Menu
2019-10-14T14:09:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sai orelhão, entra Netflix

A inflação oficial vai mudar e a culpa é do seu jeito de consumir

O jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido, e isso fez com que o IBGE mudasse todo o seu esquema de levantamento do IPCA

12 de outubro de 2019
5:59 - atualizado às 14:09
inflação
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As compras no supermercado, o transporte para ir e voltar do trabalho ou até mesmo o cineminha do sábado a noite. Muitas vezes pode não parecer, mas esses hábitos do dia-a-dia mexem com a economia brasileira e com um de seus principais indicadores: a inflação.

Acontece que o jeito de consumir do brasileiro está mudando rápido - e isso demanda respostas rápidas também. Foi justamente por conta desse tema que, a partir de janeiro de 2020, a conta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), vai ser um pouco diferente.

Na lista de itens avaliados pelo instituto, saem aqueles cujo peso dentro do orçamento familiar ficou menor, como os finados aparelhos de DVD e as máquinas fotográficas. Por outro lado, itens como transporte por aplicativos e serviços de streaming, que ganharam grande importância nos últimos anos, passaram a fazer parte do cálculo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na nova composição, erão 377 produtos e serviços, seis a menos do que o modelo atual de pesquisa. No total, o IPCA terá 56 novos subitens. Ou seja, 62 itens foram substituídos ou retirados da lista.

A nova lista de componentes do IPCA surgiu a partir dos dados coletados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018. Depois de dez anos sem levantamentos, a POF revelou uma profunda mudança nos hábitos dos brasileiros, que deixaram, por exemplo, de fazer ligações pelos orelhões e passaram a utilizar as chamadas de voz e vídeo do WhatsApp.

Confira o entra e sai do IPCA:

Composição da inflação

Precisamos falar sobre pesos

Se hoje em dia o brasileiro quando pensa em inflação olha para as prateleiras dos supermercados, em 2020 olhará para os pontos de ônibus e aplicativos de mobilidade. Isso porque o peso do setor de transportes no IPCA passará a ser o maior entre os demais, superando a histórica contribuição majoritária do segmento de Alimentação e Bebidas.

Em termos numéricos, o peso do grupo Transportes vai passar dos atuais 21,9527% para 20,8377%. Já a contribuição do grupo Alimentação e Bebidas para o índice geral caiu de 22,0828% para 18,9880%.

Na sequência dos líderes está o grupo Habitação (peso de 15,1593%), Vestuário (4,8010%), Artigos de Residência (4,0215%) e Saúde e cuidados pessoais (13,4575%).

As mudanças no consumo das famílias nos últimos anos alteraram também o ranking de itens mais pesados no orçamento. A tarifa de ônibus urbano e a conta de telefone fixo deixaram o top 10 de itens com mais peso na inflação oficial do Brasil, enquanto o gasto com emplacamento e licença e com condomínio passaram a figurar entre as despesas mais pesadas.

O peso do ônibus urbano no IPCA passou de 2,5773% para 1,3020% na nova ponderação. A tarifa de telefone fixo, que pesava 1,7423% e era o décimo gasto mais importante no IPCA, agora virou plano de telefonia fixa, com contribuição de apenas 0,2852%.

O custo do emplacamento e licença estreia no ranking de dez maiores contribuição para a inflação com participação de 2,3287%, enquanto o condomínio aumenta sua importância para 2,2747%.

A gasolina assumiu a liderança como maior despesa, saindo de 4,2988% para 5,0794%. Em segundo lugar ficou a energia elétrica, que subiu de 3,5580% para 3,9594%. O terceiro subitem de maior peso é o aluguel residencial, que aumentou sua contribuição de 3,3734% para 3,8532% na nova ponderação.

Já o peso da refeição fora de casa passa de 4,1638% para 3,7647%, enquanto o plano de saúde sai de 2,8978% para 3,6279%. O empregado doméstico aumenta de 3,0331% para 3,1019%. O automóvel novo sai de 4,4020% para 3,1019%, e automóvel usado passa de 2,2965% para 2,1124%.

O peso do subgrupo veículo próprio no IPCA passa de 12,0323% para 11,6634% na nova ponderação. Ao mesmo tempo, o subgrupo transporte público no IPCA reduz de 4,50% para 3,16%.

São Paulo ganha peso; Rio lidera perda

Os gastos das famílias que residem na Região Metropolitana de São Paulo, que já tinham o maior peso no IPCA, ganharam ainda mais relevância no cálculo da inflação oficial. A região avançou de uma participação de 30,67% para 32,32%, enquanto Brasília cresceu de 2,80% para 4,09%.

Entre as 16 áreas que compõem o IPCA, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi a que mais perdeu participação na nova estrutura, passando de 12,06% para 9,41%. Belo Horizonte ultrapassou a contribuição do Rio de Janeiro, embora tenha perdido relevância, saindo de 10,86% para 9,84% na nova ponderação. O peso de Rio Branco passou de 0,42% para 0,51%, ainda no último lugar no ranking de participação.

*Com informações do IBGE e Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

É HORA DE TER CALMA

Estágio atual recomenda cautela na política monetária, repete presidente do BC

Esta avaliação já constou nos documentos mais recentes do BC, inclusive na comunicação de dezembro do colegiado, quando a Selic (a taxa básica de juros) recuou de 5,00% para 4,50% ao ano

O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A economia brasileira no centro das atenções

A equipe do Seu Dinheiro comenta as principais notícias da semana

Eleições

Lula já descarta candidatura de Haddad em SP

A escolha do candidato está marcada para o dia 15 de março. O ex-presidente quer uma definição antes desse prazo

Gestora estrelada

SPX espera alta da Selic ainda neste ano e segue comprada em dólar

Para a gestora fundada por Rogério Xavier, que possui R$ 40 bilhões sob gestão, o país saiu da beira do abismo com aprovação da reforma da Previdência e deve crescer 2,5% neste ano

o que acontece em um ano

Expectativa positiva do governo Bolsonaro recua, aponta pesquisa

Levantamento mostra que a expectativa positiva para o restante do mandato caiu 23 pontos porcentuais em um ano

população cresce

Bancos brasileiros ampliam participação em Portugal para atender maior demanda

Itaú Unibanco vai inaugurar um novo escritório no país neste mês, enquanto o BTG Pactual recebeu o aval do regulador local; XP Investimentos e o Bradesco também rondam o mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements