônibus urbano no IPCA passou de 2,5773% para 1,3020% na nova ponderação. A tarifa de telefone fixo, que pesava 1,7423% e era o décimo gasto mais importante no IPCA, agora virou plano de telefonia fixa, com contribuição de apenas 0,2852%.

O custo do emplacamento e licença estreia no ranking de dez maiores contribuição para a inflação com participação de 2,3287%, enquanto o condomínio aumenta sua importância para 2,2747%.

A gasolina assumiu a liderança como maior despesa, saindo de 4,2988% para 5,0794%. Em segundo lugar ficou a energia elétrica, que subiu de 3,5580% para 3,9594%. O terceiro subitem de maior peso é o aluguel residencial, que aumentou sua contribuição de 3,3734% para 3,8532% na nova ponderação.

Já o peso da refeição fora de casa passa de 4,1638% para 3,7647%, enquanto o plano de saúde sai de 2,8978% para 3,6279%. O empregado doméstico aumenta de 3,0331% para 3,1019%. O automóvel novo sai de 4,4020% para 3,1019%, e automóvel usado passa de 2,2965% para 2,1124%.

O peso do subgrupo veículo próprio no IPCA passa de 12,0323% para 11,6634% na nova ponderação. Ao mesmo tempo, o subgrupo transporte público no IPCA reduz de 4,50% para 3,16%.

São Paulo ganha peso; Rio lidera perda

Os gastos das famílias que residem na Região Metropolitana de São Paulo, que já tinham o maior peso no IPCA, ganharam ainda mais relevância no cálculo da inflação oficial. A região avançou de uma participação de 30,67% para 32,32%, enquanto Brasília cresceu de 2,80% para 4,09%.

Entre as 16 áreas que compõem o IPCA, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi a que mais perdeu participação na nova estrutura, passando de 12,06% para 9,41%. Belo Horizonte ultrapassou a contribuição do Rio de Janeiro, embora tenha perdido relevância, saindo de 10,86% para 9,84% na nova ponderação. O peso de Rio Branco passou de 0,42% para 0,51%, ainda no último lugar no ranking de participação.

*Com informações do IBGE e Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies